Análise – Yo-Kai Watch 2: Bony Spirits/Fleshy Souls

Yo-Kai Watch é um grande sucesso no Japão e deu origem a uma saga de jogos na 3DS, no ano passado essa febre invadiu Portugal com o jogo Yo-Kai Watch e apesar de não ter tido hipótese de o jogar na altura confesso que fiquei com a pulga atrás da orelha. Agora chega a sua sequela dividida em duas versões: Bony Spirits e Fleshy Souls. A primeira questão que se levanta tem que ver com as diferenças e tal como Pokémon, jogo ao qual é comparado constantemente, as diferenças parecem basear-se em alguns Yo-Kai exclusivos para cada versão.

O jogo passa-se maioritariamente no mesmo local que o primeiro jogo, pelo menos inicialmente até porque a maneira que o jogo tem de dar o tutorial ao jogador passa por um surto de amnésia e que de certa forma está relacionado com a história. Assim durante este surto é nos explicada a utilização do Yo-Kai Watch e quem são algumas das personagens. No entanto desenganem-se se acham que têm acesso a todas as engenhocas de forma rápida, estas são desbloqueadas a passo de caracol tal como o desenvolvimento das missões.

O jogo tem uma vista aérea para a o movimentação em 360º da nossa personagem que pode ser um rapaz ou rapariga, depende da vossa escolha, e em certos momentos apresenta-nos um plano na 1ª pessoa, próximo de algo para ser investigado ou para fazer um mini-jogo da apanha de insectos, uma actividade recorrente ao longo do jogo. Assim estes momentos de investigação dão origem à caça de insectos, procura por objectos e descoberta de Yo-Kai.

A aventura está dividida em capítulos e segue a vida do nosso protagonista que supostamente é normal, mas nós sabemos que para além de um aluno é também o responsável por salvar o dia. As sequências são maioritariamente missões que se prolongam por demasiado tempo mas também com o espírito certo. Com o desenvolver da história vamos ver novos locais para além da cidade em que começamos e apesar de este ser um jogo desenhado para crianças, em que até atravessar a estrada com um sinal vermelho pode ter certas consequências, retém sempre o espírito de aventura.

O jogo não gosta muito de se levar a sério e proporciona constantemente momentos ridículos aos nossos heróis. Confesso que existiram situações que me fizeram rir e que pareciam retiradas de um anime ou desenho animado. Yo-Kai Watch 2 tem mesmo muito charme e uma personalidade que agradará aos mais novos e até aos mais velhos já que alguns diálogos estão redigidos de modo a serem entendidos por uma criança e desfrutados por um adulto. Infelizmente a ausência de localização para a língua portuguesa num jogo como este é sentida. No entanto, atenção que é necessário estar no espírito do jogo para o apreciar na sua totalidade uma vez que a história é sem sombra de dúvidas dirigida em primeiro lugar aos mais novos.

Se ainda não sabem o que são Yo-Kai, estes são fantasmas que inspiram várias acções nos seres vivos que os rodeiam. Por exemplo um Yo-Kai dorminhoco irá fazer os seres vivos por perto terem sono de forma inexplicável, no entanto nós temos um Yo-Kai Watch, um dispositivo que nos deixa ver e interagir com os Yo-Kai e assim somos nós que temos a responsabilidade de resolver vários problemas. Os Yo-Kai no entanto têm várias personalidades e nem todos são amigáveis ou fazem as trafulhices por acidente, cabe-nos a nós criar amizade com estes Yo-Kai ou simplesmente resolver os problemas deles para que deixem de atormentar a zona em questão.

O departamento sonoro deste jogo sabia exactamente aquilo que estava a fazer acompanhando todos os momentos com a música e efeitos certos, a minha única queixa vais mesmo para a repetição de algumas músicas durante certos segmentos que se vão tornando em loops cansativos, no fundo aquilo que teria impacto uma vez torna-se comum rapidamente. O aspecto garrido e cartoon do ambiente e das personagens é bastante apelativo e é um trabalho bastante interessante para o que a 3DS consegue fazer, já o design de alguns Yo-kai é só esquisito. Tão depressa temos Yo-Kai bastante carismáticos por exemplo Jibanyan, como temos Yo-Kai saídos do casting falhado para um filme de terror de linha terciária, e para além disso ainda existem Yo-kai que são cópias uns dos outros com algumas alterações. Isto é um problema num jogo que quer que eu recolha as medalhas de todos os tipos de Yo-kai, para que isso aconteça eu tenho que querer colecionar todos os Yo-Kai e só alguns são realmente interessantes. Acredito que para os fãs da série e que conheçam muito bem este universo isso não seja um problema mas para mim que estou a conhecer Yo-Kai Watch agora, é um problema ao qual não consigo dar a volta, para que é que vou estar a arranjar novos Yo-Kai se os que tenho já fazem uma equipa tão sólida.

