Análise – Dead Space 3

Não existe qualquer margem para dúvida que o ser humano gosta de coleccionar coisas. Existe um qualquer fascínio por objectos maiores, melhores e acima de tudo mais poderosos, que é difícil de compreender.

Isso explica o porque da existência de jogos como Diablo 3 e todos os RPG do género, jogos com sistema de evolução onde a procura por uma arma ou armadura ligeiramente melhor é um achado que merece ser comemorado. Quem fala em Diablo, fala em World of Warcraft por exemplo, ou os rebentos que começam a surgir em outros géneros, sendo Darksiders 2 um dos melhores e mais recentes exemplos do mesmo.

Depois do sistema de evolução claramente inspirado em RPG ter surgido em quase todo o estilo de jogos, chegou a altura do sistema de melhoria de equipamentos e criação dos mesmos, de chegar a um dos géneros que beneficia muito mais da ausência dos itens do que da abundância dos mesmos, estamos a falar obviamente dos survival-horror.

Se bem me recordo, em tempos, jogos como Resident Evil fazia de tudo para que o jogar nutrisse um sentimento de enorme impotência, face aos muitos inimigos que chegavam a ter maior poder e número do que as poucas balas que estavam disponíveis, ou a pequena faca que podiam transportar. Hoje em dia, um jogo com muitos zombies, significa que é preciso matar tudo o que se mexe.

Dead Space 3 acaba por sofrer um pouco com isso, não só sendo um jogo que devia manter o jogador ao nível da competição (estou a falar dos inimigos) e não tanto a sensação que o jogador pode ser uma mistura entre o Rambo e o MacGyver.

Como terceiro jogo da série (colocando de lado alguns spin-offs), Dead Space 3 volta a chamar Isaac Clarke à sua função de exterminador de Markers, desta vez acompanhado por John Carver. Os dois heróis descobrem a existência de um planeta gelado onde existe uma máquina responsável pelo funcionamento dos Markers, e partem para fim à ameaça de uma vez por todas. Pelo caminho surgem muitos Necromorphs (corpos humanos que ganham vida ao estilo de zombies), que precisam de ser decepados membro a membro ao bom estilo da franchise. Além disso ainda existe tempo para uns belos passeios pelo espaço em sequências de gravidade zero, e combates contra monstros gigantescos que servem como bosses.

A primeira grande diferença entre os dois jogos anteriores e Dead Space 3 está ligada à quantidade de seres vivos que a história necessita para que possa ser contada, o que é bom e mau ao mesmo tempo. Se por um lado perdemos um pouco do sentimento de pressão e agonia de estar sozinhos num local estranho e cheio de Necromorphs, agora temos um colega de equipa ao estilo de Resident Evil 5, que nos acompanha em grande parte da aventura, o que transforma o género num um estilo mais próximo da acção.

Como é óbvio, a introdução de Carver permite que joguem Dead Space 3 a dois, trazendo mais opções de jogabilidade e interacção com os inimigos e ambiente. Na minha opinião é uma vertente que funciona bem e vai divertir todos aqueles que procuram uma boa experiência ao estilo co-op. Por outro lado, retira grande parte do sentimento de horror e solidão típicos dos jogos anteriores.

Outro elemento que retira mais elementos de Survival-Horror é o já mencionado sistema de criação e angariação de objectos. Mais uma vez estamos a falar de um elemento que pode ser visto de forma negativa ou positiva consoante os gostos do jogador.

Eu sou um fã de RPG, e prefiro muito mais jogar um jogo de acção a um de terror, mas não pude deixar de sentir que este sistema acaba por transformar todo o jogo numa experiência algo injusta que chega a roubar outra porção do terror associado ao sentimento da falta de recursos. Se o jogador gastar algum tempo a coleccionar objectos e a melhorar as suas armas, até os inimigos mais difíceis parecem feitos de manteiga, se o jogador ignora este sistema, o jogo fica demasiado difícil  Não existe um balanceamento real, o qual seria plenamente desculpável se este jogo fosse um RPG, onde o objectivo é estar sempre em vantagem em relação ao inimigo.

Estou a falar de um sistema que depende inteiramente do vosso empenho com o mesmo, e diga-se, é até bastante recompensador caso invistam tempo a construir e melhorar os equipamentos das vossas personagens.

Visualmente Dead Space 3 é um jogo interessante e quando o cenário não está demasiado escuro ou existe muita neve a cair, é notório que a equipa de produção ainda teve algum trabalho e atenção ao pormenor. Não é nada de realmente fantástico e não é do melhor que podem encontrar numa consola (a nossa versão de análise foi a de PS3). Tudo o que não sejam seres humanos (que ainda são muito robóticos e um tanto ou quanto marionéticos), sejam os fatos de Isaac ou Carver, as armas ou os Necromorphs, estes estão com muito bom aspecto.

