Passatempos Aniversário-Natal – Golden Sun Dark Dawn

golden-sun-dark-dawn

Boas a todos e sejam bem-vindos ao sétimo passatempo de aniversário-natal do PróximoNível.

Para este novo Passatempo temos para vocês em conjunto com a Nintendo Portugal um Golden Sun Dark Dawn para a vossa Nintendo DS/Nintendo 3DS.

Podem ler as regras completas de participação aqui.

Não se esqueçam, as vossas análises não devem ter mais de 15 parágrafos e devem ser feitas sobre qualquer um dos jogos desta série e em qualquer versão.

As análises devem ser colocadas neste Post. A data limite é o dia 28 de Dezembro pelas 23:59 por isso não deixem para o último minuto!

Boa sorte a todos!

Podem ver a lista completa de jogos e dia de cada jogo aqui:

Passatempos Aniversário PróximoNível

Share

You may also like...

Subscribe
Notify of
guest
7 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Qu@rk

A data limite não deveria ser dia 28 é que hoje é 26

Daniel Silvestre

A data limite é dia 28, já foi corrigido : )

Qu@rk

Hoje é dia 26 a data limite deve estar mal.

Silver4000

Este jogo tem algo a haver com o Django não sei quê, que costumava fazer ”cameos” no Megama Battle Network?

Bruno Lopes

Esta nova saga, Dark Dawn, começa 30 anos após o fim do Golden Sun 2. Depois da activação do Golden Sun, Angara sofrera modificações físicas visíveis, tornando-se quase irreconhecível. Após a dissertação, alguns dos personagens principais são apresentados,são estes Matthew, Tyrell e Karis, filhos de, respectivamente, Isaac, Garet e Ivan, parte dos heróis originais. A liderança do grupo passa de pai para filho, sendo a vez então de Matthew assumir o cargo. Como qualquer bom RPG de turnos, este resume-se a adquirir equipamentos melhores, evoluir de nível e aprender novos poderes para prosseguir na história. Algo a citar que sofreu mudanças em relação aos primeiros jogos foi o sistema de ataque, antes, ao focar o ataque em um único inimigo , se este morresse e ainda houvesse um ataque programado na sua direcção, o personagem que iria atacar ficava em posição de defesa , agora, se a mesma situação se repetir, o ataque é direccionado a outro inimigo, tornando assim as batalhas mais fluídas e rápidas.A trilha sonora não é má. Um ponto negativo são os sons durante os diálogos, que podem se mostrar irritantes. Estes,entretanto, podem ser desactivados nas configurações do jogo.Outro ponto em que Dark Dawn mais peca, é no enredo.

LaviBookman

Analise: Golden Sun : The Lost Age (plataforma GBA)

images4.wikia.nocookie.net/__cb20120310205237/goldensun/images/2/28/TheLostAgeBox.jpg

É impossível prever quantos RPG foram lançados pela Nintendo desde a sua génese. Porem , após o fim da geração de 16 bits , faltou “algo” na definição daquilo que seriam os novos RPG . Foi então que a Camelot (criadora de Shinning force) tentou reviver os RPG’S tradicionais com um titulo para o Gameboy Advance .

Surgiu Golden sun. Um jogo que esta repleto de vestígios de shining force , mas que segue um esquema mais tradicional de RPG , um pouco á imagem de PhantasyStar , Secret of Mana ou Final Fantasy . O jogo apresenta-se como uma uma verdadeira “viagem” pelas ruas da nostalgia. Onde a banda sonora é bastante clássica e por vezes familiar onde mesmo o visual, que apesar de ser, obviamente, bastante superior a qualquer RPG de 16bits assume uma qualidade distinta por se tratar de uma consola portátil .

Golden Sun : The lost age é a 2º versão da Saga de RPG desenvolvida pela Camelot Software Planning e , posteriormente , publicado pela Nintendo . Foi indiscutivelmente a sequela mais esperada no GBA. Teve o seu lançamento em Abril de 2003 e é um jogo exclusivamente para o Game Boy Advance , á imagem do que aconteceu com o primeiro . Golden Sun the Lost Age continua a historia onde acabou o primeiro
Golden Sun . Onde existe a possibilidade de transferir os stats das nossas personagens, os djinns que apanhamos bem como todas as armas/items que tínhamos na antiga equipa. Tudo isto era possível através do cabo GameLink onde deste modo se dava continuidade aquilo que foi feito no primeiro Golden Sun . Era uma forma de compensar o jogador .

As novidades no que toca ao jogo são uma melhoria no motor gráfico,
com progressos no nível de detalhe das personagens , cidades , estruturas , objectos etc . A complexidade dos puzzles foi aumentada . Destacam-se ainda novos summons através da combinação de djinns.

O aspecto cativante neste Golden Sun é o seu roteiro. Ao invés
de amplificar na calamidade, o titulo emprega diversas técnicas visuais e
narrativas ,discretas, e muito competentes para conferir “dramatismo controlado” , ou seja , sem qualquer exagero . Apesar de falhar/pecar nos diálogos, onde são rápidos e pouco profundos (e ate mesmo pouco esclarecedores por vezes) , e nas poucas decisões que temos , estas limitam-se a dizer ” sim” ou “não” , estas , apresentam-se como decisões totalmente inúteis que não fazem qualquer diferença na historia . O Sistema de combate é divertido e original e encaixa-se com precisão incomum ao estilo do jogo onde cada personagem tem uma característica distinta.

