Análise – Detective Pikachu

Já algum tempo escrevi aqui em outra análise de Pokémon que esta é daquelas séries que consegue transformar-se facilmente em outros estilos e géneros para criar novos estilo de aventuras.

Nessa altura não imaginava sequer que depois de algum tempo, estaria a jogar um jogo de Pokémon com puzzles e deduções lógicas ao bom estilo de um detective. Melhor ainda, que esse jogo ia ter um Pikachu como personagem principal que é um dos melhores detectives que já encontrei num jogo, não por ser o mais perspicaz, mas por ser uma personagem cheia de carisma.

Posso dizer que não sou grande fã do Pikachu (pelo menos do culto que criaram em redor dele), tanto que nem tinha o amiibo original dele. Como tal, não estava muito interessado em Detective Pikachu, isto até ouvir a voz dele e perceber que era uma criatura totalmente diferente. Aliás, Detective Pikachu é diferente em muita coisa.

A história aborda um caso de detective onde o pai da personagem principal desaparece. O jovem Tim chega à cidade para o procurar e dá de caras com o Pikachu do seu pai, que curiosamente, é o único que o percebe. Os dois acabam por começar a trabalhar em conjunto, começando por uma simples coincidência e avançando para uma dupla mais a sério.

Cada cenário ou localização está construída de forma a levantar o mistério em redor da situação, oferecendo pistas para descobrir, pessoas e Pokémon com quem interagir e sequências lógicas de dedução para perceber. O sistema é quase sempre bastante similar em cada área, sendo preciso descobrir o que é preciso e aplicar. A nossa personagem transporta um diário onde anota os pontos importantes e recria os factores importantes da área, como o que cada personagem disse e onde isso pode ter efeito consoante as pistas. É uma boa ajuda, embora exista a possibilidade de obter dicas caso o permitam, que ajudam caso estejam presos. De vez em quando, surge um botão ou outro que precisam de pressionar para realizar uma acção. É algo que acontece de forma espaçada, mas que faz sentido.

Mesmo tendo muitos humanos, o jogo tenta sempre dar credibilidade à mistura entre estes e os Pokémon, por isso vão encontrar muitos nos seus habitats naturais e como o Pikachu consegue falar com eles, estes também servem como testemunhas, vilões ou aliadas ao longo da história. É interessante como a narrativa arranja sempre forma de fazer com que tudo pareça credível e o mundo de Pokémon seja bem tratado.

Como a jogabilidade segue sempre o mesmo registo e até acaba por ficar repetitiva, dei por mim a resistir sempre mais um pouco até terminar uma área, tudo graças ao Pikachu. Posso mesmo dizer que o Detective Pikachu é muito provavelmente o meu Pokémon favorito e tanto a sua personalidade como voz são um dos maiores motores deste jogo. Seja a dar dicas ou a interagir com as restantes personagens ao longo da história. Por vezes reclama, por vezes manda piropos e noutras aparece armado em sabichão, mas sem nunca ser uma personagem chata, o que lhe ganha o estrelato merecido deste jogo.

Juntamente com o jogo chegou o amiibo do Detective Pikachu, mas fiquei algo desapontado por saber que este apenas permitia ver as cinemáticas extra de cada cenário onde o Pikachu interage connosco ou com o cenário, o que é pouco. Felizmente, a personagem é boa o suficiente para que o amiibo já seja uma boa compra para enfeitar a vossa colecção.

Apesar de tudo, Detective Pikachu é um jogo curto, não superando as 12 horas com quase tudo feito. É possível que alguns o queiram repetir para ver todas as interacções especiais que podem ter passado ao lado, mas uma passagem foi mais do que suficiente para mim.

Visualmente, Detective Pikachu ainda consegue ser um jogo bastante impressionante a correr na Nintendo 3DS. O visual é bastante sólido e detalhado, especialmente nas personagens. Os cenários não decorrem ao mesmo detalhe, mas também são bastante pequenos no geral. O maior trabalho foi depositado no Pikachu, que está bastante bem animado. O 3D nem foi incluído neste jogo, por isso também não é preciso, embora acredite que o resultado até podia ser interessante. O trabalho sonoro é bom e a maioria das vozes decentes, mas também aqui a voz do Pikachu é o ponto alto. Quem diria que ter esta personagem a falar com voz de um adulto rabugento seria tão divertido. Só é pena que não exista vozes em Português para os mais novos.

Mesmo que esteja longe de ser um jogo perfeito ou obrigatório, Detective Pikachu é bem melhor do que estava à espera. Nunca pensei que iria acabar por me divertir com ele e sentir vontade de ver o que o Pikachu ia dizer a seguir. Como jogo, é uma aventura de detectives simples e sem grandes desafios, mas com este Pikachu metido na mistura, é mesmo uma boa surpresa.

Positivo:

  • Detective Pikachu é uma grande personagem
  • Universo de Pokémon bem usado
  • Casos com algumas boas ideias
  • Visual puxa bem pela consola

Negativo:

  • Não existe nada para fazer além da história
  • Bastante repetitivo
  • Não oferece um grande desafio
  • Merecia localização para português

Daniel Silvestre

Fã de jogos, filmes, anime e coisas do género. Jogo desde que me lembro e adoro RPG. Tenho uma grande colecção deles que tenciono acabar. Talvez um dia no lar da 3ª idade.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebook

Daniel Silvestre

Fã de jogos, filmes, anime e coisas do género. Jogo desde que me lembro e adoro RPG. Tenho uma grande colecção deles que tenciono acabar. Talvez um dia no lar da 3ª idade.