Análise – Mario & Luigi: Bowser’s Inside Story + Bowser Jr.’s Journey

  • Plataformas: Nintendo 3DS
  • Versão de Análise: Nintendo 3DS
  • Informação Adicional: Imagens retiradas da Nintendo eShop. Análise Feita com base na versão 1.1 do jogo.

Lembro-me de quando descobri a série RPG de Mario & Luigi. Na altura fiquei bastante impressionado por encontrar algo diferente dentro da franquia Super Mario, que para mim (e muitos outros) foi sempre associada com os típicos jogos de plataforma onde era necessário andar para a direita e saltar em cima de tudo o que estivesse à nossa frente.

Apesar de ter jogado Mario & Luigi: Superstar Saga, e uma ou duas das suas sequelas, acabei por esquecer-me por completo sobre a série, incluindo até a sua série irmã Paper Mario (que já fez um cross-over com esta). Foi então com o anúncio do remake do terceiro jogo (de alguma forma não vi que o primeiro também recebeu um) que voltei a ganhar interesse e a observar o que andava a ser feito.

Mario & Luigi: Bowser’s Inside Story + Bower Jr.’s Journey recebe mais para além de um melhoramento gráfico quando comparado com a sua versão original na Nintendo DS. Elementos visuais como a adição do nível dos inimigos, o ecrã a tremer quando Bowser caminha e outras mudanças, juntamente com o audio que sofreu algumas mudanças sonoras são imensas para estar a destacar, juntamente com a jogabilidade que também recebeu umas quantas novidades.

A quantidade de SP necessária para usar os ataques especiais aumentou (consideravelmente em alguns casos); agora existe uma opção para avançar as cinemáticas de uma forma mais rápida; o local de alguns itens foi mudado; foi adicionado um modo “fácil”; e muito mais. É uma grande quantidade de mudanças a vários elementos que serão notados pelos fãs que pegaram no jogo original, com a maioria a serem coisas bastantes simples, mas no que toca à história em si e à aventura dentro e fora de Bowser, o jogo continua igual, com uma pequena excepção.

Bowser Jr.’s Journey é uma novidade para este remake, focando-se em Bowser Jr. e a sua aventura que tem lugar em paralelo com a jornada de Bowser, Mario e Luigi. Aqui em vez de darem-se de caras com um RPG vão encontrar algo bastante diferente. Em Bowser Jr.’s Journey o objectivo é o de procurar por uma cura para o caso de “blorbs” que está a acontecer, e para isso o jogador terá que participar em combates que decorrem de forma automática.

O jogador cria um pequeno exército de capangas que são compostos por três elementos: Força, Aéreo e Longo Alcance, com cada um a possuir uma fraqueza ou vantagem sobre o outro. Após seleccionarem as personagens que são estar presentes na equipa o combate começa. Como foi dito anteriormente, o combate decorre de forma automática, havendo apenas breves momentos onde é possível carregar um botão durante um ataque especial para maior dano ou então para impedir o ataque especial dos adversários.

Em vez de uma história adicional isto acaba por ser mais um mini-jogo que foi alongado, e embora este tipo de mini-jogos costumam ser engraçados e oferecem um bom entretenimento, Bowser Jr.’s Journey está mais perto de ser tedioso. Os combates demoram mais tempo que o necessário e as pausas para as habilidades especiais fazem estes serem ainda mais longos. Não esquecendo o facto de que é necessário estar a trocar a equipa antes de cada batalha para terem uma maior vantagem, todo este processo torna-se ainda mais tedioso uma vez que o jogador apenas tem que esperar por combates que duram cerca de cinco minutos quando que estes deviam ser quase instantâneos.

Seria melhor se esta secção do jogo fizesse uma junção das duas partes, ou seja, a mudança de personagens e o combate num só, para o mesmo continuar a acontecer de forma automática e o jogador poder ir trocando a sua equipa ou fazendo algo mais sem ter de interromper a acção que está a decorrer. No final esta história adicional não vai ser para todos já que foge muito ao jogo original sem adicionar muito e possui uma jogabilidade um pouco lenta e sem grande interacção.

Passando então ao jogo em destaque, pode-se dizer que em Bowser’s Inside Story existem duas histórias a decorrer em simultâneo. A abertura do jogo começa com um caso estranho de “blorbs” onde os habitantes de Mushroom Kingdom estão a inchar de forma desconhecida, e após ter sido enganado pela pessoa por detrás disto, Bowser acaba por inalar Mario, Luigi, Peach e mais uns quantos Toads. E enquanto Bowser tenta salvar o seu castelo, Mario e Luigi tem como objectivo descobrir uma forma de sair de Bowser e parar esta “epidemia” que está a ter lugar.

