Grand Theft Auto V não assusta Hollywood


Enquanto Grand Theft Auto V bate recordes, 800 milhões de dólares de receita no primeiro dia de lançamento, muitos artigos vêm a lume para anunciar a derradeira ascensão dos videojogos sobre o cinema. Mas será que GTA V é o Cavaleiro do Apocalipse que irá derrubar o reino sagrado de Hollywood? Há variáveis a ter em atenção neste tema. Primeiro, por carga de água existe a necessidade de comparar a indústria dos videojogos com a indústria do cinema? Será o mesmo público-alvo? A questão do entretenimento? As sinergias em comum?

No ano passado os videojogos geraram uma receita global de 58 mil milhões de dólares, sem incluir os jogos mobile, para 34.7 mil milhões registados no cinema. Contudo, há diferenças incontornáveis a ter em conta. Apesar de GTA V ultrapassar em apenas um dia a receita total do Man of Steel, o terceiro filme mais visto de 2013 arrecadou 663 milhões de dólares no box-office mundial, cada cópia de GTA V é vendida a 60 dólares/euros, o que implica a venda de 14.5 milhões de unidades nas bombásticas primeiras 24 horas. Para Man of Steel a receita nos Estados Unidos resultou em 291 milhões de dólares, apenas 36% da receita de GTA V, mas que implica a venda de 79 milhões de bilhetes (média de 9 dólares por bilhete). Ou seja, 14.5 milhões de pessoas são a audiência optimista para uma megaprodução de Hollywood no primeiro dia.

O último recordista, Call of Duty Black Ops 2, arrecadou 500 milhões de dólares nas primeiras 24 horas, mas precisou de 15 dias para duplicar a receita do primeiro dia, indiciando que fãs e consumidores fazem a compra dos videojogos o mais próxima possível após o lançamento.