Análise – Micro Machines: World Series

A série Micro Machines é uma das marcas mais adoradas e compradas no que toca a carrinhos de bolso, no entanto, também ficou guardada na memória de muitos através de uma série de jogos lançados quase 20 anos atrás.

No meu caso, tenho muitas e boas memórias de Micro Machines 2 Turbo Tournament, um dos primeiros jogos que joguei em consola onde era possível até ligar quatro comandos e jogar umas boas partidas em grupo.

Entretanto, foram lançados mais jogos de Micro Machines, mas nunca com a qualidade suficiente ou factor nostalgia que os originais ofereceram. Por isso mesmo, estava com boas expectativas para o regresso às origens em Micro Machines World Series.

O primeiro impacto com Micro Machines World Series torna tudo bastante óbvio, temos aqui uma espécie de anúncio publicitário a algum merchandise da Hasbro, sendo os próprios carros e as armas que estes usam que nos atiram a marca Nerf aos olhos com a maior força que conseguem sem nos cegar literalmente.

Para juntar a isto, temos a início um jogo que se mostra confuso mal chegamos ao menu, pois o modo base não é uma campanha nem algo que se pareça, mas sim o modo online. Se tiverem a sorte que tive, então não vão encontrar ninguém online, aparecendo Bots constantemente para os substituir (parece que alguém já estava a adivinhar o que ia acontecer).

Apesar de não haver campanha, podem sempre evoluir o vosso ranking ao estilo Overwatch para ganhar caixas de loot como em Overwatch para personalizar os veículos tal e como como…Overwatch! Sim, a Codemasters tentou fazer deste um jogo tipicamente online com pouco para oferecer a quem queira jogar offline. Felizmente, esse conteúdo pode ser pouco, mas existe e é a melhor parte de Micro Machines World Series.

Se jogarem em Skirmish com amigos (tal como nós fizemos em Livestream), vão ver que Micro Machines World Series passa de um jogo fraco para umas boas horas de diversão e rivalidades. Além de toda a competitividade que surge na pista a correr, os derrotados até podem interagir com ataques aéreos para tramar quem ainda está a jogar.

Em grupo podem jogar o clássico Elimination onde quem fica para o final vai sendo eliminado e um modo de batalha livre onde lutam todos na mesma área com uma série de armas diferentes consoante os veículos. As armas podem ir de morteiros a martelos, sendo que em corrida a variedade é pouca mas suficiente, estando longe de ser um Mario Kart claro.

Visualmente Micro Machines World Series não é nada por aí além, mas há que dar os parabéns à Codemasters por ter conseguido criar uns cenários que fazem lembrar os clássicos da era da Mega Drive. Além disso, os veículos também apelam ao saudosismo, o que é bastante bom. A música, os sons e vozes são um pouco irritantes no geral, por isso podem sempre desligar as mesmas nas opções.

Durante a nossa experiência tivemos ainda algumas alturas em que o jogo foi a baixo e teve de ser reiniciado. É algo frustrante por demais, a não ser que estejam com os amigos e façam pouco da situação.

Micro Machines World Series é um pouco desapontante no geral no que toca a modos e coisas que tenta fazer igual aos outros, no entanto, se tiverem um grupo de amigos com quem jogar localmente, é uma presença mais que bem-vinda em festas e noitadas de jogatana.

Positivo

  • Divertido com amigos
  • Nostalgia dos cenários
  • Interagir com as partidas mesmo fora de jogo
  • Podem desligar as vozes!

Negativo

  • Nada de campanha ou algo parecido
  • Online deserto
  • Armas pouco diversificadas
  • Crashes do jogo

 

Daniel Silvestre

Fã de jogos, filmes, anime e coisas do género. Jogo desde que me lembro e adoro RPG. Tenho uma grande colecção deles que tenciono acabar. Talvez um dia no lar da 3ª idade.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebook

Daniel Silvestre

Fã de jogos, filmes, anime e coisas do género. Jogo desde que me lembro e adoro RPG. Tenho uma grande colecção deles que tenciono acabar. Talvez um dia no lar da 3ª idade.