Antevisão – Pokémon Mystery Dungeon: Gates to Infinity

Quem conhece a minha lealdade com a série Pokémon, sabe bem que não sou grande fã de jogos de Pokémon que vão muito além da série core clássica. Como tal, foi com alguma relutância que experimentei o novo Pokémon Mystery Dungeon na nossa viagem até à Nintendo Portugal.

O primeiro impacto que tive com Gates to Infinity foi certamente confuso. Comecei por jogar numa masmorra onde tinha vários Pokémon na minha equipa e tinha de percorrer alguns corredores de forma a chegar ao topo e conseguir convencer um Gurdurr a ajudar na construção de uma casa para a aldeia principal.

A movimentação pelos cenário é feita ao estilo de um Pokémon clássico, mas os combates não, tendo uma acção mais imediata. É possível escolher qual o ataque que vão usar e a habilidade especial de cada Pokémon, porém, o sistema de combate parece algo lento e nem sempre percebi qual era a minha altura de atacar e o porque dos outros Pokémon da minha equipa entrarem em combate caso em movimentasse o Pikachu.

Depois deste tutorial, pude visitar a aldeia e ser brindado com alguns dos diálogos mais longos que tenho memória em qualquer jogo de Pokémon. Felizmente, estes são claramente inspirados na personalidade de cada Pokémon, por isso, qualquer fã dos jogos principais como eu que goste de RPG vai conviver bem com estes longas discussões.

A cidade parece funcionar como um lobby que está ligado a diversas regiões onde vão explorar mais masmorras e descobrir inúmeras localizações de jogo para explorar e combater contra novos Pokémon.

O visual e som de Pokémon Mystery Dungeon: Gates to Infinity é aquele que podem esperar de um jogo da franchise. Os tons são coloridos e alegres e desde já, todos os Pokémon e elementos de cenário mais importantes parecem estar realmente bem tratados. Não usei o 3D em grande parte do tempo de jogo, mas a vista área parece pronta para beneficiar do visual aéreo da câmara.

Quando pus Pokémon Mystery Dungeon: Gates to Infinity de lado, senti que tal como grande parte dos RPG, vai ser preciso jogar mais do que uma ou duas horas para perceber se a Nintendo criou aqui uma boa opção para os fãs.

O resultado ficaremos a saber dentro de dias, quando Pokémon Mystery Dungeon: Gates to Infinity sair na Nintendo 3DS no dia 17 de Maio e realizar-mos a nossa análise final.

Podem ver também a nossa antevisão com jogabilidade comentada já de seguida:

Daniel Silvestre

Fã de jogos, filmes, anime e coisas do género. Jogo desde que me lembro e adoro RPG. Tenho uma grande colecção deles que tenciono acabar. Talvez um dia no lar da 3ª idade.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebook

Daniel Silvestre

Fã de jogos, filmes, anime e coisas do género. Jogo desde que me lembro e adoro RPG. Tenho uma grande colecção deles que tenciono acabar. Talvez um dia no lar da 3ª idade.

  • Guilhathorn

    Também só gosto do estilo clássico de Pokémon, os jogos que vão por este caminho aborrecem-me rapidamente…

    • Eu deixo em aberto para quando experimentar a versão final que já não falta muito 🙂

      • Guilhathorn

        Ainda não acertaram a fórmula certa para os dungeons, nenhum resultou bem na minha opinião. Mas não descarto a possibilidade de agora ser bom, nada disso

        • Nunca liguei muito aos anteriores por isso não sei, mas quando jogar este, logo vamos ficar a saber 🙂

          Cumprimentos!

          • Guilhathorn

            Yap xD

  • Silver4000

    A série Mistery Dungeon foi sempre algo confusa para mim em termos de gameplay :/

    Mas este parece estar um bocadinho diferente, foi é pena a maior parte do video ser conversa e não dar para ver o verdadeiro gameplay XD