Em conclusão, Golden sun não tenta revolucionar o género ,nem pretende oferecer algo inédito , mas sim resgatar com perfeição tudo aquilo que fascinou os jogadores de outra era .Golden sun foi elogiado pelos gráficos avançados e realistas . Lost age potencializa e mantém essa imagem , com novos efeitos de iluminação e camadas interessantes . Os gráficos em Lost Age têm um estilo serio , realista .
Com a excepção de alguns puzzles complicados , Golden sun :The Lost Age é um jogo fácil . Ainda assim , estima-se que a sua longevidade possa chegar entre 35 a 45 horas (pessoalmente , foram imensas as vezes que andei “perdido”) . Golden Sun : The Lost Age consegue ser um RPG muito profundo e satisfatório, algo que faltava ao GBA . Um RPG com apelo e um final quase tão agravante como Golden Sun . Por fim , é justo dizer , que Golden Sun : The Lost age ira agradar aos fâs actuais , aos recém chegados á serie como aos fãs “old school” .

Sistema de batalha : 8/10
Interface: 8/10
Musica e Som : 8/10
Originalidade : 7/10
Historia e Plot : 8/10
Visuais : 9/10
Dificuldade : Fácil
Global : Nota 8

Sara Araújo

http://ocremix.org/files/images/games/gba/3/golden-sun-gba-cover-front-eu-26394.jpg

Se recuarmos mais de uma década no tempo, os RPGs de grande qualidade era algo que estávamos habituados a ver apenas nas típicas consolas “caseiras”. Felizmente para os amantes do género, Golden Sun trouxe-nos um universo que poucos esperavam ver realizado numa consola portátil tão cedo. Por meados de 2001, a Nintendo e a Camelot Software Planning criaram o primeiro GRANDE RPG das portáteis, um jogo que aproveitava da melhor forma as capacidades do Game Boy Advance para criar um mundo épico e uma demanda digna de uma consola caseira.

Para vos contar a história, esta análise iria para além das regras impostas pelo passatempo, portanto, resumidamente, Golden Sun conta-nos a jornada de um grupo de amigos, Isaac (o protagonista), Garet, Ivan e Mia, que tentam recuperar e selar as Elemental Stars, que são roubadas por um grupo de antagonistas liderados por Saturos e Menardi. O objectivo destes é libertar o poder destrutivo da Alchemy usando as quatro Elemental Stars, que contêm o poder dos quatro elementos (fogo, água, vento e terra), para iluminar os “energy beacons” no topo das quatro Elemental Lighthouses, situadas em algumas zonas do mundo.

Relativamente ao modo de jogo, Golden Sun adopta o tradicional género RPG (role-playing game), ou seja, o jogador controla as acções de quatro personagens por turnos e os combates surgem de forma aleatória à medida que caminhamos pelo mapa-mundo ou nas áreas de “dungeon”.

Uma das características de Golden Sun são os seus quebra-cabeças ou puzzles. Estes enigmas de tamanha complexidade exigem que o jogador realize uma série de acções para que possam ser resolvidos, utilizando, em muitos puzzles, feitiços de “Psynergy” como, por exemplo, o “Whirlwind” que, para além de ser usado em batalha para dar dano aos inimigos, pode ser utilizado para remover vegetação que bloqueia o caminho do jogador.

Outra característica bastante importante do jogo, são os “Djinn”. Estas criaturas elementais, que podem ser encontradas pelo mundo fora, em “dungeons” ou em cidades, são utilizadas para auxiliar no sistema de batalha, através da evocação de “Summons” e/ou para aumentar as habilidades de “Psynergy” das personagens.

Quanto à longevidade, Golden Sun é tão extenso que a companhia Camelot viu-se obrigada a criar um novo jogo, Golden Sun: The Lost Age, para que fosse possível completar a história, isto tudo sem falar das missões secundárias e alguns extras que o jogo contém.

Visualmente, Golden Sun conseguiu levar o Gameboy Advance a limites que muitos nem pensavam ser possíveis de atingir. Seja pelo visual e arte utilizados nas várias áreas do mundo, onde era possível ver os pormenores dos terrenos e os efeitos do tempo, sem falar dos detalhes das personagens, quer pelos efeitos de 3D-falso usados no combate, este era um jogo que enchia o olho e providenciava muitos e bons momentos, sem esquecer até as entradas dos “Summons” no campo de batalha que estavam ao nível dos grandes RPG’s de consola “caseira”.

A nível sonoro, Golden Sun não pára de impressionar. Para uma consola portátil, a banda sonora deste jogo é sem dúvida fenomenal, com algumas músicas realmente épicas que ficam gravadas na memória.

Golden Sun é um dos jogos mais impressionantes lançados para o GBA e, provavelmente, uma das minhas séries preferidas de sempre, que me fez apaixonar pela sua história, jogabilidade, gráficos e banda sonora. Ansiosa para jogar a ultima sequela da série. Aconselho vivamente a quem nunca experimentou este clássico. 🙂

Positivo:
Excelentes gráficos
Boa banda sonora
Bons combates por turnos
Utilização inteligente dos Djinn
Campanha longa

Negativo:
Precisam de comprar o segundo jogo para completar a história
Sons das falas um pouco irritantes

EXCELENTE!

error

Sigam-nos para todas as novidades!

YouTube
Instagram
7
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x