Análise – Pokémon X e Pokémon Y

A série de jogos Pokémon já nos faz companhia há mais de 15 anos e desde que tudo começou com Pokémon Red e Blue (Green no Japão), que já vamos com mais de 5 gerações e inúmeros spin-offsPokémon é uma marca global que vai além dos jogos, com inúmeros filmes, uma série (com um protagonista pouco inspirador), merchandise e não só.

Em 15 anos, quem jogou Pokémon Red, Blue, Yellow e até Gold e Silver, cresceu e viu a indústria de videojogos sofrer inúmeras mutações. Pokémon em si, seguiu sempre o mesmo formato, tentando introduzir novidades que não desfigurassem o conceito original.

Vários anos depois e com inúmeros jogos debaixo da sua alçada, Pokémon dá com Pokémon X e Pokémon Y o derradeiro salto para o mundo do 3D como os fãs sempre desejaram. O resultado final é a prova de que esta sexta geração é a melhor altura para se regressar a Pokémon.

Apesar de ser uma geração totalmente nova Pokémon X e Pokémon Y não seguem o mesmo caminho de Pokémon Black ou White que tentavam criar um mundo totalmente novo com a presença inicial apenas de Pokémon novos. A região de Kalos é uma zona totalmente inédita com novos ginásios, uma nova história e várias adições, mas desta vez não começamos limitados aos Pokémon desta geração, sendo possível encontrar uma mescla de todas as gerações logo nas primeiras horas de jogo.

Tal como em todas as gerações, em Kalos também são um dos novos moradores de uma aldeia que marca o início da viagem para muitos aspirantes a treinadores de Pokémon. Para cortar com a rotina, desta vez os Pokémon iniciais da região (Chespin, Fennekin e Froakie) são dados por um dos amigos e o professor é quem oferece o Starter da região de Kanto (Bulbasaur, Charmander e Squirtle).

A início vão poder selecionar o vosso sexo e escolher parte da aparência física, daí em diante, o jogo oferece inúmeras formas de personalizar a vossa personagem com muitas lojas de roupa e acessórios espalhadas por Kalos, onde podem experimentar as novas tendências e criar uma imagem única. É sem dúvida uma mais valia e algo que ajuda a identificar a vossa personagem na lista online com os vossos amigos.

Quem jogou Pokémon Black e Pokémon White terá certamente na memória a história que contava a demanda de N que colocava em causa o aprisionamento dos Pokémon em Pokébolas. Esta foi seguramente uma das melhores histórias contadas em Pokémon e conseguiu trazer um tom bem mais adulto para a série. Pokémon X e Pokémon Y seguem o mesmo percurso, mas tenho de reconhecer que a história não tem tanto impacto e uma veia tão filosófica como o anterior, de qualquer forma, serve como bom incentivo e plano de fundo.

A presença dos amigos também já tinha sido utilizada em Black e White, mas em X e Y, vão ser constantemente abordados pelos vossos colegas de viagem que surgem para dar informações, combater, comparar Pokédex ou lutar a vosso lado. Isto faz com que os objectivos sejam bem mais claros e que os mundos pareçam menos vazios que no passado.

Já que falamos em mundos vazios, é necessário dizer que Kalos é realmente uma das maiores regiões criadas pela Game Freak até hoje. O mapa é enorme e está recheado de estradas e caminhos que variam consoante o tema da região. Durante as minhas primeiras 15 horas de jogo ainda só tinha obtido 3 crachás o que é uma diferença de duração enorme quando comparado com os anteriores.

Vamos então passar para um dos pontos mais importantes de Pokémon, os combates. Estes continuam a decorrer da forma típica, sejam desafiados por um treinador ou com Pokémon que aparecem nas zonas com erva, cavernas ou água.

O primeiro impacto com o combate é realmente impressionante. Pokémon X e Pokémon Y abandonou de vez os sprites em 2D fixos/animados para um visual totalmente em 3D ao estilo de jogos como Pokémon Colosseum e Stadium. Agora os Pokémon estão totalmente modelados em 3D com todas as animações correspondentes a cada ataque executado e respondendo de forma pormenorizada ao que acontece, desde reagir a um ataque ou fechar os olhos quando são postos a dormir e realizar uma animação quando são derrotados.

No geral o sistema continua a ser o mesmo, com os Pokémon a poderem englobar quatro ataques. Os combates continuam a envolver uma grande estratégia relacionada com as vantagens de tipo e a utilização de golpes físicos e especiais. Os jogadores mais casuais ou menos competitivos vão conseguir completar o jogo sem grandes problemas e aqueles que competem a sério continuam a ter formas de melhorar os EV em treinos especiais ou através de “grinding”.

Uma das primeiras grandes introduções desta geração é a adição dos Pokémon do tipo Fairy. Este tipo acaba por substituir uma grande parte dos Pokémon do tipo Normal que podiam encontrar como Clefairy, Jigglypuff entre outros e introduz novos ataques, vantagens e desvantagens. Pessoalmente o tipo Light teria muito mais sentido dentro deste universo, mas não é algo que seja incomodativo e vai certamente agradar a parte do publico que joga Pokémon.

