Análise – Pandora’s Tower

Há uns anos atrás, eu não ligava nenhuma à minha Nintendo Wii. Aliás, só acabei por ter uma porque a minha família queria jogar Just Dance durante os convívios familiares (se alinhei ou não em dar uns passos de dança fica em segredo). Contudo, foi esta a consola que me…

Análise – Cube Life: Island Survival

Cube Life Island Survival é o meu mais recente tormento, muito sucintamente este jogo é uma cópia de Minecraft mal feita, e estou a falar da versão de consolas de Minecraft. Desde logo o menu dá-nos a escolher de entre 2 opções de jogo, survival e creative. Em survival somos presenteados…

Análise – Mario Kart: Super Circuit

A Nintendo criou uma fórmula de génio com o seu enorme leque de personagens ao inaugurar a sério Mario Kart. Esta começou na Super Nintendo, explodiu em popularidade na Nintendo 64 com Mario Kart 64 e continuou esta aventura de títulos de sucesso até aos dias de hoje. Mesmo assim,…

Análise – Don’t Starve: Giant Edition

Para começar, o nome Don’t Starve é uma “óptima” introdução para aquilo que nos espera, e se são daquele tipo de jogadores masoquistas que não se importa de “levar na boca”, então são bem capazes de gostar deste. O jogo já foi lançado noutras plataformas anteriormente mas agora chega à…

Análise – LEGO: Jurassic World

Enquanto existirem jogos e filmes que podem vir a dar em jogos, vão estar cá para nós os jogos da LEGO. Agora que já foram recriadas dezenas de franchises, porque não aproveitar o lançamento de Jurassic World para recriar a saga? É essa mesma a proposta de LEGO: Jurassic World, no…

Análise – Yoshi’s Wolly World

Um mundo lãzudo, colorido e cheio de perigo. É isso que podem esperar ao entrar neste universo tricotado pela Good Feel e Nintendo. A Good Feel já tinha mostrado que sabia trabalhar com tecidos em Kirby’s Epic Yarn, mas Yoshi’s Woolly World mostra-se um jogo muito mais cativante. Ao contrário…

Análise – Kirby’s Epic Yarn

Quando Kirby’s Epic Yarn foi lançado originalmente na Wii em 2010 eu fiquei bastante interessado, não só por se tratar de um jogo de Kirby, mas porque era diferente de tudo aquilo que já tinha visto. Agora que a Wii U começou finalmente a receber jogos da Wii na sua…

Análise – Paper Mario

Numa jogada que poderá ser considerada por muitos como genial, a Nintendo voltou-se em grande para os RPGs em 1996 com o lançamento de Super Mario RPG na Super Nintendo pelas mãos da Squaresoft – conhecida hoje em dia como Square-Enix – e o resultado disso foi uma experiência sem…

Análise – Ultratron

Jogos Indie normalmente não me dizem muito, do grande universo composto por centenas e centenas de jogos lançados todos os anos, apenas uma mão cheia me conseguiu prender o interesse. Quando olho para jogos como Journey ou Flower, é a arte do jogo que me envolve, se estivermos a falar…

Análise – Splatoon

Afinal de contas o que é que passou pela Nintendo que os fez pensar que um jogo de tiros na terceira pessoa faria sentido na Wii U? Bem, eu não sei. Mas uma coisa é certa, Splatoon é muito provavelmente o jogo que melhor segue as pisadas de Mario Kart…

Análise – Affordable Space Adventures

Affordable Space Adventures começa quando no futuro a empresa Uexplore se lembra de implementar um conceito do nosso passado no futuro, a colonização. Com a descoberta de um novo planeta, a Uexplore aluga-vos uma nave espacial de exploração que ao chegar ao novo planeta vos dá algum tempo para explorar. E…

Análise – Elliot Quest

A geração actual de consolas tem sido marcada cada vez mais por sequelas, remakes, e remasterizações de jogos que já foram lançados há alguns anos, demonstrando que as produtoras correm menos riscos e preferem jogar pelo seguro. No entanto, também é a geração onde há uma maior abundância de jogos…

Análise – Trine Enchanted Edition

  Depois de uma sequela de grande sucesso, Trine Enchanted Edition chega como o remake do jogo original lançado em 2009, embora esta nova versão utilize a engine de Trine 2. O jogo é idêntico ao original, mas ainda mais bonito, aliás Trine já era um dos mais belos jogos até há data….

Análise – Punch-Out!

Punch-Out é uma série que apesar de se mostrar como muito forte e relevante na primeira década da Nintendo após o lançamento da NES, saltou algumas das plataformas da companhia japonesa, entretanto ganhou nova vida através da Wii com uma espécie de reboot que prometeu regressar às origens. O jogo…

Análise – Metroid: Zero Mission

Como fã que eu sou da série Metroid, sempre-me foi um pouco difícil jogar o primeiro título da série sem sentir uma espécie de dificuldade acrescida mesmo para um jogo da era das 8-bit. Sempre achei que este jogo sofria do síndrome Nintendo Power, onde grande parte dos segredos e…

Análise – Mario Party 10

Mario Party é uma das séries mais activas da Nintendo e que desde a Nintendo 64 que conta com mais de uma dezena de títulos. O seu ponto chave consegue atrair vários amigos à volta de uma televisão para jogar num jogo de tabuleiro virtual. Com o lançamento da Wii…

Análise – OlliOlli (3DS/Wii U)

Desde que foi lançado para a PS Vita no ínicio de 2014, OlliOlli já usufruiu de algum mérito, tendo tido uma recepção maioritariamente positiva por parte da crítica, uma sequela que saiu este mês, e até foi premiado este ano nos BAFTA como melhor jogo de desporto. O jogo da…