Análise – Attack on Titan: Wings of Freedom

Após a adaptação para anime de Shingeki no Kyojin, a popularidade deste subiu exponencialmente, tornando-se de tal forma conhecido que toda a gente falava de Attack on Titan (e as convenções de anime e cosplay ainda hoje estão recheadas de cosplayers do anime, já para não falar de toda a merchandise disponível nas bancas e na Internet). Attack on Titan tem ainda hoje milhões de fãs, que anseiam pela segunda temporada do anime e acompanham o manga (eu sou uma delas).

Anteriormente, foi lançado um jogo para a Nintendo 3DS ,desenvolvido pela Spike Chunsoft  – Attack on Titan : Humanity in Chains, mas não esteve à altura da série e deixou imensos fãs desiludidos  No entanto, a história sombria, crua e intrigante da série captivou de tal forma os espectadores que a Omega Force se desafiou a si mesma e tentou recriar o universo de Attack on Titan em Attack on Titan: Wings of Freedom, e na minha opinião o jogo está muito bem conseguido e estão de parabéns.

attack-on-titan-wings-of-freedom-ana-review-pn-proximonivel_00007

Muita gente já conhece a sinopse do manga e do anime, ou a história em si. Mas para quem ainda não conhece, a história do jogo é igual à destes.

Em Attack on Titan: Wings of Freedom, a Humanidade encontra-se à beira da destruição, devido à enorme ameaça que os Titãs representam. Estes têm vários tamanhos diferentes e são seres que aparentam ser mutações grotescas de vida humana, cujo único objectivo é devorar humanos e destruir seja o que for. Encurralados, os humanos construíram três muralhas, cada uma com o nome de uma deusa: Maria, Rose e Sina. Um dia, um titã de tamanho colossal aparece do nada e forma um buraco enorme na Muralha do distrito de Shinganshina, uma pequena cidade que faz parte do interior da Muralha de Maria, com o intuito de deixar entrar o máximo de titãs possíveis de forma a causarem o caos dentro da Muralha.

Esta tragédia obriga a humanidade a retroceder e abandonar a Muralha de Maria, perdendo as suas casas e muitos perdem família e amigos. Durante este trágico dia, Eren Yaeger perde a sua família para os titãs e jura vingança, tendo a intenção de os matar a todos um dia. A história avança uns anos depois e vemo-nos na pele de Eren, saído da Academia Militar e pronto a lutar.

attack-on-titan-wings-of-freedom-análise-01-pn

O modo de história leva-nos desde o começo da primeira temporada do anime até ao seu fim. Como tal, para quem já viu o anime sabe o que acontece ao longo da história, mas no jogo conseguimos aprender mais sobre as personagens de Attack on Titan.

Durante o modo de história (Attack Mode) jogarão com várias personagens, dependendo dos acontecimentos (podem jogar com a Mikasa, Levi, Armin e desbloquear outras personagens para jogar no modo Online à medida que avançam na história). Cada personagem vai subindo de nível à medida que completam missões, acabando por desbloquear várias habilidades e itens que podem ser utilizados para fazerem upgrade às vossas armas e equipamento necessários para matarem Titãs.

O jogo consegue transmitir-nos bastante bem a sensação de mobilidade no ar e as dificuldades que as personagens sentem na série quando estão em combate, e senti alguma dificuldade quando tentava subir edifícios bastante altos, por isso é melhor tentar usar o Omnidirectional Maneuver Gear a alturas medianas (nem muito altas, nem muito baixas).

attack-on-titan-wings-of-freedom-análise-02-pn

Essas dificuldades sentem-se mais quando estamos a lutar sem edifícios ou árvores por perto, pois sem estes não conseguimos usar o nosso equipamento para nos movermos no ar e atacarmos os Titãs, sendo uma autêntica sentença de morte (e cavalos dão imenso jeito, acreditem! Especialmente neste tipo de situações!) . Tive de me certificar várias vezes de que tinha gás e mantimentos para continuar a lutar, e prestar bastante atenção aos meus arredores no jogo para não ser apanhada desprevenida por algum Titã.

