Análise – Helldivers

Helldivers é um jogo típico da Arrowhead Game Studios. Carregado de um humor bastante carcterístico, jogabilidade desafiante e desenhado para funcionar melhor em co-op do que se forem a jogar sozinho. Neste Twin-stick Shooter vocês controlam um Helldiver, um membro da força de elite da recentemente unificada Super Terra, cujo…

Análise – Dragon Ball Xenoverse

Os jogos de Dragon Ball são tão inconstantes como a meteorologia. Tão depressa dizem que vai fazer sol, como depois está a chover, e quando menos se espera, está um sol de rachar em pleno Inverno. Esta comparação pode parecer estranha, mas está bem próxima da realidade, afinal, estes são…

Análise – Under Night In-Birth Exe:Late

Ainda estou a recuperar de ter ficado tão positivamente surpreendido por Hyperdevotion Noire: Goddess Black Heart e os jogos pouco badalados voltam a surpreender. Já tinham passado vários dias desde que recebemos Under Night In-Birth Exe:Late para análise, mas este acabou por ficar perdido no limbo face a lançamentos mais…

Análise – Suikoden e Suikoden 2

Depois de uma era dourada nas 16-Bits com dezenas de JRPG que ficaram marcados na história e nas preferências de muitos jogadores, a era das 32-Bits viu uma evolução visual que trouxe vários jogos do género para o plano tridimensional. No entanto, os dois primeiros Suikoden resolveram permanecer fieis às…

Análise – Resident Evil HD Remaster

Em Março de 1996 a Capcom lançou um jogo que iria tornar-se num dos nomes mais conhecidos da indústria dos videojogos e que serviria como inspiração para os que se seguiram. Falo certamente de Resident Evil, uma das primeiras criações do produtor japonês Shinji Mikami. A maneira como entregou os…

Análise – Assassin’s Creed Rogue

Assassin’s Creed Rogue era o jogo que eu mais queria ver, não sabendo que o queria. Para mim, foi uma surpresa mais do que agradável, começando pelo facto de me ter desligado por completo das notícias, e devo também agradecer a Unity por ter roubado o palco, Assassin’s Creed Rogue apresenta-se como uma…

Análise – Kingdom Hearts HD 2.5 ReMIX

Depois do grande sucesso alcançado por Kingdom Hearts HD 1.5 Remix e com o aproximar do lançamento de Kingdom Hearts 3, era certo que os jogos seguintes iriam ser igualmente compilados numa colectânea. Assim sendo, Kingdom Hearts HD 2.5 ReMIX junta dois dos melhores títulos da série e ainda as cenas cinematográficas de Kingdom…

Análise – Hatsune Miku: Project Diva F 2nd

Se há coisa que o Japão já nos mostrou que sabe fazer é pegar em coisas a que poucas pessoas dão atenção e transformá-las numa mina de ouro. Uma espécie de Toque de Midas da indústria do entretinimento. Desenvolvido inicialmente para anúncios televisivos por uma parceria entre a Yamaha e…

Análise – Persona 4 Arena Ultimax

Quando olhamos para o mercado de videojogos e vemos séries a serem exploradas até ao tutano com resultados bem aquém do prometidos, é impossível não pensar em Persona. Vejam Persona 4, teve um jogo original lançado na PS2, depois Golden na PS Vita, duas séries de Anime, um teatro, jogos…

Análise – Dragon Age: Inquisition

Não existem grandes dúvidas que os senhores da Bioware conseguem criar grandes RPG. Seja no espaço, numa era medieval, ou até no mundo de Sonic, estes são alguns dos melhores exemplos de qualidade dentro do género. Apesar de Dragon Age Origins ter sido um jogo aclamado pela crítica e pelos…

Análise – WWE 2K15

No ano de 2006 um fenómeno aterrou Portugal. Os programas da WWE tinham altas audiências nos canais por cabo, em Dezembro desse ano o espectáculo ao vivo do wrestling chegava ao então chamado Pavilhão Atlântico e no top nacional das vendas em videojogos estava o clássico, da já extinta THQ,…

Análise – LittleBigPlanet 3

A série LittleBigPlanet é uma daquelas que já é sinônimo da marca Playstation. O primeiro jogo foi uma lufada de ar fresco e um dos grandes exclusivos da PS3, tendo enraizado o conceito Create, Share, Play. Depois de outros jogos, LittleBigPlanet 3 chega à PS4 e PS3 pelas mãos da…

Análise – Escape Dead Island

Como já devem saber, eu não sou um grande fã de jogos com Zombies, mas isso não quer dizer que não me divirta a fazer-lhes maldades de vez em quando. Quando Escape Dead Island foi anunciado, fiquei bastante curioso, pois parecia misturar algo como Legend of Zelda e Metroid, com…