Análise – FIFA 18 (Switch)

Desde que o Game Boy foi introduzido há mais de duas décadas que muitos continuam a sonhar com o dia em que seja possível levar para qualquer lado em formato portátil o mesmo jogo que podemos jogar nas plataformas caseiras mais poderosas. Curiosamente, a Nintendo Switch foi o mais próximo…

Análise – Fire Emblem Warriors

Plataforma: Switch Data de lançamento: 20 Outubro Fire Emblem Warriors junta a fórmula já bem conhecida de Dynasty Warriors da Omega Force e aplica-lhe um aspecto e funcionalidades típicas dos jogos de Fire Emblem. Se gostarem de jogos de Fire Emblem provavelmente irão gostar deste jogo, se forem fãs de Dynasty Warriors…

Análise – Pokkén Tournament DX

Eis que nos chega mais um jogo que se estreou originalmente na Wii U, desta vez é Pokkén Tournament que se apresenta na Switch na sua versão DX. Tal como Mario Kart 8 Deluxe, o jogo mantém-se praticamente o mesmo que o seu antecessor mas insere algumas novidades pelo meio…

Análise – Sonic Mania

Como muitos de vós, este ano a minha lista de jogos esperados é bastante longa, mas o jogo que liderava esta lista até então já chegou, e sim, é Sonic Mania. Para os que me conhecem ou que já estão a pensar que morri de amores assim que vi o…

Análise – ACA Neo Geo The King of Fighters ’98

A Nintendo Switch não arrancou com uma grande quantidade de jogos em mercado, no entanto, existia uma grande surpresa reservada para os jogadores mais saudosistas. Logo no lançamento foram disponibilizados vários jogos da linha ACA Neo Geo, ou seja, uma espécie de emulador das versões originais de cada jogo lançadas…

Análise – Splatoon 2

Splatoon foi sem sombra de dúvidas um jogo que cactivou imensos jogadores com uma Wii U e até alguns que não têm essa consola, assim quando Splatoon 2 foi anunciado, as expectativas estavam altas. Splatoon é um Shooter na terceira pessoa cujo foco é pintar o terreno, pelo menos no…

Análise – RIME

Quando RIME foi oficialmente revelado durante uma conferência da Sony na E3, poucos foram aqueles que não ficaram curiosos em relação a este jogo que parecia misturar elementos de outras referências dentro dos jogos mais Indie. Alguns anos depois, RIME chega não só à PS4, mas a quase todas as…

Análise – ARMS

ARMS é um daqueles jogos que custa a entranhar, mas poderá acabar por vos viciar durante algum tempo. Apesar de ser a mais recente IP da Nintendo, ARMS parece ter nascido na era da Wii, isto por utilizar um dos aspectos principais da consola em que está, e em simultâneo,…

Análise – Puyo Puyo Tetris

O género de construção de puzzles é um dos mais antigos da indústria e um dos maiores exemplos clássicos disso mesmo é Tetris. Lançado em dezenas de plataformas, formatos e spin-offs, Tetris tem como base uma mecânica intemporal que ainda hoje consegue manter os jogadores agarrados a ele. Por isso…

Análise – Lego City Undercover

Lembram-se quando a Wii U ainda estava nos seus primeiros tempos de vida e tudo levava a crer que iria ser um grande sucesso? Essa foi a altura em que estúdios como a TT Fusion começaram a criar jogos exclusivos que iriam apelar a uma audiência em crescimento. Como todos…

Análise – Mario Kart 8 Deluxe

Mario Kart 8 saiu originalmente em 2014 para a Wii U e foi um dos títulos que mais joguei na consola em questão. É uma estranha relação que se forma entre o jogador e Mario Kart, por um lado todos nos enervamos enquanto jogamos e vemos o nosso lugar a…

Análise – New Frontier Days: Founding Pioneers

O que é que aconteceria se os clássicos jogos de simulação de cidades e os jogos repletos de micro-transacções de gestão de cidades tivessem um filho? Provavelmente New Frontier Days: Founding Pioneers seja a resposta. O aspecto cartoon dos jogos mais recentes misturado com mecânicas que só tendem a ficar…

Análise – Fast RMX

Embora o género de corrida não seja o meu favorito, sempre tive espaço na minha lista para títulos como Gran Turismo, Burnout ou o clássico Wipeout. Se os dois primeiros são bem diferentes de Fast RMX, é uma verdade que é fácil ver aqui as inspirações em Wipeout e claro,…

Análise – Shock Troopers

Este clássico da Neo-Geo fez parte do line-up de lançamento da Nintendo Switch e até traz consigo mais do que eu esperava. Shock Troopers é um jogo arcada que pode ser mais facilmente descrito como um Metal Slug onde as personagens se movem e disparam em 8 direcções. Assim sendo…

Análise – Shovel Knight: Treasure Trove

Shovel Knight: Treasure Trove é uma colecção de Shovel Knight e que demonstra o quão boa a Nintendo Switch é enquanto consola, e desvenda a história de Specter Knight (que é mega awesome) e de Plague Knight (disponível anteriormente). Shovel Knight é dos meus jogos preferidos de sempre e já…

Análise – World Heroes Perfect

World Heroes é uma série que acompanho à bastante tempo, ou acompanharia caso esta ainda estivesse no activo já que o último lançamento da mesma ocorreu em 1995 e é esse mesmo título que está aqui em análise. World Heroes Perfect é então um jogo de luta que junta lutadores…

Análise – I Am Setsuna

Já longe vão os tempos dos RPG clássicos por turnos com visual retro e mecânicas por muitos apelidadas de antiquadas. Felizmente, ainda existem jogos como I Am Setsuna para alegrar fãs mais saudosistas como eu. I Am Setsuna já tinha sido lançado previamente em outras plataformas, por isso é bom…

Análise – Super Bomberman R

Bomberman está de regresso num jogo que parece ter parado no tempo. Super Bomberman R é um jogo clássico que não traz nada de novo para a mesa, contamos com um modo história e um modo multi-jogador com a experiência clássica de arena de Bomberman. O jogo tem um estilo…