Análise – Zombie Army 4: Dead War

Zombie Army é um spin off da série Sniper Elite que se destaca pela sua natureza cooperativa e temática, que apesar de não ser revolucionário funciona bastante bem, apesar da sua loucura. A história começa perto do fim da 2ª Guerra Mundial e quando Hitler estava prestes a perder, este recorre ao sobrenatural e está agora no controlo de Zombies. Os nossos heróis conseguem derrotá-lo e lentamente começam a limpar os territórios das hordas de Zombies mas algo não está bem.

Se acharam que a história é de loucos, quando referi o sobrenatural não me estava a referir apenas a zombies “normais”. Para além de soldados que regressam à vida temos também uma vasta gama de zombies, e sim digo gama como quem se refere a carros, porque de alguma forma também existem veículos zombies.

Felizmente não precisam de enlouquecer sozinhos, podem e devem fazê-lo com amigos, ou pelo menos, outros jogadores. Todo o jogo está desenhado para ser aproveitado em grupo. Claro que podem desbravar caminho sozinhos e o jogo até ajusta a dificuldade para tal mas nesse ponto o jogo passa a ser uma repetição incessante do mesmo, vezes e vezes sem conta com temáticas diferentes conforme progridem. Quando jogam acompanhados Zombie Army 4: Dead War, o jogo acaba por mostrar como as mecânicas cooperativas transformam completamente a demanda.

A início vão escolher uma de 4 personagens e podem ir variando conforme vão jogando. Cada personagem tem as suas características e podem ser melhoradas com habilidades e bónus conforme vão ganhando experiência. O arsenal não é muito variado, existem poucas armas mas cada uma delas pode ser melhorada e personalizada. Nestes menus vai saltar à vista que existe conteúdo bloqueado e não, não o vão conseguir desbloquear a jogar, trata-se de conteúdo pago. Num jogo em que não existe grande variedade de escolha dar de caras com conteúdo pago nesta forma, como uma nova arma ou personagem, não é de todo algo que me deixe contente. Claro que podem comprar o season pass ou apenas esse conteúdo, mas quando estamos no lançamento de um jogo e já existe conteúdo pago e bloqueado, limitando uma escolha que já não é muito variada para começar, acaba por não cair bem com o consumidor. Felizmente a jogabilidade e o jogo em si acabam por suplantar a importância desse mesmo conteúdo, acabando sempre por nos divertirmos a matar zombies.

Há medida que vão melhorando o vosso personagem vão desbloquear habilidades, quer de personagem quer de armas, para facilitar um pouco a tarefa. Um dos pontos centrais está na barra de vida que não se regenera automaticamente, vão precisar de kits que são bastante raros de obter, existem muito poucos disponíveis de forma garantida, se estiverem a jogar com 4 jogadores dá uma média de 1 para cada jogador, se não existirem gananciosos no grupo. Esporadicamente poderão encontrar inimigos que ao serem esmagados podem acabar por largar um desses kits, mas não é comum. Para colmatar esta mecânica é possível utilizar algumas habilidades que atribuem vida quando realizam certas acções e este é apenas um exemplo de como as habilidades complementam a jogabilidade. Ainda assim as minhas habilidades preferidas estão ligadas a armas, desde balas explosivas a balas incendiárias os seus efeitos são sempre nefastos para com os zombies.

Cada capítulo tem uma temática diferente, estes são apresentados como posteres de um filme e são baseados numa dada localização geográfica. Conforme vamos avançando pela história a dificuldade aumenta assim como a variedade de zombies. O que começa com mortos-vivos a caminhar lentamente vai evoluindo para correrias, zombies bomba, zombies de armadura, zombies lança chamas, tanques zombie etc. Variedade de inimigos não irá faltar. No entanto acaba por se tornar num jogo repetitivo, ainda que divertido.

Os níveis estão construídos por metas e desafios. Seja aguentar uma dada posição durante algum tempo, resolver pequenos puzzles ou simplesmente desbravar caminho pelas hordas de zombies, é uma estrutura que permite parar e retomar o nível quase em qualquer ponto. Em termos de jogo cooperativo podem entrar e sair de qualquer jogo a qualquer momento desde que tenham iniciado a vossa sessão de jogo online.

O aspecto do jogo é bom mas não é o melhor. Apesar de existirem algumas interacções supérfluas como abrir uma torneira de um lavatório, estas não colmatam o aspecto datado, quer do jogo quer das animações. A verdade é que o jogo tem um bom desempenho, mapas que até estão bem desenhados mas parecem não tirar partido da geração em que se encontram. Por outras palavras, o jogo tem uma boa atmosfera mas carece de melhoramento a nível visual.

No geral Zombie Army 4: Dead War é ideal para jogar com amigos, proporcionando várias horas de diversão. Quer seja no modo história, que ainda é longo, no modo de hordas que é bastante desafiante ou nos desafios semanais que nos colocam um desafio com regras especiais e recompensas a condizer. Se estão à procura de um jogo cooperativo para se divertirem não precisam de procurar mais, Zombie Army 4: Dead War tem potencial para vos agarrar durante várias horas.

 

Positivo

  • Modo história longo e variado
  • Desafiante e divertido
  • Progressão e habilidades
  • Zombies, Zombies, Zombies e mais Zombies

Negativo

  • Aspecto datado
  • Repetitivo
  • Pouca variedade de personagens/armas e conteúdo pago

Latest posts by Alexandre Barbosa (see all)
Share

You may also like...

error

Sigam-nos para todas as novidades!

YouTube
Instagram