Antevisão – Puppeter

Se há algo pelo qual esta geração ficou marcada foi pelas experiências visuais inéditas. Depois de uma procura desgarrada pelo melhor motor gráfico no início da geração, agora, o tema visual consegue ter ainda mais força.

Puppeteer é um dos grandes novos exemplos desta corrente, onde o tema define a jogabilidade, pois embora traga à memória LittleBigPlanet, Puppeteer é bastante diferente e original.

A nossa versão de antevisão permitiu-nos explorar os primeiros momentos no mundo de Kutaro, um rapaz aprisionado no castelo do Moon Bear King, uma criatura terrível que domina este mundo e que o controla com uma tesoura mística com o nome de Calibrus.

O mais engraçado é constatar que todo este jogo não passa de um teatro de marionetas e que a forma como é apresentado influência toda a jogabilidade e visual.

Puppeteer é essencialmente um jogo de plataformas no seu âmago que podem jogar com o Dualshock 3 ou com o Move, funcionando bem de qualquer uma das formas, mas sendo mais acessível com o comando normal, mesmo que seja necessário apontar a certas zonas do cenário em muitos casos.

Uma das características de jogo é a utilização de vários tipos de cabeças que Kutaro pode equipar. Cada uma destas cabeças dão origem a varias habilidades especiais, mas do que experimentei, eram normalmente dedicadas a interagir com o cenário, mais do que em combate contra os inimigos.

Para o combate está cá a tesoura de Kutaro que pode ser utilizada com diversas funcionalidades. Podem atacar directamente os inimigos com ela ou usá-la para cortar tecidos que servem como transporte na maioria dos cenários, sendo que a tesoura mantém Kutaro no ar enquanto estão a cortar.

Igualmente divertidos são os bosses do jogo que requerem normalmente a descoberta de um padrão e a utilização das tesouras para vencer. Um dos casos colocava a personagem em confronto com um capacete de uma armadura que tinha junções entre as armas que precisavam de ser cortadas para obter vantagem.

Visualmente e sonoramente Puppeteer foi feito de forma a simular uma peça de fantoches e a verdade é que consegue passar muito bem essa ideia com uma tela fixa onde o cenário vai sendo alterado à medida das necessidades, mudando os adereços da peça. Existe um apresentador que dá a voz à acção como narrador e podem ouvir o público a reagir com palmas, risos ou gritos de espanto. Mesmo que não pareça totalmente natural, faz todo o sentido.

Até agora tenho me divertido imenso com Puppeteer, a sua forma original de apresentar o mundo de jogo e fazer com que a jogabilidade se adapte é realmente interessante, mas quero mais habilidades e cabeças mais úteis na versão final.

Puppeteer chega em exclusivo à PS3 a 11 de Setembro. Podem contar com uma análise completa perto do lançamento do mesmo.

Daniel Silvestre

Fã de jogos, filmes, anime e coisas do género. Jogo desde que me lembro e adoro RPG. Tenho uma grande colecção deles que tenciono acabar. Talvez um dia no lar da 3ª idade.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebook

Daniel Silvestre

Fã de jogos, filmes, anime e coisas do género. Jogo desde que me lembro e adoro RPG. Tenho uma grande colecção deles que tenciono acabar. Talvez um dia no lar da 3ª idade.

  • Silver4000

    Pareceu-te grande o jogo?