Análise – Grounded

Desde 2020 que Grounded esteve “no forno” e agora a Obsidian Entertainment decidiu lançar a versão final do jogo. Depois de jogos com temas bastante exuberantes como Pillars of Eternity ou The Outer Worlds, uma pequena parte do estúdio começou a trabalhar num jogo um pouco diferente e assim nasceu Grounded.

De uma forma resumida, a Obsidian Entertainment decidiu pegar no tema do filme “Querida, Encolhi os Miúdos” e explorou todas as possibilidades que a sua imaginação permitiu para criar um videojogo nesse sentido. Sendo assim vamos ter de sobreviver e explorar o nosso jardim usando recursos naturais como plantas, trevos, ramos e assim combater os vários insectos, sejam eles voadores ou rastejantes, que se irão colocar no nosso caminho.

O sistema de progressão é bastante simples e irá levar-nos a enveredar pelo perigoso jardim enquanto procuramos por respostas para a condição que nos reduziu o tamanho. Vamos então explorar o cenário, matar insectos, criar armas e armaduras dos seus restos mortais, e tentar derrotar inimigos mais fortes para repetir o ciclo. Nem tudo é fácil, visto que iremos sempre encontrar insectos diferentes e mais fortes que nos farão puxar um pouco pela cabeça e até mudar de estratégia de combate.

Vamos ser também acompanhados pelas várias tecnologias que nos irão ajudar a criar equipamentos mais complexos, descobrir os pontos fracos dos vários insectos e até desbloquear habilidades que nos irão ajudar com o nosso percurso. Pelo nosso caminho iremos desbloquear um elemento de nome “Raw Science” que funciona como moeda para podermos escolher aquilo que podemos ou queremos desbloquear seja em termos de habilidades como novos equipamentos.

Para além de ser um jogo com um tema bastante agradável, o factor comédia é um dos pontos mais fortes deste jogo. A Obsidian Entertainment esforçou-se bem para conseguir oferecer algumas das falas mais engraçadas que vi num jogo. O robô BURGL.R irá acompanhar-nos nesta viagem e compete com algumas personalidades conhecidas como Clap Trap da série Borderlands no que toca à comédia e diálogos divertidos.

O cenário passa-se todo num jardim, e o estúdio fez um bom trabalho para criar vários tipos de bioma que representassem aquilo que podemos encontrar lá, desde um lago que pode representa uma região mais aquática, uma zona cheia de brasas para um churrasco é o equivalente a uma zona de fogo e isto não fica por aqui. Sempre que nos aventuramos um pouco mais acabamos por encontrar zonas distintas que nos colocam sempre um novo desafio à frente.

A criação da nossa base é também um ponto vital para o jogo, sendo o sítio onde vamos sentir-nos seguros, planear a próxima expedição e arrumar os nossos items. Felizmente o jogo dá-nos várias opções para criarmos uma base mas com o futuro penso que o estúdio conseguirá trazer mais objectos até opções para criarmos infra-estruturas mais elaboradas.

Apesar de ter havido um bom trabalho do estúdio em lançar a primeira versão definitiva, ainda existem alguns bugs que poderão causar alguma irritação. Mais notório é o possibilidade algumas gotas de água ficarem presas mesmo abanarmos as plantas que as detém até monstros e insectos terem problemas a andarem pelo cenário.

Mesmo assim, este é um jogo bastante belo e cheio de carácter que não precisa de demasiada exuberância gráfica para se mostrar. Todos os monstros e cenários estão bem trabalhados e os biomas vão alterando a palete de cores para não cansar a nossa vista com o constante verde e castanho que iremos ver. As actuações de voz estão bastante boas e a banda sonora oferece um pano de fundo musical com um estilo electrónico típico dos anos 80 e 90.

Numa altura em que os jogos de sobrevivência começam a saturar um pouco o mercado, Grounded aparece como uma lufada de ar fresco que oferece algo distinto e muito engraçado. A verdade é que o jogo está bem trabalhado e torna divertido explorar o nosso jardim, combater contra simples insectos e criar uma sensação de medo entre alguns deles, bem como construir a nossa base e equipamentos à base de recursos naturais.

Grounded é um dos meus jogos favoritos deste ano. Se gostam de jogos de sobrevivência com um tema mais amigável e uma apresentação engraçada, este novo título da Obsidian Entertainment não irá desapontar-vos.

Positivo:

  • Um tema diferente
  • Mecânicas de jogo bem trabalhadas
  • Apresentação apelativa
  • Bosses memoráveis
  • Humor sempre presente

Negativo:

  • Alguns bugs irritantes

Share

You may also like...

error

Sigam-nos para todas as novidades!

YouTube
Instagram