Como este é um JRPG para além da aventura também vão combater e aqui os combates são simples, aliás, demasiado simples. Os combates decorrem de forma automática, os Yo-Kai agem sozinhos, eles é que decidem quando atacam e aquilo que fazem, o nosso papel é simplesmente girar a roda com 6 Yo-Kai, activar os ataques especiais, purificar os Yo-Kai quando estes ficam desinspirados e escolher um alvo para todos os Yo-Kai se quisermos. Para completar os ataques especiais ou mesmo as inspirações temos que completar alguns mini-jogos rápidos com o auxílio do Stylus e o touchscreen da 3DS, estes mini-jogos são poucos e não acrescentam nada ao sistema de combate para além da perda de tempo uma vez que são obrigatórios e parece não haver uma recompensa pelo quão bem os executamos. Mais para o meio da aventura desbloqueamos algumas novidades e com elas efectivamente existe uma recompensa para a execução rápida do mini-jogo.

A formação dos menus durante o combate consiste então numa roda com 6 Yo-Kai que lutam 3 de cada vez e esta pode ser girada para colocar a combinação que quisermos em campo. Cada Yo-Kai tem um certa afinidade com um dado elemento e certas combinações são mais abonadas do que outras. Como um todo é um sistema que retira demasiado controlo ao jogador deixando o resultado ao sabor do vento. O pouco que podemos fazer consiste em organizar e escolher a altura para utilizar os ataques especiais mas existe mais uma mecânica. Travar amizade com os Yo-Kai inimigos. Ao atirar comida aos inimigos podemos ter a sorte de os recrutar no fim da luta apesar de nem sempre ser necessário encher-lhes a barriga para travar amizade. Uma outra forma de angariar Yo-Kai é coma  troca das medalhas entre jogadores. Falando em online é possível trocar, e combater; localmente é possível fazer isso e existe ainda um modo para 4 jogadores Yo-Kai Blasters. Yo-kai Blasters é um modo cooperativo que coloca os jogadores a reunir esferas e a possibilidade de loot para a história principal.

Como um todo Yo-Kai Watch 2 Bony Spirits ou Yo-Kai Watch 2 Fleshy Souls são jogos que visualmente transpiram charme e são indicados para os mais novos, quer pelas temáticas abordadas quer pelas mecânicas que são simples de entender e fáceis de utilizar. De um modo geral Yo-Kai Watch 2 é um jogo para os fãs, não sinto que faça o suficiente para introduzir novos jogadores a este mundo de forma eficaz e é mais provável que seja desfrutado por aqueles que descobriram Yo-Kai Watch através do animé como um complemento à série do que ao contrário.

Positivo

  • Visual bastante garrido e apelativo
  • Situações caricatas
  • Várias horas de jogo para os fãs
  • Imensos Yo-Kai para travar amizade
  • Algumas personagens são bastante boas e arrancam sorrisos a qualquer um

Negativo

  • Design de alguns Yo-kai
  • Sistema de combate
  • Não faz o suficiente para introduzir o jogador a este universo por si só

Alexandre Barbosa

Videojogos e séries de TV são o seu meio de entretenimento favorito. Desde jogos de plataformas a RPGs todos os jogos são um hipotético interesse. Ganhou também alguns traumas com certos videojogos mas isso já era de esperar. Agora já posso parar de falar sobre mim na 3ª pessoa?

More Posts

Alexandre Barbosa

Videojogos e séries de TV são o seu meio de entretenimento favorito. Desde jogos de plataformas a RPGs todos os jogos são um hipotético interesse. Ganhou também alguns traumas com certos videojogos mas isso já era de esperar. Agora já posso parar de falar sobre mim na 3ª pessoa?