Quanto às mecânicas, são um bocado complicadas de entender ao início, mas assim que se habituarem a estas vão ser autênticos profissionais e matar Titãs (e comê-los ao pequeno almoço)  como a Mikasa e o Levi. No entanto, isso não significa que o jogo seja fácil, porque não é de forma alguma. Prestem sempre atenção aos vossos arredores e tenham cuidado para que nenhum titã vos agarre os ganchos do vosso equipamento, vos coma ou coma um personagem importante, pois isso pode levar-vos à vossa derrota e a tornarem-se lanche para um Titã.

As mecânicas consistem em prenderem o vosso equipamento a membros de um Titã, voarem até ele e terem o timing perfeito quando os atacam, seja num membro deste ou no pescoço. Parece simples, mas na realidade não é bem assim: Os ganchos só se aguentam durante um determinado tempo (por isso sejam precisos) e podem chegar a partir se forem descuidados. Podem sempre tentar matar logo o Titã, ou cortar-lhe os membros e arranjarem mais materiais. Após os primeiros capítulos, a coisa complica-se, pois há Titãs que só morrem se conseguirem cortar certas partes do corpo destes, e aí sim conseguem cortar-lhe a nuca. Os mantimentos não são infinitos, e precisam de ir reabastecendo gás, lâminas e vida se tal for necessário.

attack-on-titan-wings-of-freedom-ana-review-pn-proximonivel_00004

Cada capítulo tem várias missões que têm de ser cumpridas de forma a poderem avançar na história, e muitas destas obrigam-vos a completar vários objectivos ao mesmo tempo. Terão de intercalar o vosso tempo entre o objectivo principal e ajudar camaradas que precisam da vossa ajuda. Ajudá-los é uma mais-valia, já que estes vos podem dar mantimentos e juntarem-se à vossa equipa, tornando-a mais forte.

Os gráficos de Attack on Titan: Wings of Freedom estão excelentes, e podem ser comparados aos de Naruto. Os personagens e Titãs estão idênticos aos do anime e do manga, e apesar de haverem algumas quebras na frame-rate, o jogo tem bastante fluidez.

No entanto, houve algumas coisas que me irritaram um pouco durante as missões:  Quando acontecem determinadas coisas  (como por exemplo, surgir uma missão nova) ou passamos à fase seguinte as vossas acções continuam apesar do ecrã mostrar a cutscene, colocando a vossa personagem em risco e consequentemente, a missão. Aconteceu-me várias vezes e fiquei bastante desagradada com isso.

attack-on-titan-wings-of-freedom-análise-03-pn

As vozes e o áudio estão extremamente bem conseguidas e só é pena que também não tenha as vozes em inglês, mas é compreensível dado que o jogo saiu há cerca de seis meses no Japão e já o temos disponível.

O modo Online é bastante giro e divertido, e pode ser usado para grinding (podem arranjar itens bastante úteis para melhorar o vosso equipamento a troféus e biografias de personagens). Trata-se de um modo onde podem fazer expedições e buscas de mantimento e materiais, onde podem completar várias missões com os vossos amigos e ver qual de vocês é o melhor.

Attack on Titan: Wings of Freedom é uma das melhores transições de anime para o mundo dos jogos que já vi, e posso dizer que não estava à espera. No geral, está tudo muito bem conseguido com alguns pequenos erros que podem ser corrigidos no futuro e como a grande fã de Attack on Titan que sou, sinto-me bastante satisfeita com o jogo. Se são fãs da série, certamente irão adorar Attack on Titan: Wings of Freedom. Se ainda não viram a série mas gostavam de dar-lhe uma oportunidade, então joguem o jogo e não se irão arrepender!

Positivo

  • Modo de história bem conseguido e diversificadopn-recomendado-2016
  • Mecânicas excelentes que conseguem simular o que as personagens vivem no anime
  • Gráficos excelentes
  • Modo Online bastante divertido

Negativo

  • Vozes apenas em japonês
  • Acções continuam mesmo quando estão numa cutscene de um checkpoint…
  • …Colocando assim a vossa missão em risco

 

pn-muito-bom-2016-3

Adriana Silva

Fã de videojogos, especialmente RPGs, Visual Novels e jogos de ritmo. Gosto de anime, light novels e séries de televisão. Devido à escolha de Steins;Gate, vim parar a esta linha temporal. Cosplayer de coração, aspiro ser uma grande treinadora de Pokémon. (pelo menos melhor que o Ash…) Se isso não der certo, contento-me com governar Hyrule ao lado do Link.

More Posts - Website

Share

You may also like...