Análise: Blended – Umas Férias Inesperadas

ana-blended-pn-img1

Há uns anos para cá, os filmes mais populares têm assumido uma assinatura sombria, com moral dúbia e reflexões Nietzschianas da vida, correspondendo à nova exigência do público generalista. O último filme feel good, com impacto mundial, talvez tenha sido o oscarizado Slumdog Millionaire (2008), e, mesmo assim, pincelado a registos trágicos. As comédias, que têm a obrigação de abrir a janela, não contornam a “depressão”, explorando conteúdos violentos e maduros (A RessacaTed e Horrible Bosses).

Entre os pingos da chuva, Adam Sandler contraria a tendência, mantendo a receita que lhe “dá de comer” há mais de 15 anos, com o típico filme de “Domingo à Tarde”. A fórmula não dispensa: a componente familiar, um local paradisíaco de férias, uma direcção de fotografia com muito projectores ligados e humor físico/imediato. No entanto, há outra variável que costuma correr bem. Aparentemente, Adam Sandler e Drew Barrymore funcionam enquanto par romântico.

ana-blended-pn-img2

Em BlendedSandler (Jim) e Barrymore (Lauren) são pais separados que não conhecem outra pessoa desde os ex-companheiros. Por obra do acaso, Jim e Lauren vão de férias para África com as respectivas famílias, promovendo a aproximação das crianças e o despertar da paixão entre Jim e Lauren.

O elenco conta ainda com Kevin Nealon, Terry Crews, Wendi McLendon-Covey, Emma Fuhrmann, Bella Thorne, Braxton Beckham, Joel McHale,  Abdoulaye NGom, Kyle Red Silverstein e Zak Henri. Apesar da arte de representar estar num nível secundário em Blended, fica na retina o talento natural da pequena Alyvia Alyn Lind.

ana-blended-pn-img3

A realização de Frank Coraci é a típica realização para comédia, ou seja, com planos abertos (humor corporal), que fecham nos rostos, quando se exige uma careta do actor.

Do ponto de vista técnico, há a registar que a produção era robusta (48 milhões de dólares!), embora o resultado prático não seja surpreendente. A direcção de fotografia, tal como foi dito, é bastante iluminada, sem zonas cinzentas, engatada nas tonalidades quentes, que funcionam em favor do público-alvo (8 aos 80).

ana-blended-pn-img4

Blended é uma agradável surpresa, fundamentalmente, por tratar-se de um filme com o coração no lugar certo. Claro que não nos podemos esquecer que Adam Sandler quer engordar a conta bancária, a história já foi feita um milhão de vezes, o elenco não é desafiado para grandes interpretações, as etapas da narrativa são previsíveis e há momentos desconfortáveis, mas funciona tudo em harmonia.

Estou embaraçado por me ter divertido com Blended e investido interesse nos personagens, quer no romance entre os protagonistas, quer na transformação dos personagens secundários. A história está bem arrumadinha, respeitando o consagrado modelo clássico. Pese embora a manifesta falta de criatividade, um filme como Blended cai bem de vez em quando.

 

Positivo

  • Estranha química entre Adam Sandler e Drew Barrymorepn-recomendado-ana
  • Alyvia Alyn Lind é querida e com imenso potencial
  • Arco dos personagens
  • Mensagem com o coração no lugar certo

 

Negativo

  • Fusão de clichés
  • Terry Crews
  • Previsibilidade
  • Product placement
  • Segundo Blended, África é um lugar genérico

pn-mau

Share

You may also like...

Subscribe
Notify of
guest
9 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Charles Brito

Mau e recomendado?

Edgar Silvestre

de vez em quando faz falta um filme assim.é o melhor pior filme que já vi este ano

mart88

nao sei como tens coragem de ir ver filmes do adam sandler.

Edgar Silvestre

calhou desta vez

Edgar Silvestre

já agora, custou muito mais ver o Transformers 4

Junior Alves

Esperavas uns meses e a sic acabaria por passar um sábado á tarde…pessoalmente gosto de ver…descontrai. e quanto há direção de fotografia tens que compreender que fica “mais bom” para a vista neste tipo de filmes.quanto as “comédias romanticas” o Meia-noite em paris não foi mais que isso e no entanto eu adorei e repetia uma visita ao cinema para ver…

Edgar Silvestre

não acho graça ao Grown Ups, nem ao Adam Sandler a fazer de melher. No universo das comédias romanticas há melhor. mesmo assim é um filme com boas “vibes”

derpsta
Edgar Silvestre

beste filme o Terry só canta

error

Sigam-nos para todas as novidades!

YouTube
Instagram
9
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x