Análise – Playstation Classic

Se há algo que a recente cadeia de consolas retro acabam por comprovar uma vez mais é que a nostalgia é uma força avassaladora. Cada uma das consolas clássicas tem vindo a bater recordes e não parece haver previsão de que venha a parar nos próximos tempos.

A nova entidade a entrar no lote é a Sony com uma versão mais pequena da primeira Playstation. Para este lançamento foram escolhidos 20 jogos de séries distintas e foi tudo isto colocado numa caixa em conjunto com dois comandos. Depois de ter experimentado a consola num ambiente mais controlado, tive a hipótese de a jogar no conforto da minha casa e confirmar o que já se esperava, não é uma consola para todos.

Começando pela consola em si, a Playstation Classic é um objecto de contemplação bem construído. O formato mais pequeno da consola faz dela bastante apelativa e fica bem colocada em qualquer móvel de uma sala de estar ou no quarto. A construção é sólida e como a caixa não abre para colocar CDs, os botões frontais servem como forma de a ligar, voltar aos menus e mudar CD. Existe espaço frontal para os dois comandos e a parte traseira inclui uma saída para HDMI e a alimentação. É aqui que reside um ponto negativo da consola, pois esta não inclui o carregador de origem, o que vai apanhar muitos desprevenidos. Não deveria ser obrigatório comprar um extra ou usar um que tenham por casa, pois nem todas as TV usam USB.

No que toca aos comandos, estes são versões originais dos primeiros comandos sem analógicos. Como devem imaginar, isto começa logo por ser um problema, pois alguns dos jogos presentes são bem melhores quando jogados com analógico. Não dá para perceber o porquê destes serem os comandos escolhidos, a não ser que a Sony esteja a preparar uma versão PSOne Classic com outros jogos para o futuro.

Falando dos jogos, a selecção consegue ser bastante diversificada e ecléctica, mas está longe de ter os melhores dos melhores ou os verdadeiramente incontornáveis. Temos aqui coisas como Tekken 3, Ridge Racer, o primeiro Resident Evil e até Final Fantasy VI, mas não existem nomes como Gran Turismo, Silent Hill, Tomb Raider, Tony Hawk, Crash Bandicoot ou Spyro. Podia continuar a adicionar aqui nomes e esta seria ainda maior (Kula World, alguém?). Além disso, já é certo e sabido que nem todos os jogos correm na sua melhor versão, muitos deles são melhores na versão NTSC e isso já não é uma limitação nas televisões HD.

Tudo isto é apoiado por um menu de selecção bastante simples e cru, com poucas opções para alterar a experiência. Se temos aqui uma consola que consegue criar Save State dos diversos jogos e suspender os mesmos, porque motivo é que não podemos também mudar o tamanho da imagem, ou aplicar filtros que ajudem a melhorar a qualidade da imagem? Opções nunca obrigam ninguém a nada e aqui seria bastante fácil de fazer, especialmente tendo em conta que a consola corre com base em emulação.

Apesar de estar aqui a pisar um cenário dantesco, nem tudo é mau com a Playstation Classic, pois existe o reverso da medalha. Quando ligada à televisão e na companhia de amigos, a consola cumpre muito bem o seu objectivo, embora com entusiasmo moderado claro está. Jogar Tekken 3 ou Puzzle Fighter com outras pessoas é bastante divertido ainda nos dias que correm e muitos vão sentir o apelo de voltar a jogar Final Fantasy VI, no entanto, são os jogadores casuais que vão ligar muito mais a isto.

Qualquer jogador mais habituado a estas andanças sabe que consegue encontrar a maioria destes jogos na PSN e não fechando os olhos à realidade, através de outros meios. Por isso mesmo, os jogadores veteranos vão olhar para a Playstation Classic mais como uma peça de colecção do que uma consola que seja comprada para ligar muitas vezes.

No final de contas e depois de algumas horas a jogar com ela, é fácil perceber para quem a Playstation Classic foi concebida. Se são daqueles jogadores mais ocasionais, vão dar uso a ela quando reúnem os vossos amigos que viveram esta época, mas já estão demasiado velhos ou desligados dos videojogos para se importar em ir vasculhar o sótão. Depois, temos os coleccionadores ou saudosistas que vão comprar a consola para a manter selada ou expor ao pé da TV como uma peça de mobília.

Se não são nenhum destes dois, então o preço da Playstation Classic é um pouco alto para aquilo que oferece e se procuram algum dos jogos que estão aqui incluídos ou outros que deviam estar, existe sempre a possibilidade de os comprar na PSN e jogar à vossa vontade.

Positivo:

  • Construção da consola
  • Save states
  • Poder jogar a dois
  • Bom para noitadas retro mais casuais

Negativo:

  • Pouca personalização
  • Menu básico
  • Selecção de jogos estranha
  • Grandes ausências
  • Transformador não incluído
  • Comandos deviam ter os analógicos

Daniel Silvestre

Fã de jogos, filmes, anime e coisas do género. Jogo desde que me lembro e adoro RPG. Tenho uma grande colecção deles que tenciono acabar. Talvez um dia no lar da 3ª idade.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebook

Share

You may also like...