Análise: Saving Mr. Banks – Ao Encontro de Mr. Banks

ao-encontro-mr-banks-ana-pn-img1

De facto, o dinheiro é uma óptima ferramenta para estimular a imaginação e a qualidade. Saving Mr. Banks vai ao encontro da sensação de que a Disney pode tudo nesta altura do campeonato, nomeadamente, convencer qualquer actor, “mexer” nas histórias sagradas da empresa e almejar aos Óscares. A Academia não vai em qualquer conversa, de todo o modo, Saving Mr. Banks tinha a bussola apontada aos candidatos a Melhor Filme do Ano.

O enquadramento de Saving Mr. Banks é interessante: a história nos bastidores do filme Mary Poppins, um dos clássicos maiores do cinema infantil. O projecto surge na linha de uma série de filmes que tentam desvendar as histórias secretas em redor dos clássicos. No ano passado, tivemos a oportunidade de ver Hitchcock (protagonizado por Anthony Hopkins), que narrava a jornada que nos trouxe Psycho. Embora a interessante temática, o filme realizado por Sacha Gervasi ficou aquém das expectativas. Afinal, a vida real mão é tão fascinante como a ficção.

SAVING MR. BANKS

Saving Mr. Banks narra o complicado acordo entre a autora da icónica Mary PoppinsP.L. Travers (interpretada por Emma Thompson), e Walt Disney (interpretado por Tom Hanks), que necessitaram de um processo de entendimento, acerca da adaptação cinematográfica da obra. A rigor, foi um “parto difícil”, na medida em que P.L. Travers pretendia defender a integridade de Poppins do império criado por Walt Disney, construído para multiplicar dólares.

Saving Mr. Banks conta ainda com o elenco perfeito para a história: Annie Rose Buckley, Colin Farrell, Ruth Wilson, Paul Giamatti, Bradley Whitford, B.J. Novak e Jason Schwartzman, que encaixam na dinâmica dos personagens e cumprem os requisitos da produção.

SAVING MR. BANKS

A realização não exigia muito de John Lee Hancock, bastava estar “certinho” e respeitar os tempos dos actores. Pêra-doce para um realizador rotulado ao estilo dramático (The Blind Side), consciente da dimensão emotiva dos personagens e do enredo.

Do ponto de vista dos restantes domínios técnicos, a direcção fotográfica está muito clean (em tons quentes e alaranjados), a edição poderia e deveria ser mais rápida, a banda-sonora segura o dramatismo quando os actores trabalham no silêncio. A estrela da companhia é a produção, “não se acanhem com as despesas” – deve ter sido a palavra de ordem, porque a visita à realidade da Disney nos anos 60 é de deixar o queixo caído.

SAVING MR. BANKS

Saving Mr. Banks é um dos filmes “fofinhos” da época cinematográfica, relacionando a crueldade e a tristeza da vida real com a origem de um dos arautos da gentileza. A história é emotiva q.b., com interpretações seguras de Emma Thompson (poderia ter explorado mais a personagem) e Tom Hanks. Contudo, tendo em conta o legado de PoppinsSaving Mr. Banks fica aquém do potencial real da história: O personagem de Colin Farrell é desnecessariamente politicamente correcto (pedia-se mais garra e uma evolução mais gráfica); os momentos mais importantes são verbalizados (enquadramento e clímax); e a personagem principal não é tão empática quanto isso.

Implicaria contrariar a política da empresa, mas, se a Disney tivesse ido mais longe na dimensão emocional de P.L. Travers, integrando a imaginação da autora, a nova realidade e o passado (ao invés de demonstrar a mais do que batida inadaptação cultural e dividir a narrativa em duas linhas temporais), seguramente que Saving Mr. Banks tinha conquistado um lugar entre os melhores do ano, acrescentado pozinhos de perlimpimpimMary Poppins.

 

Positivo

  • This is what we storytellers do. We restore order with imagination. We instill hope again, and again, and again. Let me prove it to you.” — Walt Disney
  • A história na origem de Mary Poppins
  • Jason Schwartzman e Paul Giamatti entenderam muito bem os personagens
  • Produção e Banda-Sonora
  • Contraponto entre Walt Disney e P.L. Travers

 

Negativo

  • Colin Farrell não entrega a carga dramática exigida pelo personagem
  • Epilogo chochinho
  • Agora quero ir à Disneylândia

razoavel-oficial-an-pn-img

Share

You may also like...

Subscribe
Notify of
guest
6 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Lfo

Quando dei conta da existência deste filme e que vi que era com o Tom Hanks, lembrei-me logo deste: http://upload.wikimedia.org/wikipedia/cy/a/ac/Saving_Private_Ryan_poster.jpg

Edgar Silvestre

boa associação, talvez se fosse o Spielberg a realizar tivesse maior impacto

FoxRS

Nem sabia da existência deste filme desde há um par de dias, mas fiquei bastante entusiasmado!

Edgar Silvestre

não é tempo perdido, mas podia estar muito melhor

Tiago Campos

Quando vi o titulo do filme pela primeira vez não me disse absolutamente nada e nem tive o cuidado de ir procurar sobre o que era.

Quando vi o trailer do filme pela primeira vez entrou logo para a minha lista de “Tenho de ver!”, mas ainda não tive oportunidade.
Achei interessante retratarem a produção e todas questões técnicas que o filme exigiu para ser feito.

Edgar Silvestre

o foco do filme incide com maior intensidade sobre outros assuntos. Depois partilha a tua opinião connosco.

error

Sigam-nos para todas as novidades!

YouTube
Instagram
6
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x