Star Wars: The Bad Batch – Primeiras Impressões

Não costumo ter o hábito de fazer artigos de “primeiras impressões“, aliás é o meu primeiro, no entanto, com a mais recente estreia de Star Wars: The Bad Batch, senti que poderia fazer algo nos mesmos moldes. Principalmente, porque o último episódio da série só estreará em meados de Agosto, assim até será um exercício interessante, de ver se as minhas expectativas iniciais se mantiveram, ou se alteraram para pior, ou esperemos, para melhor.

4 de Maio (May 4th Force By With You) marca o dia oficial de Star Wars, e não poderia ter sido em  melhor data para estrear o primeiro episódio da série no Disney Plus. Mas não se engane quem pensa, que foi um mero episódio, pois de facto foi algo de peso, cerca de uma hora e quinze minutos de conteúdo. Star Wars: The Bad Batch é uma produção animada proveniente da mesma mente por detrás de The Mandalorian, o já consagrado e muito proclamado pelos fãs, Dave Filoni, juntamente com outros colaboradores da Lucasfilm Animation.

Trata-se portanto de um spin-off/sequela de The Clone Wars, que por sinal, terminou a sua sétima e última temporada há um ano atrás, podem ver a nossa análise aqui. Digo também sequela, pois efetivamente a sua ação decorre momentos após o clímax de The Clone Wars e  no decorrer do desfecho de Revenge Of The Sith (2005). Neste sentido, com a execução da Ordem 66, o exército de clone troopers vira-se agora contra os Jedi e a velha República, agora sob o manto do Império Galático, pelas mãos de Palpatine.

Ora o nosso grupo de protagonistas, The Bad Batch é imune a esta ordem militar, por terem sido geneticamente modificados, consequentemente diferenciando dos restantes demais clones de Jango Fett. Assim vêem-se numa situação entre obedecer a nova ordem instituída ou rebelar-se contra a mesma, apoiando os resquícios de resistência que sobraram.

Também conhecidos por Clone Force 99, o pequeno batalhão é constituído por Hunter, líder nato e o elemento humanizador da equipa; Crosshair um atirador furtivo com uma visão superior, mas extremamente impiedoso; Tech o cérebro da equipa, mestre hábil das tecnologias; Wrecker o par de músculos do grupo, mas também o mais bem humorado e leal; e por fim, o quinto elemento que se juntou ao grupo no final de The Clone Wars, Echo que antes servia como mero clone trooper, sendo agora um cyborg com uma armadura única.

Feitas as apresentações, o que há então a dizer, sobre o episódio? Bem, primeiro era tudo aquilo que esperava: Qualidade da animação soberba, a cada produção a Lucasfilm Animation consegue elevar a fasquia e aqui não foi excepção, e cenas de ação bem planeadas, não apenas o que está em cena, mas como se constroem todas as sequências de batalha. Por outro lado, fiquei surpreendido com a história, esperava algo mais simples, na medida em que iriam focar na típica lógica de “cada episódio, uma pequena aventura“, o que poderá acontecer (pois ainda é cedo para dizer, dirão alguns, visto apenas ter saído um episódio) mas tudo leva a querer que não, estou confiante que o rumo será mesmo algo de diferente do habitual e para melhor.

Realmente estou curioso para ver o desenrolar do drama interno entre os membros do The Bad Batch, ainda para mais levando em conta o desfecho do episódio, que não irei revelar. Outro ponto importante a tocar, e que se tem visto a notar nas mais recentes produções de Star Wars é a abertura progressiva de se misturar personagens entre produções distintas, seja passar da série animada para uma série live-action (Bo Katan) ou até de passar do filme para a série live-action (Luke Skywalker). O que torna todo este vasto universo em algo muito mais coeso e uniforme. Filoni promete que mais personagens e referências vão aparecendo ao longo dos episódios, embora tenhamos tido já algumas caras conhecidas neste primeiro episódio, como General Tarkin ou Caleb Dune.

O primeiro episódio estendido de Star Wars: The Bad Batch começou com o pé direito, e entregou tudo aquilo que os fãs esperavam, e mais algumas pequenas surpresas aqui e ali. Como primeira impressão fez o seu trabalho ao deixar-me investido e interessado, naquilo que Filoni reservou para este grupo tão infame de personagens do universo de Star Wars. Será que iremos ver o retorno de Darth Maul, cujo destino apesar de se saber, ficou em aberto no final de Clone Wars? Poderá haver alguma ligação com Rogue One ou até com a série solo de Obi-Wan? Teremos de esperar para ver. Seja como for estarei a acompanhar, e assim que terminar, a análise sairá em boas horas aqui no site.

João Luzio
Share

You may also like...

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
error

Sigam-nos para todas as novidades!

YouTube
Instagram
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x