Spotify processado em 1.6 mil milhões de dólares

As notícias não são boas para o Spotify: o o serviço de streaming foi alvo de um processo por parte da Wixen Music Publishing, que acusa o serviço de infringir os direitos de compositores e editores. A Wixen pede, pelo menos, 1.6 mil milhões de dólares. A empresa representa artistas como Janis Joplin, The Black Keys e Tom Petty.

A empresa tem vindo a resolver um processo que trata de problemas de direitos autorais similares, previsto ser resolvido em dezembro. No entanto, um grupo que inclui a Wixen, opôs-se aos termos de aproximadamente 43 milhões de dólares, argumentando que poderia render menos de 4 dólares por música.

Nos últimos anos, o Spotify atingiu acordos com grandes editoras, resolvendo possíveis processos de direitos autorais. As ofertas constituíram uma importante fonte de receita para a indústria da música, que se contraiu fortemente nos últimos 15 anos.

Neste novo processo, a Wixen disse que o Spotify não conseguiu abordar as reivindicações dos compositores e editores, que têm direitos separados sobre as composições. “Como resultado, o Spotify construiu um negócio de milhões de dólares nas costas dos compositores e editores” disse a Wixen “cuja música está a ser usada sem pagar as licenças necessárias”.

Para além desta disputa, o Spotify também enfrenta ações judiciais arquivadas por Bob Gaudio e Bluewater Music Corporation, desde Julho, para além de outras empresas que também já apresentaram processos judiciais. Nos casos de Julho, o Spotify argumentou que as reivindicações eram inválidas e que o uso da música era permitido sob licenças implícitas.

Sobre o caso Wixen, o Spotify ainda não quis comentar.

Sérgio Batista

Membro do PróximoNível desde 2015. Tira fotos em demasia durante os eventos.

More Posts

Follow Me:
TwitterYouTube

Sérgio Batista

Membro do PróximoNível desde 2015. Tira fotos em demasia durante os eventos.