Análise – JoJo’s Bizarre Adventure: Diamond is Unbreakable

  • Episódios: T4 – 39
  • Temporada: Primavera 2016 (Abril)
  • Produtores: David Production ; Warners Bros., KlockWorx, Medicos Entertainment, Shueisha
  • Géneros: Acção, Aventura, Comédia, Drama, Supernatural, Shounen,
  • Idades: +17
  • Adaptação: Manga

Chegou a altura de encerrar a nossa aventura pela série JoJo e analisar a última adaptação a anime da manga de 1987. No momento em que iniciei a análise o sonho de uma quinta parte em formato animado ainda não era real, mas agora Golden Wind está para chegar e ainda este ano, por isso vamos apertar o cinto e ver o que JoJo’s Bizarre Adventure: Diamond is Unbreakable tem para nos oferecer antes que a próxima história tenha lugar. Caso estejam interessados podem ler as análises das temporadas anteriores antes de continuarem (JoJo’s Bizarre Adventure) (JoJo’s Bizarre Adventure: Stardust Crusaders), pois poderá haver alguns spoilers sobre os mesmos.

Diamond is Unbreakable vem adaptar a quarta parte da manga JoJo’s Bizarre Adventure, continuando a história uma década após os eventos de Stardust Crusaders ao apresentar Josuke Higashikata [Daisuke Ono] como o novo protagonista e a cidade de Morioh como o centro desta nova aventura. Os dias são normais e decorrem sem grandes acontecimentos até ao aparecimento de Jotaro Kujo e a sua declaração de que Josuke é o filho ilegítimo de Joseph Joestar, afirmando que algo está para acontecer na cidade de Morioh e que poderá terminar os dias de paz ao qual todos estão habituados.

JoJo’s Bizarre Adventure: Diamond is Unbreakable é uma aventura diferente das anteriores. Enquanto que nas outras histórias os protagonistas tinham que viajar de um lado para o outro para enfrentar os seus adversário, aqui as nossas personagens vivem uma vida quase normal na cidade de Morioh. Apesar de Josuke levar uma vida quieta perante o olhar de muitos, a verdade é que ele e os seus companheiros entram em vários confrontos contra adversários que ameaçam não só as suas vidas mas também a paz de Morioh e os seus habitantes. A quarta parte de JoJo acaba por ter um ar mais descontraído que as anteriores, dando-se ao luxo de “gastar” alguns episódios em coisas menos importantes, uma decisão que apenas funciona nesta história.

Se existe o conceito de “vilão da semana” então a quarta parte de JoJo é a que melhor define essa ideia na série. Apesar de as aventuras anteriores, em especial Stardust Crusaders, seguirem este formato, Diamond is Unbreakable vive a partir desta ideia com grande parte dos confrontos serem simplesmente um encontro que não está muito ligado á história mas sim ao dia-a-dia das personagens. A maioria dos adversários recebe os seus poderes devido aos acontecimentos que estão ligados com o vilão desta história, mas poucos oferecem informação de forma a que os nossos heróis fiquem mais perto de encontrar a pessoa por detrás de tudo.

Este é o maior problema da quarta parte de JoJo’s Bizarre Adventure e o que poderá deixar alguns fãs desapontados. A aventura anuncia que existe uma pessoa por detrás dos acontecimentos que estão a ter lugar em Morioh mas o anime decide oferecer episódios que não acrescentam muito à história deste evento, apresentando por sua vez várias personagens que vão sendo adicionadas ao elenco de Diamond is Unbreakable. Estes episódios acabam por depender imenso da prestação das personagens envolvidas e do quanto o espectador gosta das mesmas, caso contrário os episódios não dizem muito para quem está a assistir uma vez que grande parte destas personagens secundárias não tem muito por onde pegar.