A segunda grande novidade é a inclusão das Mega Evoluções, as quais surgem aqui também como parte da história principal. As Mega Evoluções, podem ser activadas apenas em certos Pokémon e o seu efeito só dura durante o combate, revertendo o Pokémon para o seu estado máximo após o combate terminar. Estas evoluções só podem ser conseguidas após encontrar a pedra característica que reage ao Pokémon em questão. As Mega Evoluções são bastante bem-vindas e dão uma nova vida a alguns Pokémon antigos, assim como uma veia mais competitiva.

Para Pokémon X e Pokémon Y a Game Freak incluiu novas ferramentas de treino (Super Training), amizade (Pokémon Amie) e sociais (PSS) que podem aceder através do ecrã inferior da consola. Estas ferramentas permitem que aumentem a vossa interacção com os vossos Pokémon, fazendo mini-jogos que melhoram certos atributos, alimentar e dar festas para aumentar os níveis de felicidade e amizade e claro, comunicar com outras pessoas, seja de forma local ou online.

Por imposição da Nintendo, não pudemos experimentar as ferramentas Online em pormenor por agora (embora elas estejam perfeitamente funcionais), mas quanto ao Pokémon Amie e Super Training, estas ferramentas são apenas mais um extra do que algo realmente necessário, por isso a sua utilização está ao vosso critério.

Como já disse antes, Kalos é uma região grande e com muito para explorar. Existem inúmeras actividades e cada estrada está repleta de Pokémon que podem apanhar, por isso podem contar com a longevidade típica de Pokémon que vai além das 40 horas para terminar a história e certamente bem mais de 100 horas para explorar a vasta maioria do que o jogo tem para oferecer.

O salto para a Nintendo 3DS ia ditar uma evolução no visual dos novos jogos de Pokémon e foi isso mesmo que aconteceu com Pokémon X e Pokémon Y. Como referi os combates e Pokémon são agora totalmente animados em 3D, mas estes jogos acabam por reter muitos dos velhos hábitos, seja para o bem ou para o mal.

O mundo continua a ser visto na sua maioria com a vista clássica aérea embora todos os edifícios e personagem que o habitam estejam modelados em total 3D. Algumas zonas usam ângulos de câmara diferentes que mostram os cenários com outras perspectivas (ocasionalmente até acaba por ser mais intrusivo que benéfico) que comprovam esta mudança visual.

Apesar da mudança para um mundo em 3D, gosto de ver que o desenho e arte típicos foram mantidos, o que ainda afasta Pokémon do visual realista para algo mais cartoon e mais colorido.

A banda sonora destes jogos também apresenta uma qualidade bastante forte com várias músicas ao estilo clássico Pokémon e muitas remisturas que encaixam aqui muito bem. Também gostei de ver que a maioria dos sons dos Pokémon mais antigos e de certas animações foram retocados para esta versão. Só acho estranho que o Pikachu seja o único a dizer o seu nome como na série televisa, é um bom pormenor, mas parece deslocado face às outras criaturas que fazem sons totalmente retro.

Existe muito para falar sobre Pokémon X e Pokémon Y, como a mudança do ciclo dia/noite, os meios de transporte, os combates contra múltiplos Pokémon selvagem em simultâneo, a Team Flare e os vários líderes de ginásio, mas ao alongar muito mais apenas estaria a estragar-vos a experiência final.

Com estes novos jogos, a GameFreak e a Nintendo conseguiram fazer aquilo que os jogadores de Pokémon sempre desejaram, com um mundo mais imersivo e tão vivo como os fãs esperavam. Pokémon X e Pokémon Y fazem um cruzamento fantástico entre os modelos clássicos e os conceitos actuais, estando ao nível de qualidade do que qualquer jogador espera, sem desrespeitar quem acompanha a série desde a sua génese (algo que vemos acontecer em muitos jogos).

Se são fãs de Pokémon então já estão a contar os dias para o lançamento. Se não são, então esta é a altura ideal para regressar ou experimentar os jogos pela primeira vez. Não se deixem inibir pelas más línguas que dizem que estes jogos são apenas para crianças, se o fizerem, estão apenas a perder um dos dos melhores jogos da Nintendo 3DS e um dos grandes jogos do ano.


Vejam também a nossa análise em vídeo de Pokémon X e Pokémon Y!

Positivo:

  • Evolução para 3D
  • Presença de Pokémon de todas as gerações
  • Combates ao estilo de Pokémon Stadium
  • Aventura longa e viciante
  • Mega Evolução

Negativo:

  • Alguns dos novos Pokémon são duvidosos
  • História principal demora a arrancar
  • Certos ângulos de câmara não ajudam muito
  • O jogo rejieta ser jogado em 3D em várias situações

Daniel Silvestre

Fã de jogos, filmes, anime e coisas do género. Jogo desde que me lembro e adoro RPG. Tenho uma grande colecção deles que tenciono acabar. Talvez um dia no lar da 3ª idade.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebook

Daniel Silvestre

Fã de jogos, filmes, anime e coisas do género. Jogo desde que me lembro e adoro RPG. Tenho uma grande colecção deles que tenciono acabar. Talvez um dia no lar da 3ª idade.