PN Jukebox #74 – Danganronpa: Trigger Happy Havoc

No ano passado fiz uns quantos artigos sobre Danganronpa tendo em conta que a terceira entrada na série principal estava para sair. No entanto não cheguei a fazer uns quantos artigos que queria, sendo um deles um PN Jukebox sobre a série. E uma vez que eu ainda ando por volta da série, quer a concluir a lista de troféus ou a jogar o spin off que nunca tive oportunidade de meter as mãos, decidi dedicar o mais recente PN Jukebox à série.

Neste caso, irei centrar-me no primeiro jogo, para assim dar a conhecer a quem ainda não foi vítima de um dos meus artigos sobre Danganronpa. Pode ser que com a banda sonora acabe por convencer de uma vez por todas quem ainda não experimentou a série, a começar a jogar.

Tal como todas as histórias de mistério, Danganronpa começa com uma apresentação do elenco que faz parte da história, e dedica alguns momentos a destacar cada personagem o suficiente para o jogador começar a criar as suas teorias sobre quem vai morrer e quem será o assassino. E isto é uma das coisas que me agrada na série, apesar de várias personagens terem as típicas tropes é difícil de dizer quais as personagens que vão chegar até ao fim, com a excepção de alguns casos óbvios.

E já que estou a falar em tropes e sobre o primeiro jogo, tenho a dizer que Danganronpa: Trigger Happy Havoc é o jogo que mais uso faz sobre esse aspecto. Não aborda todas as personagens, mas uma quantas acabam por sofrer devido a este facto, principalmente Hifumi que acaba por ser esquecido por muito mesmo devido a esse facto. Sendo apenas o estereotipo de um otaku que é gordo e não tem interesse em mais nada para além de anime e videojogos.

Este é certamente um dos pontos fracos do Danganronpa original, as suas personagens ou eram diferentes o suficiente para se destacar ou então eram a trope habitual que não ficava na memória. Este problema continua a assombrar as sequelas, mas não se pode fazer muito numa série onde metade do elenco acaba por morrer à medida que a história avança.

O facto de muitas personagens morrerem acaba por deixar as pessoas de fora, e é algo que eu até percebo o porquê pois eu sinto o mesmo. Mas a história é algo que vale a pena e as personagens acabam por lidar com a morte (e traição) de quem consideravam companheiros. Acaba por ser um bom tema a explorar e que estou sempre curioso em ver.

Tal como Ace Attorney, Danganronpa é uma visual novel com alguns momentos de exploração e minijogos, onde o jogador necessita de inspecionar salas à procura de pistas e depois usar toda a informação recolhida nos mais variados minijogos que tomam lugar durante a fase de julgamento. Alguns dos minijogos não são dos melhores, mas a série tem vindo a melhorar no que toca a esse aspecto.

Mas continuando a comparação entre ambas as séries, Danganronpa é mais amigo dos jogadores ao fazer com que não existam “game overs”, mas tal como acontece em Ace Attorney vai haver momentos em que o jogador vai estar a experimentar tudo e mais alguma coisa menos a resposta certa, apesar de ter ideia de já ter feito essa escolha. E ao contrário de Ace Attorney, Danganronpa sempre oferece mais variedade com os seus minijogos, mas no fundo, ambas são excelentes séries.

Imaginem dedicar um artigo a Danganronpa e nem referir Monokuma. Sim é a mascote que iniciou o jogo de matança e que de uma forma ou outra é o culpado de a nossa personagem favorita estar morta, mas não há como negar que Monokuma consegue dar vida ao jogo. A maneira como a personagem está construída podia tornar-se obnóxia ou até repetitiva com a sua comédia, mas de cada vez que Monokuma entra no palco, ele arrasa com a casa e com as nossas personagens. Monokuma é o exemplo em que o vilão não necessita de ser aquela personagem que não obedece a nenhuma regra, tendo como prioridade em criar um sentimento de segurança para as personagens para depois lhes causar desespero. É certamente uma personagem que apenas melhora com o tempo e nunca fica velha, sendo um dos pontos fortes da série, já para não falar da história que supera as nossas expectativas a cada novo jogo.

Quem estiver interessado em visual novels, mistério ou que até seja fã de Ace Attorney, então Danganronpa é algo a considerar. Pode ser considerado uma franquia de niche, mas conta com imensos fãs por todo o mundo que esperam ansiosamente pelo próximo capítulo para ver até onde é que a história os vai levar com as várias reviravoltas. E se até agora inda não ficaram convencidos, fiquem com a banda sonora completa.

Mathias Marques

Editor oficial desde Agosto 2014 Para além de videojogos também gosto de anime. Podem ver-me a apregoar sobre ambos os assuntos no site em forma de notícia, artigo ou análise. Tenho a sorte de encontrar momentos parvos enquanto estou a jogar, ou de os criar eu mesmo.

More Posts

Follow Me:
TwitterYouTube

Mathias Marques

Editor oficial desde Agosto 2014 Para além de videojogos também gosto de anime. Podem ver-me a apregoar sobre ambos os assuntos no site em forma de notícia, artigo ou análise. Tenho a sorte de encontrar momentos parvos enquanto estou a jogar, ou de os criar eu mesmo.