Por outro lado, alguns dos acontecimentos nestes episódios acabam por ser naturais tendo em conta as personalidades das personagens envolvidas, fazendo sentido o porquê de estas se encontrarem numa alhada e a maneira em como decidem agir. Estes episódios exploram as personagens em várias situações diferentes e ajuda-as a crescer, o que de certa forma é o mesmo que acabou por acontecer com Stardust Crusaders, excepto que desta vez o vilão está mais presente na história ao contrário de DIO que esteve ausente até aos últimos episódios da temporada anterior.

Yoshikage Kira é o vilão desta história e um dos melhores, se não o melhor, de JoJo’s Bizarre Adventure. A sua introdução é feita de uma maneira que não chama muito à atenção das personagens e o mesmo acaba por se envolver várias vezes com o grupo durante o percurso desta aventura. Kira corrige tudo o que DIO tinha feito mal durante a temporada anterior e ao mesmo tempo consegue fazer muito mais ao ser uma personagem quase normal, excluindo o facto de ter criado várias vítimas ao longo dos anos.

O confronto entre o vilão e os nossos heróis começa ainda antes de os mesmos saberem que Yoshikage Kira existe, sendo uma onda de eventos que acabam por ter o efeito de bola de neve e que levam assim aos confrontos que Kira tem com Josuke e companhia. A maneira como a história de Kira nos é entregue faz a espera valer a pena, mas por outro lado levanta a questão de se era mesmo necessário tantos episódios com novas caras e sem grande impacto nos eventos que estavam a ter lugar na vida das personagens.

Seria algo fácil de contornar caso o autor tivesse revelado a personagem Yoshikage Kira mais cedo, realçando assim a forma em como Kira é alguém que segue uma vida normal e que não possui o típico desejo de vilão, ao ponto de não aparecer no radar das personagens. Esta ideia torna-se ainda mais relevante tendo em conta que é isto que acontece a partir do momento em que Kira é revelado, excepto que a partir desse momento a história também foca-se nele. Após uma fornada de vinte episódios que não levam a lado nenhum e que deixam os espectadores a desejar por algo que avance a história, Yoshikage Kira é uma boa oferta, mas o estrago fica presente com os episódios lentos.

Basicamente o foco de Diamond is Unbreakable está mais virado para as personagens da série em vez da história ou cenas de acção, inclusive devido ao facto de nesta temporada grande parte das Stands não estarem focadas em combate mas sim em outras habilidades, criando situações impossíveis e que necessitam que as personagens usem a cabeça (e por vezes os músculos) para resolver. Este é um dos pontos fortes de JoJo, não as batalhas mas sim os “puzzles” criados devido às habilidades das stands, e a quarta parte tem mais dessas cenas em jogo em comparação à temporada anterior.

No que toca a personagens secundárias, algumas recebem mais atenção que outras, mas todas acabam por ser um pouco carismáticas ao ponto de o espectador se lembrar das mesmas. Já as personagens principais recebem o seu devido desenvolvimento durante a grande fornada de episódios que seguem o formato de “vilão da semana”. Não só temos momentos dedicados às novas personagens da quarta parte de JoJo mas também a algumas antigas e favoritas dos fãs, que mudaram ao longo destes 10 anos, sendo um bom exemplo de fan service.

Pegando no tópico de openings e endings, Stardust Crusaders tinha deixado muito a desejar no que toca a este aspecto, em especial quando comparado com a primeira temporada do anime que sabia o que estava a fazer, felizmente a David Production voltou a ter inspiração e criou novamente um bom par de aberturas. Todas as aberturas de Diamond is Unbreakable estão recheadas de vida, personalidade e vários elementos escondidos que fazem referências a acontecimentos da série da uma forma bastante subtil e que dão um novo significado às aberturas quando o espectador voltar a ver as mesmas de novo.

Tanto a música como os elementos visuais destas aberturas são um mimo para os fãs. Para além de serem músicas que ficam no ouvido estas também acentuam bem com a personalidade das novas personagens, acabando por as reflectir. Como se isso não bastasse, as várias transições visuais feitas nestas aberturas são na maioria das vezes realizadas pelos poderes das stands que as personagens possuem, dando um elemento único e que torna estas aberturas ainda mais especiais. Em Stardust Crusaders as aberturas deixaram esse aspecto de lado e focaram-se mais em mostrar o leque de personagens, algo que Diamond is Unbreakable conseguiu corrigir de uma excelente forma enquanto continua a ter as personagens como foco.

