PN Jukebox #66 – Grand Theft Auto: Vice City

pnj-jukebox-gta-vice-city-pn

Podia ter escolhido o mais recente jogo, podia falar do menos amado GTA IV (que não joguei), podia falar do mais popular GTA San Andreas, podia falar sobre o primeiro GTA que joguei, GTA II, mas a culpa foi do jogo e não minha. Então para este jukebox decidi escolher o meu jogo favorito da série, Grand Theft: Auto Vice City, que acaba por ser o segundo jogo da série que joguei.

Para esta edição da Jukebox decidi por não falar da música do jogo, da qual nem me lembro, para além da música de missão completado/casa comprada. E optei sim por falar da música que mais me acompanhou durante o jogo, e da qual me lembro melhor, a música da rádio.


Antes de mais, joguei a versão PS2 e lembro-me de o jogo ter loadings longos, ou então era devido ao disco não estar me modos, mas algo que me faz recordar ainda mais esses loadings são as músicas que ficavam sempre a tocar durante os mesmos, que como por coincidência ou maldição, acabavam por ser quase sempre as mesmas (aquelas duas ali em cima).

Mas recuando um pouco atrás, Tommy Vercetti acaba de chegar a Vice City, e em conjunto com a sua t-shirt havaiana, que aparentemente muitos odeiam, ele vai-se encontrar em maus lençóis quando um negócio acaba por correr mal. Tommy e a sua t-shirt havaiana vão então à procura de quem os tentou tramar, e rebentar com todos, mas antes de tudo, é preciso entrar num carro e ligar a rádio para poder ouvir música.


Eu vou admitir que até gosto daquela t-shirt, especialmente devido à cor, acredito que se tivesse outros tons, em especial os tons escuros que não me iria agradar assim tanto, mas passando às coisas mais importantes. Uma vez que não joguei GTA III, e nem tinha conhecimento do mesmo, Grand Theft Auto: Vice City acaba por ser o primeiro GTA em 3D que joguei.

Então o que é que eu ia fazer neste novo mundo em 3D? Ao contrário de GTA II já não andava a matar pessoas a torto e a direito, coise que não tinha a mesma piada. Mas algo que tinha mais piada em 3D era obviamente andar de carro, naqueles carros mágicos que estavam sempre a tocar a mesma música na mesma parte quando se entrava neles…

O mapa de Vice City até que era pequeno, mas acabei por gostar mais desse mapa pequeno ao contrário de por exemplo o mapa enorme de GTA V. Em especial devido a eu acabar por reconhecer o cenário e locais de Vice City, sendo que já nem precisava do mapa para me dirigir aos sítios que queria, bem, o facto de o jogo estar dividido em duas ilhas ligadas por pontes também ajudou, mas…


E onde é que eu queria chegar com isto? Ao facto de ter encontrado duas coisas no jogo que acabei por gostar imenso enquanto explorava a cidade. A PCJ-900, a melhor mota e veículo do jogo, havia uma numa certa localização que fazia parte de um daqueles trials, por isso tinha sempre um lugar onde pedir uma emprestada.

A segunda coisa acaba por ser obviamente o motivo desta jukebox, Emotion 98.3, a melhor rádio do jogo.



Sim eu fazia as missões, mas o que gostava mais no jogo era mesmo de pegar na minha moto favorita e ligar o meu rádio favorito, passeando pela cidade,e por vezes ver os “gangues” a matarem-se uns aos outros, que acabavam por dar sempre em confrontos hilariantes. Para além disso também tinha o hábito em ir ver as casas à venda, e comprar tudo o que podia, enchendo as garagens com carros e motas que tinham um ar cool e que eram rápidos… apenas para nunca os usar.

Mas existe uma razão pela qual não ia muito para as missões.

Como disse no início, o jogo tinha uns loadings grandes, e não sabia se eram mesmo do jogo, ou se era culpa do disco, apenas sei que numa certa missão onde tinha de usar uma mini gun para assaltar uma certa mansão enquanto estava num helicóptero. Sendo essa a única missão que faltava para poder progredir no jogo, e tendo em conta o facto de aquilo empacar sempre no mesmo sítio, tinha que me divertir com outra coisa qualquer.

E foi aí que também entrou os códigos, nada melhor que usar coisas oficiais que acabam por tornar um jogo em algo hilariante devido a tudo o que acontecia. O meu número um favorito é o que torna os condutores agressivos, ou seja, um bando de bêbados a conduzir, coisa que na minha opinião devia de estar presente em todos os jogos com carros.

Outros passatempos acabavam por ser em usar o código de conduzir na água, carros voadores, pedestres a fazer riot e ficar a observá-los à pancada (enquanto que fugia de alguém que pudesse vir contra mim), ir às prostitutas e matá-las para ter o dinheiro de volta, enfim… só diversão.

—————

É óbvio que muitos possuem recordações de Grand Theft Auto Vice City, quais são as vossas? Que rádio costumavam ouvir? E quais eram os códigos que mais usavam? Digam na zona de comentários!

  • David Rodrigues

    Épico!!

  • _GM_

    Se há jogo com a melhor banda sonora composta por músicas licenciadas, é de certeza GTA Vice City.

    Mas também gosto de outras rádios, como a V-Rock.

    Epá eu até falava de muitas recordações que tenho do jogo… mas para isso teria que fazer um artigo aqui 😛

  • Ghost

    IIIIII I JUST DIIEEDD IN YOUR ARMS TONIIIIIGHTTTTT *Breaks WINDOW and Scares the cat*