Coisas sobre anime ~7~ – Harems

coisas-sobre-anime-7-harems-logo-pn-n

Em primeiro lugar, a rubrica saiu uma semana atrasada porque estava a planear terminar a mesma durante o fim-de-semana de Páscoa. Mas nem sabia que era Páscoa, e então não tive a oportunidade de o fazer devido a ter estado ocupado durante esses dias.

Passemos então à rubrica.

 

-Assunto da semana (passada)-

Harems

Agora que penso nisso, não tenho visto muito romance nestas temporadas. Houve Akagami no Shirayuki-hime, de resto entre esta e a temporada anterior não teve muita coisa dentro desse gênero.

E estou a abrir com romance porquê? Porque normalmente anda de mãos dadas com o gênero harem.

coisas-sobre-anime-7-harems-date-a-live-001-pn-n

Qual é a minha opinião sobre o gênero harem? Do que vi/li até agora, é um gênero que na maior parte das vezes deixa a história para segundo ou terceiro plano.  E também usa e abusa de alguns clichés. E claro, o desenvolvimento das personagens fica sempre esquecido. Bem como a personagem principal nunca se decidir. Ficam com uma ideia.

Não é que odeie harems, apenas desejava que os mesmos tivessem mais desenvolvimento. Mas nem todos os harems são assim. Por vezes algumas das histórias nem parecem ser harems até ao momento em que todas as raparigas (vou falar apenas de harems e não reverse harems) começam a gostar da personagem principal.

E por outro lado existem aquelas histórias onde a personagem principal já nasce rodeado de raparigas. Ainda assim, algumas dessas histórias nem parecem harems, já que são tratadas de forma diferente. Existem aqueles harems à la To Love Ru, onde o protagonista tem a sort…azar de ter uns “acidentes”. Existem aqueles tal como Nisekoi, onde nada acontece mas existe um harem, e nada acontece. Existe também aqueles “raros” com uma devida progressão de história, tempo de antena para todas as heroínas e o protagonista acaba por escolher alguém.

coisas-sobre-anime-7-harems-to-love-ru-001-pn-n

Ou seja, não me importa se o protagonista tem um monte de raparigas (e rapazes, não esquecer que por vezes vem uma trap/reverse trap ao barulho) atrás dele, ou se no fim da história fica com todas. O que quero é que pelo menos desenvolvam as personagens.

Posso pegar no exemplo de To Love Ru. As primeiras temporadas não tinham história, e os episódios não passavam de acontecimentos ao acaso com uma quantidade extrema de fanservice. Felizmente as coisas mudaram quando passaram à série Darkness, onde pelo menos existe um objectivo final para a história, e tem havido algo interessante a acontecer que pelo menos oferece algum desenvolvimento às personagens (o fanservice continua em alta caso queiram saber).

Este foi o exemplo de um harem que anda a redimir-se, mas normalmente (no que tenho visto) a coisa nunca corre tão bem, deixando um gosto amargo.

coisas-sobre-anime-7-harems-haganai-001-pn-n

Neste momento devem de estar com a impressão que odeio tudo o que é harem. Nah, Haganai por exemplo é um harem mas gosto da série. E até tenho um harem como uma das minhas séries favoritas, Rokujouma no Shinryakusha!?.

  • Para começar, o protagonista, Satomi Koutarou, já está interessado em alguém… coisa que acontece em muitos harems.
  • Seguido de, no final do primeiro episódio/volume, Koutarou fica rodeado de várias raparigas… coisa que acontece em alguns harems.
  • Continuando, nem todas as raparigas gostam de Koutarou a início… coisa que acontece em alguns harems, mas em menor quantidade que o segundo ponto.

Pelo andar da carruagem não vou chegar ao ponto que quero mostrar. Mas talvez fosse melhor começar pela sinopse da série.

coisas-sobre-anime-7-harems-rokujouma-002-pn-n

O protagonista, Koutarou, conseguiu um quarto que se adequa à sua corrente situação financeira. No entanto quatro raparigas acabam por aparecer, e que querem o quarto para os seus próprios fins.

O ponto alto de Rokuojuma, para além da sua história, que é interessante. É de dispensar o seu tempo para desenvolver cada heroína. Em termos de anime (que adaptou até metade do 7º volume), cada heroína acaba por receber dois episódios para ter um pouco de exposição, e melhorar a sua relação com Koutarou (e as outras heroínas).

Em termos de light novel, é um volume para cada heroína, sendo que de momento tem cerca de 21 lançados, o anime infelizmente terminou mesmo antes da melhor parte…

coisas-sobre-anime-7-harems-rokujouma-001-pn-n

Mas não é tudo, em qualquer anime é preciso que as personagens tenham carisma o suficiente para o espectador gostar delas. Coisa que acaba por acontecer.

Pode existir a nossa heroína favorita, mas nunca acabamos por odiar as outras (coisa que acontece em outros harems). E quando chega a sua vez de X ou Y brilhar na história, acabamos por apoiar a heroína do momento (que, mais uma vez, não acontece em outros harems).

Ou seja, tem uma boa história e sabe como gerir o protagonismo e desenvolvimento das personagens principais (e até secundárias). Tanto que até muitas vezes me esqueço que a série é um harem e olho mais para a coisa como apenas romance. Mesmo tendo em monte que existe mais do que uma heroína interessada no protagonista. Mas esperem! Há mais!

coisas-sobre-anime-7-harems-date-a-live-003-pn-n

Pensavam que apenas tinha um harem como uma das minhas séries favoritas? Não! Afinal existe mais uma light novel com o gênero harem que recebeu a minha benção.

Date A Live acaba por fazer jus ao gênero harem. Afinal de contas o objectivo da história é de o protagonista Shidou conquistar um monte de raparigas. A sinopse da história acaba por ser que Shidou possui uma habilidade capaz de selar o poder dos espíritos, uns seres (?) com forma humana (e que até agora acabaram por ser sempre raparigas).

Para o poder fazer, Shidou tem que ganhar pontos de afecto (ao estilo de um dating sim). Ou seja, tem de fazer os espíritos apaixonarem-se por ele, levando-as em encontros, e acabando por as beijar (finalmente alguma coisa a sério acontece sem ser de forma acidental).

coisas-sobre-anime-7-harems-date-a-live-002-pn-n

Acaba por ser uma ideia diferente, o que despertou o meu interesse, e a história até que me agrada. E tal como Rokujouma, cada volume dá destaque a uma das heroínas, que neste caso vão aparecendo ao longo da história.

Em termos de anime, sei que quem viu a primeira temporada odiou a segunda por alguma razão. Muito provavelmente devido à saturação do gênero que houve durante o tempo entre ambas as temporadas. Uma vez que adaptaram 4 volumes para a primeira temporada, e 3 para a segunda, não havendo problemas de pacing para justificar tamanho desagrado.

Resumindo, não me importa que um anime/manga/light novel seja harem, desde que tenha uma história e que ofereça desenvolvimento às personagens.

——————————

As recomendações da temporada de Inverno 2016 vão sair na próxima Segunda-feira.

Latest posts by Mathias Marques (see all)
Share

You may also like...

Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Lfo

Harems são o meu guilty pleasure, vejo todos.

Silver4000

Para mim é mesmo o oposto, battle school harems e clichés são coisas que não aguento. Ainda por cima agora que andam em moda :/

error

Sigam-nos para todas as novidades!

YouTube
Instagram
2
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x