Sonoramente, não posso apontar grandes defeitos a Dead Space 3. A banda sonora está bastante boa e continua a oferecer verdadeiros momentos de tensão ou terror. Destaque vai também para a ambiência sonora (sons, grunhidos e barulhos dos cenários), a qual continua a ser um dos últimos bastiões do terror que ainda existe nesta série.

Embora a campanha não seja exactamente curta para o género, a introdução de uma segunda personagem jogável confere ainda um pouco mais de longevidade e recomendo que repitam a campanha com outra pessoa que esteja disposta a partilhar de todo o tempo de jogo, pois a campanha vista pelos olhos de Carver oferece algumas boas surpresas.

No geral, Dead Space 3 é um jogo com muita qualidade, mas na minha opinião, acaba por se afastar alguns passos daquilo pelo qual a série ficou conhecida, o facto de ter feito regressar o terror aos survival-horror de acção. Em breves situações de jogo, Dead Space 3 trouxe à memória Final Fantasy XIII. São os dois bons jogos e duas boas experiências, mas teria sido melhor se fossem spin-offs dentro da mesma saga do que um numeral oficial da série.

Positivo:

  • Campanha singleplayer leva Carver a tomar caminhos diferentes
  • Modo co-op é divertido para partilhar com outra pessoa
  • Sistema de criação e evolução de items aliciante
  • Sequências em gravidade zero empolgantes
  • Musica e som ambiente continuam a ser pontos altos

Negativo:

  • Trocou grande parte do terror por acção
  • Presença de outra personagem torna o jogo em algo mais leve
  • Relação entre personagens mal concebida e vilão bastante fraco
  • Sistema de melhoramentos não oferece um equilíbrio à aventura
  • Muito conteúdo bloqueado à partida pela compra de mini-dlc

 

Share

You may also like...

Subscribe
Notify of
guest
4 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Nuno MagalhÃes

boa analise….quando estiver mais barato quero entar de novo no mundo do dead space…

Marcelo Guerreiro

Boa análise! Interessante, praticamente os survival horror mais conhecidos como Resident Evil e Dead Space estão a sair das suar origens…

Tocha

Nunca gostei de jogos nem de filmes de terror! Pensava da seguinte forma: “qual o objetivo de me assustar e de me borrar num jogo? Eu quero é rir-me!”. No entanto, tive sempre um certo interesse assustador nesta vertente, um estranho fascínio. Por isso, sempre que podia, não resistia a ver algumas cenas intensas e assustadoras de filmes que estivessem a passar na televisão, ficando fixado (apesar de mudar de canal naquelas cenas mais intensas, de forma a não assustar-me x)) ou então, a procurar algumas destas cenas na net, inclusive de jogos! E um deles era o Dead Space!
Vi algumas cenas do Dead Space na altura do seu lançamento, assim como do Dead Space 2… Mas nunca tive coragem em comprar nenhum capítulo! Este Dead Space 3 passou-me um bocado despercebido e pensei assim: “bem, tinha uma leve relação com a série, ao ver filmes e walkthroughs dos capítulos anteriores, mas deste não sei nada!”. Aventurei-me pela net e vi cenas deliciosas do jogo… Nunca me tinha sentido tão atraído por um survival horror! As críticas começaram a aparecer e então, desde muito cedo, apercebi-me que este jogo envolvia muita ação. Seria este um bom começo para mim no mundo do terror? Talvez… E segui com o demo. Do que joguei, gostei bastante, diverti-me imenso! A série até pode ter fugido da essência do terror (algo que era tão marcante no primeiro e no segundo), mas houve certos momentos em que me borrei todo! E, além disso, tinha umas sequências cinemáticas bastante elegantes e incríveis!
Não sei se o vou comprar, apesar de não ter jogado os anteriores… Nesta época, estão agendados grandes jogos e este não estava no topo das preferências mas, sem dúvida alguma, que o Dead Space 3 me agradou e que, se vier a ter uma oportunidade, o vou garantir na minha coleção. Excelente análise!

Livio Pinho Tertuliano

esse jogo foi simplesmente fantástico gostei bastante da análise é certo que infelizmente ele perdeu um pouco do suspense e focou mais na ação por isso o primeiro pra mim é o melhor de todos! mais o três é muito bom vale sim muito a pena jogá-lo ponto pra EA!

error

Sigam-nos para todas as novidades!

YouTube
Instagram
4
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x