Magic Battle for Zendikar e a arte de não abrir Expeditions

magic-battle-for-zendikar-expeditions-sad-pn-n

Estão a ver um casino? Sabem como eles funcionam? São novos demais para entrar ou nunca lá foram? Então imaginem algo como Euromilhões.

Porque é que toda a gente joga nestes jogos de sorte/azar? Porque existe a procura pela vitória, pelo prémio, pelo retorno em duplicado ou ainda mais, do investimento feito.

Como seria de esperar, apostas não é mais do que um investimento de diversão, pois poucos são aqueles que se podem gabar de terem vencido, sem grandes investimentos.

magic-battle-for-zendikar-expeditions-sad-pn-n2

 

Isto é o que sinto com Magic Battle for Zendikar, a nova grande expansão de Magic que prometia um grande regresso a um dos blocos mais importantes. O resultado até agora está a provar ser mediano, mas existe algo mais apelativo e chamativo nestes boosters. As belas Expeditions.

O que são Epeditions? Simples, são cartas de terreno raras de versões já raras de cartas bastante valiosas. Um bom exemplo é algo como um Scalding Tarn, uma carta que pode subir aos 50 euros simples, mas que em versão Expedition supera os 170.

O chamariz das Expeditions no entqanto é outro, pois o incentivo para adquirir é grande, mas a hipótese de sair é bastante baixa. O quão baixa? Bem, como diz a própria Wizards, tão comum como um unicórnio.

magic-battle-for-zendikar-expeditions-sad-pn-n3

Aqui já é possível ver a linha paralela entre abrir Battle for Zendikar e ir ao casino. Por muito que abram coisas boas, existe sempre o fascínio pela Expedition, o que torna a abertura de cada booster, uma aventura como puxar a roleta no casino, que acaba quase sempre em desilsão (a não ser que seja um Gideon Foil!).

Esta foi a nossa demanda para análise de Battle for Zendikar nas mais recentes semanas. Em conjunto, a equipa do PróximoNível abriu algo próximo de 100 Boosters, o equivalente a praticamente três caixas de boosters, e até agora nada.

Confesso que é divertido abrir boosters, especialmente no formato pack wars que fazemos, mas também sinto que a Wizards puxou de uma carta de génio, pois nenhum de nós iria comprar tanta coisa como se comprou até agora. E nem vamos falar dos fatídicos Fat Packs que ficaram brutalmente inflacionados pela questão de terem muitos terrenos full-art!

magic-battle-for-zendikar-expeditions-sad-pn-n4

Depois existe o factor sorte, e nesse departamento, eu sou um zero à esquerda. Eu sou o jogador que no Hearthstone joga contra todos os mages com 10 flamestrikes na mão, por isso não espero muito, mas mesmo assim, mesmo que fosse ai Roberto Silva, ou ao David Rocha, já era um momento de festejo.

Afinal, nenhum de nós quer realmente as Expeditions, pois a primeira coisa que se faria, seria vender e fazer novos decks (tenho um deck de Slivers para acabar e algumas cartas ainda são caaaaaaaras).

O problema real, é que o investimento em Display, PreRelease ou Fat Packs, já tinha servido para pagar as cartas para a maioria dos decks, no entanto, é o apelo pela Expedition que ganha, mas que nunca chega, por mais que se puxe pela manivela.

magic-battle-for-zendikar-expeditions-sad-pn-n5

Fiquem atentos à nossa análise de Magic: Battle for Zendikar que será lançado em breve.

Daniel Silvestre

Fã de jogos, filmes, anime e coisas do género. Jogo desde que me lembro e adoro RPG. Tenho uma grande colecção deles que tenciono acabar. Talvez um dia no lar da 3ª idade.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebook

Daniel Silvestre

Fã de jogos, filmes, anime e coisas do género. Jogo desde que me lembro e adoro RPG. Tenho uma grande colecção deles que tenciono acabar. Talvez um dia no lar da 3ª idade.

  • Guilhathorn

    Ganhei 3 boosters desta expansão num torneio casual, acho que o valor total das cartas que me saíram ronda os 3 euros… Os 3 terrenos full-art valem mais que as duas raras que me saíram. Provavelmente dos piores boosters que já abri xD

    Os melhores foram mesmo os de Innistrad, na altura comprei uns 30 boosters a metade do preço e passaram por mim a Liliana of the Veil, o Snapcaster Mage e o Garruk Relentless, entre outros xD Só tenho pena de ter vendido a Liliana e o Snap na altura, hoje em dia teriam sido ainda mais rentáveis…
    Depois investi 50 euros em boosters da primeira edição do Modern Masters, acabou por não ser nada de especial, tendo sido a Maelstrom Pulse a melhor carta que me saiu dessa vez e a que ficou na minha colecção, desfiz-me do resto para tentar recuperar o dinheiro ao máximo xD

    • Daniel Silvestre

      Isso é que foi abrir em Innistrad. É umas para as outras não é?

      • Guilhathorn

        Foi demais dessa vez xD

        Por acaso um mistério que eu ainda não consegui resolver foi o facto de que nessa altura e até ao Core Set de 2013, a loja Brinca Brincando na Amora, vendia os boosters a metade do preço e o dono dizia que era uma promoção transversal a todas as lojas que vendessem magic, se bem que nunca conheci mais nenhuma que a tivesse implementado xD

      • Guilhathorn

        https://www.youtube.com/watch?v=Jm8CdY75K-s

        Pelos vistos vamos voltar a Innistrad 😀
        Espero que mais uma vez me saiam bons boosters.

  • David Rodrigues

    eu ando numa de jogar magic origins na steam, é free2play, acalma o vicio e a carteira agradece xD

    • Daniel Silvestre

      É uma hipótese. But físico é aquela coisa : )

    • Guilhathorn

      Físico é imbatível, farto-me do jogo se for digital xD

  • Shinig@mi

    Abri uns 12 boosters no total ate agora de BFZ, saquei uma Steam Vents xD
    Claro está que já voou daqui para fora hahah
    De resto tive uma Kiora, uns Planar Outburst e pouco mais de valor

    • Daniel Silvestre

      Uma em 12? Bem melhor que a nossa média : D

      Eu sempre abri um Ulamog e mais algumas boas.