Análise – NBA 2K17

Até agora NBA 2K tem vindo a manter o seu reinado no que aos jogos de basquetebol e desporto diz respeito, em parte devido à ausência de concorrência de peso. Este ano, com NBA 2K17 temos um regresso pouco evoluído, mas igualmente bem feito, com pequenas afinações necessárias que fazem…

Análise – Titanfall 2

Depois de uma primeira experiência que ficou aquém das expectativas, Titanfall 2 tinha muito para melhorar de forma a conquistar grande parte do público que se sentiu alienado com o primeiro jogo da série. Tenho boas notícias, Titanfall 2 é sem dúvida alguma a sequela que esperávamos pela positiva. Desde…

Análise – Skylanders: Imaginators

Skylanders está de volta para mais uma aventura e depois das corridas vem a possibilidade de criarem o vosso próprio Skylander, mais propriamente o vosso Imaginator. Para criarem o vosso próprio Skylander vão precisar de um objecto no mundo real: um creation crystal ou uma das suas variantes. Cada um…

Análise – Mafia III

Mafia III é um jogo que carrega algum peso com o seu nome. Se perguntarem a qualquer pessoa que tenha jogado um dos antecessores qual a melhor parte do jogo, a resposta será a história. Pelo menos foi o que apurei das várias conversas que tive. Quando Mafia III foi…

Análise – Bioshock: The Collection

Ainda não tinha eu entrado oficialmente para a indústria dos videojogos, quando o primeiro Bioshock apareceu um pouco do nada para ser recebido com grande pompa e circunstância. Na altura não percebi bem o porquê, pois nem era um tema que me agradava. Com o passar dos anos, vi chegar…

Análise – WRC 6

Durante vários anos, WRC teve o caminho totalmente aberto para poder dominar o panorama do que são os jogos de Rally e corridas em todo o terreno. No entanto, este ano ficou marcado com o regresso de Dirt Rally num formato “final”, o que levantou a fasquia do género. Com…

Análise – FIFA 17

A primeira ronda já lá vai e algum tempo depois de PES 2017 ter chegado às nossas mãos para análise, eis que é a vez do FIFA 17 ter o seu lugar de destaque. Tal como mencionei na análise do rival, no ano passado, PES 2016 foi para mim o…

Análise – Forza Horizon 3

Depois de terem lançado um novo capítulo de Forza Horizon na Xbox One, esta foi a altura perfeita para a Turn 10 Studios e a Playground Games aperfeiçoarem esta fórmula que teve grande sucesso no passado. Forza Horizon 3 é o jogo de que vamos falar então, que não só…

Análise – PES 2017

Chega o Verão ao fim, regressa o futebol e com ele também a nova temporada de futebol digital disputada entre os suspeitos do costume, PES e FIFA. O ano passado, entre os dois, PES foi aquele que mais me conquistou e que elegi como o meu favorito no que toca…

Análise – Destiny: Rise of Iron

A mais recente expansão de Destiny traz consigo muito pouco conteúdo mas imensa qualidade. O meu dilema para com Rise of Iron está mesmo no facto de a Bungie querer fazer passar um DLC por expansão e passo a explicar o porquê: Antes de The Taken King foram lançados dois…

Análise – Deus Ex Mankind Divided

Existem jogos que despertam o interesse pelos gráficos, outros pela jogabilidade e ainda há até aqueles que usam o corpo esbelto das personagens para poderem atrair a atenção de uma determinada corrente de jogadores. No caso de Deus Ex, Human Revolution (o jogo anterior), este conseguiu despertar o meu interesse…

Análise – Attack on Titan: Wings of Freedom

Após a adaptação para anime de Shingeki no Kyojin, a popularidade deste subiu exponencialmente, tornando-se de tal forma conhecido que toda a gente falava de Attack on Titan (e as convenções de anime e cosplay ainda hoje estão recheadas de cosplayers do anime, já para não falar de toda a…

Análise – Dead Island: Definitive Collection

A Techland ingressou no mundo dos zombies com o lançamento de Dead Island ainda em 2011 e criou uma boa quantidade de fãs graças a esta nova série. Este novo título deu uma oportunidade interessante aos jogadores de sobreviver a um pesadelo que inclui sobreviver a mortos-vivos numa ilha paradisíaca….

Análise – Deadlight: Director’s Cut

Depois de ter conquistado o PC e a Xbox 360 há quatro anos atrás, Deadlight vê agora receber uma nova injecção de vida para chegar num formato mais completo e que abrange as novas plataformas. Eis então que é lançado Deadlight: Director’s Cut, uma versão do jogo que traz um…

Análise – Heart&Slash

Há qualquer coisa de muito familiar assim que se começa a jogar Heart&Slash, é mais um Dungeon Crawler mas com um tema robótico. Através do tutorial temos acesso à pouca história existente, há muito tempo inventaram robôs, eles passaram-se dos CPU’s e agora só restam eles no mundo, ou pelo…

Análise – Ziggurat

Ziggurat é um jogo que decidiu misturar fantasia com Dungeons numa visão em primeira pessoa, parece uma mistura estranha mas a verdade é que funciona. Ziggurat pode mesmo ser considerado um vício, e se não tiverem cuidado irá consumir-vos bastante tempo. Apesar de ter sido lançado originalmente em 2014 para…

Análise – The Technomancer

Se me pedissem para descrever The Technomancer numa palavra, ela seria “Socorro”. Com cada trailer que foi sendo lançado o meu interesse pelo jogo aumentava, e quando finalmente chegou o dia de experimentar este RPG tão promissor todas as minhas expectativas foram destruídas, pouco a pouco o meu sorriso foi…

Análise – Mirror’s Edge Catalyst

A caminhada de Faith pode não ser muito longa, mas já está a ser feita há mais anos do que muitos imaginam ou contaram sequer. O original, lançado em 2008, foi uma espécie de patinho feio, um jogo entre gerações que não conseguiu agradar a todos. Felizmente para muitos como…

Análise – One Piece: Burning Blood

Até agora, os jogos mais recentes de One Piece dedicados às consolas de topo, tinham passado quase sempre por algo próximo dos jogos ao estilo Dynasty Warriors. Fosse com Pirate Warriors ou até com o Unlimited World R, o mais RPG dos dois. Com One Piece: Burning Blood, a coisa…