Game of Thrones T7 – Resumo Ep. 3 “The Queen’s Justice”

AVISO: Este artigo contém spoilers do 3º episódio da temporada 7 de Game of Thrones.

No início desta temporada, Daenerys parecia ter tudo para vencer facilmente a guerra pela Trono de Ferro. Em menos de 3 episódios, a Cersei reduziu a sua desvantagem consideravelmente, relembrando a toda a gente que os Lannisters não devem ser subestimados.

Um dos pontos altos do 3º episódio foi o primeiro encontro entre Jon SnowDaenerys Targaryen, e a discussão correu tão bem como seria de esperar. Dany quer que o Norte jure fidelidade a ela, recorrendo ao juramento dos antepassados dos Stark como argumento. Jon tem pouco interesse na guerra pelo trono e quer a ajuda de Dany para lidar com os White Walkers. É engraçado ver cada uma destas duas personagens na perspetiva da outra: Dany é vista como uma invasora estrangeira que se auto-intitula rainha dos Sete Reinos só por causa do nome da sua família, enquanto Jon parece um tmaluqinho a falar sobre o exército dos mortos. Apesar de ainda não se entenderem completamente, Dany dá permissão a Jon de extrair dragonglass em Dragonstone.

Fiquei um pouco espantado que o encontro entre Tyrion e Davos não tenha sido mais aceso. Afinal de contas, foi o plano de Tyrion que impediu Stannis Baratheon de conquistar King’s Landing na 2ª temporada ao usar wildfire, o que causou a morte do filho de Davos. Também tivemos um pequeno diálogo entre Melisandre e Varys onde ela diz que vai dar um pequeno saltinho até Volantis. Não sei se isto é uma desculpa subtil para a personagem não aparecer mais na série , mas seja qual for o caso, ela deixa uma das suas famosas profecias onde parece prever a morte de Varys num futuro próximo.

Quem tem muito jeito a escapar à morte é o desgraçado do Theon Greyjoy. Enquanto ele é salvo à deriva no mar, a sua irmã Yara é levada pelas ruas de King’s Landing onde Euron age como uma autêntica estrela de rock. Ele também entrega Ellaria Sand e “a mulher mais bonita do mundo” a Cersei, o que deixa a rainha muito feliz por ter mais pessoas para a sua masmorra de tortura. Como forma de vingança, Cersei mata a filha da Ellaria da mesma forma como a sua filha Myrcella morreu, com um chocho venenoso, e Ellaria é condenada a viver o resto da sua vida numa cela. E com isto, Dorne nunca mais foi mencionado.

Com o dia a correr tão bem, Cersei decide passar a noite com o seu irmão Jaime numa bela sessão de incesto – porque ela é a rainha e ela faz o que bem lhe entender. Contudo, Cersei ainda tem muitos problemas para resolver, como dívidas com o banco (que emocionante). Ela reúna-se com um representante do Banco de Ferro, que soa estranhamente como o Palpatine, e promete pagar tudo porque, como já todos sabemos, os Lannisters pagam sempre as suas dívidas.

Em Winterfell, Sansa Stark demonstra que tem capacidade para comandar na ausência de Jon Snow. Littlefinger continua a dar-lhe lições de manha/ bater couro, mas é interrompido pela chegada de Bran Stark para uma encontro bonito entre irmãos. Bran decide estragar o momento ao recorda à Sansa o dia em que foi violada por Ramsay Bolton. Não tinhas algo mais relevante para dizer, oh Corvo Trizarulho?

Entretanto em Oldtown, Jorah Mormont parece que vai viver durante mais uns tempos, após o tratamento de Sam Tarly ao greyscale ter sido um sucesso. Às vezes, apenas é preciso ler os livros e seguir as instruções para resolver um problema. Sam sofre um castigo ligeiro e Jorah vai ter com a sua amada Daenerys para ser mais uma vez friendzoned.

Voltamos a Dragonstone por breves momentos onde Dany quer mesmo sair com os seus dragões e pegar fogo a tudo e todos, mas ninguém alinha com a ideia. Tyrion fala do plano para ocupar Casterly Rock, e vemos que os Unsulied conseguem cumprir o seu objetivo facilmente. No entanto, encontraram um número de soldados mais pequeno do que o esperado e são atacados de surpresa pela frota de Euron Greyjoy. Ainda estou a questionar como é que o Bran levou dois episódios a ir da Muralha até Winterfell de carroça e Euron consegue dar a volta ao continente de Westeros de barco no mesmo episódio.

O verdadeiro exército dos Lannister estava a caminho de Highgarden para combater contra os Tyrell, e foi uma batalha tão fácil que nem mereceu ser mostrada. Aparentemente, Casterly Rock já não tem muito valor, por isso os Lannisters não se importam que seja ocupada por uns tempos. Jaime tem uma última conversa com Olenna Tyrell, uma senhora que é nenhuma santa, mas nada comparado com a Cersei. Jaime julga que isto é só uma fase e que ela vai voltar ao normal após o fim da guerra. Seu pobre tolo…

Jaime dá a Olenna um veneno que lhe oferece uma morte sem dor. Depois de beber o veneno, ela admite a Jaime que foi ela quem planeou a morte da besta do Joffrey no Purple Wedding durante a 4ª temporada. Não estranhava se o Jaime a tivesse atirado da janela abaixo logo depois de ouvir isto, mas acho que não iria mudar nada. E com isto, a vovó Tyrell despede-se com toda a pinta do mundo.

Então e vocês? O que acharam do terceiro episódio da sétima temporada de Game of Thrones? Não se esqueçam de comentar e cá estarei de volta em breve para falar do quarto episódio, “The Spoils of War“.


Sérgio Batista

Escolhido da 'pug life' que gosta sempre de arranjar jogos novos para a PS2. Cosplayer casual, tira fotos em demasia nos eventos.

More Posts

Follow Me:
FacebookYouTube

Sérgio Batista

Escolhido da 'pug life' que gosta sempre de arranjar jogos novos para a PS2. Cosplayer casual, tira fotos em demasia nos eventos.