Análise – PES 2018

Está novamente na altura de colocar a bola no relvado e disputar o lugar no pódio para o grande jogo de futebol do ano. O primeiro a abrir hostilidades é PES 2018, o qual tem vindo a fazer um percurso bastante sólido nas últimas edições.

Este ano, PES 2018 chega num formato mais consolidado do que propriamente revolucionário, mesmo tendo acrescentado algumas funcionalidades em alguns modos.

No que toca ao que jogar, o PES deste ano está bastante similar ao do ano passado, com os modos de jogo a que já estamos habituados e destaque para o MyClub, Master League e as competições licenciadas da Liga dos Campeões e afins. Os menus escondem ainda mais menus e coisas para fazer dentro de cada um. Felizmente, são fáceis de perceber e de navegar.

Durante a análise, o modo em que passei mais tempo, foi naturalmente o MyClub, aquele local onde escolhem uma equipa e vão desbloqueando jogadores para cada posição que são medidos em estatísticas. Como tem muito de RPG e evolução, este é um dos modos que mais aprecio e mais me diverte neste género de jogos de desporto. O modo está bastante desenvolvido e capaz de vos fazer gastar muito tempo.

Uma das grandes novidades na maioria dos modos é a chegada de desafios de jogo cooperativo onde podem alinhar jogos com amigos para competir em 2v2 ou 3v3. É uma adição interessante que pode dar frutos no futuro, isto se não forem daqueles que preferem jogar sozinhos contra outros.

De qualquer forma, a parte mais importante de qualquer jogo de futebol é a jogabilidade e há que dizer que PES 2018 está tão bom como no ano passado, o que inclui alguns pequenos problemas é certo, mas que corrige ou adiciona umas tantas coisas ao modo como controlam os jogadores ou interagem com a bola.

PES 2018 parece bem mais fluído, embora ligeiramente mais lento, certamente influência da forma como os jogadores agora dominam a bola com um contacto mais realista. A defesa já não parece um passador tão grande e as “pezices” (nome que sempre dei às confusões estranhas na grande área), apareceram num número mais reduzido. Embora seja da opinião que um jogo deve ter os seus casos insólitos, também não deve parecer um circo recheado de jogadas de bradar aos céus.

Mesmo saibendo que é uma questão de tempo até que alguém consiga descobrir as formas mais mirabolantes de rasgar pela defesa ou fazer gato sapato do guarda-redes, este pareceu ser até agora o PES mais equilibrado. Os grandes jogadores são umas máquinas de guerra, mas podem ser metidos no bolso com boa oposição ou antecipação, além de que cada situação de golo não é 100% certa, mesmo com um Suarez ou um Ronaldo.

Mesmo assim, PES 2018 não se livra dos bugs ou problemas da praxe. Por uma vez a consola foi a baixo a meio de uma partida (felizmente offline), algumas partidas online demoravam imenso tempo a arrancar, vi muitos contactos estranhos entre jogadores e claro, a estranheza maior começa quando o jogo nos mostra a imagem de menu com a equipa do Barcelona em posição majestosa, mas com um Neymar a servir de penetra (não é estranho lançar um jogo com esta imagem quando o jogador já foi para outro clube faz tempo?).

Claro que Neymar é só um exemplo, pois existem sempre as típicas ausências no que toca a licenças, pois se existem novas equipas no alinhamento, outros colossos do futebol desapareceram, como é o caso do Real Madrid. Bem, ao menos o Benfica, Porto e Sporting estão cá para podermos tirar as teimas com os amigos. É uma pena que as licenças continuem a ser um problema e é algo que ainda gostava muito de ver resolvido numa edição futura. Ao menos, o serviço de actualização de jogadores parece estar a funcionar bem.

Visualmente, PES 2018 é um jogo bastante forte e com um detalhe e apresentação bastante bons. O trabalho empregue nos jogadores, com destaque para as vedetas, é verdadeiramente impressionante, com jogadores muito bem recriados. Os estádios e a plateia também estão bem trabalhados, passando o típico ambiente de um jogo de futebol que vemos na televisão. Quando os golos chegam, os jogadores importantes festejam e o público reage, temos um grande espectáculo.

No que respeita aos sons da partida, tudo está bastante fiel, desde a biqueirada na bola até ao poste a receber um embate forte. Por outro lado, se consigo recomendar os narradores portugueses para cada partida, também tenho de avisar desde já que estes continuam a repetir muitas falas e em alguns momentos, os comentários ficaram demasiado baixos para se perceber o que estava a ser dito. No que toca aos menus, temos um rol de músicas mais comerciais e outras famosas que até são agradáveis de ouvir (se não me dei ao trabalho de apagar algumas é porque não está nada mal.)

No fim de contas, PES 2018 é, tal como a edição do ano passado, mais um bom jogo de futebol que consigo recomendar a quem goste da modalidade. Eu bem sei que continua a existir o feudo entre qual o melhor jogo de futebol, mas todos aqueles que optem por PES 2018 não vão estar nada mal servidos. É mais um ano sem grandes revoluções ou a entrada de modos verdadeiramente inéditos, mas é mais um ano de futebol de grande qualidade.

Positivo:

  • Visual de qualidade
  • Futebol mais compassado
  • Menos “pezices”
  • Modos cooperativos
  • MyClub cada vez mais apelativo

Negativo:

  • Licenças em falta
  • Bugs visuais e sonoros
  • Master League parece ter parado no tempo
  • Nenhum modo revolucionário

Daniel Silvestre

Fã de jogos, filmes, anime e coisas do género. Jogo desde que me lembro e adoro RPG. Tenho uma grande colecção deles que tenciono acabar. Talvez um dia no lar da 3ª idade.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebook

Daniel Silvestre

Fã de jogos, filmes, anime e coisas do género. Jogo desde que me lembro e adoro RPG. Tenho uma grande colecção deles que tenciono acabar. Talvez um dia no lar da 3ª idade.

  • r2

    Essa do Neymar na capa com o equipamento do Barça é muito giro xD