Análise – Proteus

proteus cover

Proteus não é de todo um daqueles grandes jogos de um estúdio conceituado e que promete entrar no mercado dos vídeo jogos a matar. Estamos perante um jogo modesto e “ligeiramente” menos dispendioso que os triple A games que se costumam encontrar à venda nas lojas, mas em que é que isso se traduz na realidade?

Na verdade, Proteus é um jogo muito simples em todos os aspetos e apesar de parecer uma desvantagem, depois de algum tempo de jogo a opinião em relação ao jogo tem enorme probabilidade de mudar.

Proteus 1

As opções não são muitas, existindo apenas um modo de jogo que consiste explorar um mundo aberto. Com uma vista na primeira pessoa encontramo-nos numa ilha com uma fauna e flora muito peculiares, não por ser esquisita mas porque ambas têm intrínsecas em si sons específicos. Cada árvore, animal ou planta tem um som particular que faz com que a viagem pela ilha se torne uma autêntica sinfonia. Além da vegetação e dos animais também é possível encontrar locais místicos como memoriais ou mesmo uma “estrutura” parecida com o Stonehenge.

Não se trata de um jogo com um objetivo próprio, no fundo trata-se de uma ilha para explorar e da vontade de voltar à ilha para descobrir ou experienciar novas coisas. É um jogo que não deve agarrar qualquer tipo de jogador, contudo promete uma bela experiência àqueles que se demonstrarem mais abertos a esto tipo de experiências.

proteus 4

Os gráficos podem parecer pouco importante em Proteus, no entanto diria que têm um papel de relevo. O visual é muito cru e simples, aqui é fácil de perceber que este não é o aspeto mais trabalhado, porém este facto atribui-lhe uma melhor posição para criar uma certa magia em torno do som. A maioria dos animais são pouco percetíveis, tornando difícil perceber o que são eles exatamente, mas ao mesmo tempo acaba por ser um mal que vem por bem pois cada um entende o jogo à sua maneira e isso acaba por ser um pouco do que Proteus representa, uma “viagem” pela ilha com uma experiência própria que varia de pessoa para pessoa.

proteus 3

Se por um lado os gráficos não estão muito trabalhados, por outro o som está muito bem conseguido. Os sons parecem combinar muito bem e após algum tempo de jogo a própria melodia e os sons da ilha ajudam-nos a perceber o que nos rodeia, por exemplo quando se começa a ouvir o som característico de um animal antes de o avistar. Se tivesse que traduzir a experiência sonora obtida ao jogar Proteus diria que é como se fosse um vídeo jogo em forma de “twister musical”, à medida que vais pisando novos locais vais ativando novos sons e novas melodias.

Proteus trata-se de um jogo sem grande capacidade para agarrar o jogador a longo prazo e não promete agradar muitos tipos de jogador, no entanto consegue representar uma boa experiência especialmente pela forma como nos envolve no seu mundo. Não é nenhum GOTY mas sendo um jogo de baixo custo consegue mostrar que não se deve julgar um “jogo” pela capa.

Positivo:

  • Efeitos sonoros
  • Capacidade de surpreender

Negativo:

  • Apelativo a um público muito reduzido
  • Pouca longevidade

pn-bom-ana

Share

You may also like...

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
error

Sigam-nos para todas as novidades!

YouTube
Instagram
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x