O jogo fica então dividido em duas secções, as que tem lugar dentro de Bowser onde Mario e Luigi vão explorar o corpo do principal inimigo de Peach e companhia, e as de Bowser que decorrem em Mushroom Kingdom. Apesar de o jogador poder trocar entre ambas as secções quando bem lhe apetece, para poder progredir na história será necessário avançar primeiro com um ou outro. Uma vez que Mario e Luigi estão dentro de Bowser eles tem a possibilidade de dar as voltas ao corpo dele como dar um pouco mais de força ao mesmo ou outro tipo de “modificações”. Se chegarem a um momento na história de Bowser onde é necessário algo para avançar, o jogo automaticamente muda para o duo Mario, abrindo um novo “local” dentro de Bowser para poder explorar.

 

As partes com Bowser acabam por ser melhores já que existe mais por explorar, ao contrário dos irmãos Mario, com as suas secções a serem mais semelhantes a puzzles que não oferecem muito que fazer. Dentro de Bowser é exactamente isso que o jogador encontra, secções que existem apenas para os seus momentos de história e que não valem muito a pena visitar mais tarde, pois nada muda. Já no Mushroom Kingdom existe um pouco mais de liberdade e um ou dois extra a descobrir. Não é uma enorme quantidade de conteúdo extra mas acaba por ser mais quando comparado com as secções de Mario e Luigi que não tem muito por onde pegar.

A jogabilidade é o ponto fulcral da série Mario & Luigi, com esta a ser mais do que um simples RPG por turnos, abordando um pouco elementos rítmicos para os ataques. Os jogadores tem um ataque como como saltar com Mario e Luigi ou dar um soco com Bowser, e à medida que vão avançando desbloqueiam mais habilidades como o martelo ou a possibilidade de lançar fogo. Para além destes ataques comuns existe também umas habilidades especiais que acabam por fazer mais dano caso o jogador consiga manter o ritmo.

Vamos dizer que temos dois inimigos à nossa frente, o famoso goomba e depois uma das pequenas tartarugas que tem picos na carapaça. Caso o jogador decida saltar em cima do goomba existe a possibilidade de o jogador carregar no botão de acção (A para Mario, B para Luigi) quando estiver em cima do goomba e fazer um ataque extra, e se o jogador carregar novamente com um bom timing, irá fazer dano extra. Por outro lado saltar em cima da tartaruga com picos não é uma boa ideia pois isso apenas fará dano a Mario e Luigi, sendo que nestas situações é melhor usar o martelo ou uma habilidade especial.

Quando estão a defender também vão contar com elementos de ritmo, dependendo do tipo de inimigo e do ataque que este esteja a fazer, vai haver uma diferença da maneira em como podem defender, e caso o façam bem, irão fazer dano do inimigo, caso falhem ao defender irão receber dano como é habitual. Esta é a jogabilidade pela qual todos recordam a série, sendo bem pensada e que oferece bastante entretenimento com a aproximação feita para além de ser apenas um simples RPG.

 

O jogo não é grande e a sua história também não é pesada, sendo boa de absorver e também com vários momentos de comédia; até quando falham um ataque especial e Mario ou Luigi fazem uma animação específica para isso como Luigi a dizer adeus a Mario quando este falha ao dar um pontapé a uma carapaça.

A melhoria em termos de visuais é notável, com o jogo a ter um aspecto mais limpo e melhores modelos de personagens. A banda sonora é o que esperam encontrar, ou neste caso ouvir, nos vários jogos da série Mario, não havendo grande queixa neste departamento. Curiosamente não existe uso para o modo 3D da 3DS, embora isto seja algo recorrente nestes últimos jogos da consola.

Mario & Luigi: Bowser’s Inside Story + Bowser Jr.’s Journey não acrescenta muito ao jogo original, a história continua a ser uma linha muito directa ao seu destino e sem grandes actividades extra, com as secções dentro de Bowser a continuarem a necessitar de uma boa revisão para tornarem-se mais interessantes. Infelizmente a adição de um elemento extra com Bowser Jr.’s Journey não é um grande motivo de compra para quem aventurou-se pelo jogo original já que este também necessita de mudar certos elementos.

Tendo em conta que a série Mario & Luigi não é necessariamente contínua (pensem em algo tipo Final Fantasy), este continua a ser um bom jogo para os curioso pois conta com o essencial; uma história leve e um pouco ciente de si, e também uma excelente jogabilidade que será o ponto principal que irá agarrar os novos fãs. Para quem pegou na versão original deste jogo, apenas se não se lembrarem de nada é que vale a pena adquirir este remake.

Positivo:

  • Boa jogabilidade com mistura entre RPG e ritmo
  • História leve e com boa comédia

Negativo:

  • Secções dentro de Bowser não são as melhores
  • Bowser Jr.’s Journey não é uma grande adição

Mathias Marques

Editor oficial desde Agosto 2014 Para além de videojogos também gosto de anime. Podem ver-me a apregoar sobre ambos os assuntos no site em forma de notícia, artigo ou análise. Tenho a sorte de encontrar momentos parvos enquanto estou a jogar, ou de os criar eu mesmo.

More Posts

Follow Me:
TwitterYouTube

Share

You may also like...