Antevisão – Returnal

Depois de alguns jogos mais próximos do estilo Bullet Hell e shooters de acção isométricos, é interessante ver a Housemarque tentar entrar nos jogos de grande gabarito e logo a começar na PS5.

Returnal é claramente um projecto de alto investimento e isso é possível ver imediatamente nas primeiras horas de jogo. A forma como tudo está construído parece um filho entre um Metroidvania e o Bullet Hell típico da Housemarque, mas existe mais aqui, em especial alguns laivos de Dark Souls.

Do que pude jogar até agora, Returnal é um jogo que funciona em sistema de Loop, os cenários mudam ligeiramente cada vez que morremos, mas a ideia é sempre chegar a novas zonas e conseguir apanhar novas armas ou objectos que ajudam a avançar. Cada morte ajuda a perceber os inimigos e ferramentas um pouco melhor, assim como abre caminho para novas descobertas.

A maior parte do tempo é passada a encontrar becos sem saída que sabemos que são desbloqueados com algo que vamos apanhar mais à frente. A outra parte desse tempo é passada em combate contra vários estilos de monstros que habitam o planeta.

O combate é rápido e divertido, mas é daqueles que nos obriga a estar em constante movimento, pois grande parte dos inimigos são bastante móveis ou descarregam várias saraivadas de tiros e bolas de energia que nos dão dano. Gosto especialmente do facto de ser possível acumular adrenalina ao matar inimigos e evitar ser atingido, o que desbloqueia habilidades.

Algo que até agora me incomodou um pouco foi todo o cenário ter sempre um ambiente mais negro ou escuro, mas estamos a falar do primeiro bioma de uma série deles, por isso ainda há muito para ver. Alguma da geometria é bastante simples e os puzzles não são assim tão exigentes. Das primeiras vezes também me senti um pouco confuso com a parca explicação de objectivos e até com a exploração.

A apresentação e trabalho sonoro para já estão ao nível do que se espera de um jogo apoiado pela Sony, mas para já uns furos abaixo visualmente daquilo que seria de esperar da PS5. Vamos ver se os cenários mais avançados vão ajudar a desfazer essa ideia.

O facto de ser uma espécie de Dark Souls onde ao morrer estamos sempre a repetir um loop já é algo que pode afastar ou assustar alguns jogadores. Além disso, o próprio tema e sistema de jogo pode deixar outros tantos ainda mais confusos. No entanto, sou da opinião que esta indústria precisa de mais jogos como Returnal.

Por agora, Returnal é um diamante em bruto que ainda vou ter de explorar melhor, mas não deixa de ser uma das propostas mais arrojadas que a Sony podia ter encontrado para este início de vida a PS5. A jogabilidade é desafiante e o conteúdo interessante o suficiente para puxar o jogar, o que é um muito bom preságio para termos aqui um grande lançamento da PS5.

Returnal vai ser lançado em exclusivo para a PS5 no dia 30 de Abril.

Share

You may also like...

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
error

Sigam-nos para todas as novidades!

YouTube
Instagram
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x