Já o encerramento do anime faz lembrar o da segunda metade de Stardust Crusaders em termos de visuais e tom que apresenta. O foco deste encerramento recai sobre a cidade de Morioh que é o centro desta aventura, apresentando as personagens no seu dia-a-dia enquanto que a música “I Want You vai tocando no fundo. Este encerramento acaba por ter um ar descontraído que reforça a ideia de as personagens estarem estarem a viver uma vida normal mesmo tendo em conta os acontecimentos que estão a ter lugar à sua volta.

Sobre a banda sonora em si, esta possui uma quantidade memorável que é superior a Stardust Crusaders, e tal como o que aconteceu na primeira temporada estas músicas acabam por reflectir as personagens, em especial o protagonista Josuke Higashikata. Mas o destaque recai mesmo nos temas de Yoshikage Kira que apesar de serem calmos e por vezes darem a impressão de terem um tom cómico, conseguem criar um ambiente ameaçador e que melhor representa a personagem durante o percurso do anime.

Em termos de animação tal como nas temporadas anteriores o anime continua a mudar os tons de cor tanto dos cenários como das personagens conforme a situação assim o demande, mas algo a destacar nesta nova temporada são as transições de cenas que acontecem ao longo dos episódios, algo que não era assim tão comum nas temporadas anteriores e que está feito de uma maneira excelente. Sobre as personagens em si, estas estão com um aspecto ainda mais normal em comparação ao design das aventuras anteriores.

Esta temporada consegue mais uma vez mudar a base de JoJo’s Bizarre Adventure, mostrando que nem sempre a história é sobre os protagonistas a viajarem para combater o mal e que por vezes a série pode descontrair um pouco e apresentar um elenco menos robusto mas que ao mesmo tempo tem mais para contar. Yoshikage Kira logo de imediato torna-se num vilão a recordar tanto devido à sua normalidade como acções tomadas contra os nossos heróis que não é facilmente resolvida. As várias personagens secundárias presentes ou fazem-se ouvir ou são esquecidas, o que acaba por ser um ponto negativo tendo em conta a quantidade de episódios que Diamond is Unbreakable decidiu dedicar para as mesmas.

Em suma, Diamond is Unbreakable continua a ser o típico JoJo ao qual todos estão habituados, excepto que desta vez o foco é menos no quanto as personagens andam na pancadaria e o seu aspecto, mas sim no que as mesmas tem para contar com as dificuldades que encontram no seu dia-a-dia. Sendo devido a isso que se os fãs não gostarem das personagens então esta parte não terá nada a dizer para as mesmas, porque a historia é exclusivamente sobre elas e não sobre um mal maior ou outra ameaça que poderá meter muitos em perigo. Excluindo isso, tudo o resto irá agradar aos fãs pois ou continua igual ou foi melhorado.

Positivos:

  • Personagens carismáticas
  • Yoshikage Kira é um bom vilão
  • Transições de cenas são bem feitas
  • Banda sonora
  • Batalhas de Stands que fazem as personagens pensar

Negativo:

  • Maioria da história acaba por ser “vilão da semana”
  • Algumas personagens secundárias são esquecidas

Mathias Marques

Editor oficial desde Agosto 2014 Para além de videojogos também gosto de anime. Podem ver-me a apregoar sobre ambos os assuntos no site em forma de notícia, artigo ou análise. Tenho a sorte de encontrar momentos parvos enquanto estou a jogar, ou de os criar eu mesmo.

More Posts

Follow Me:
TwitterYouTube

Mathias Marques

Editor oficial desde Agosto 2014 Para além de videojogos também gosto de anime. Podem ver-me a apregoar sobre ambos os assuntos no site em forma de notícia, artigo ou análise. Tenho a sorte de encontrar momentos parvos enquanto estou a jogar, ou de os criar eu mesmo.