Análise – Yo-Kai Watch Blasters: Red Cat Corps / White Dog Squad / Moon Rabbit Crew

  • Plataformas: Nintendo 3DS
  • Versão de Análise: Nintendo 3DS
  • Informação Adicional: Análise feita com base na versão Red Cat Corps e update 2.3. Imagens retiradas da loja digital da Nintendo.

A Nintendo e a Level-5 já não são estranhas, com a produtora a ter realizado vários projectos que foram distribuídos nas plataformas da velha e popular companhia. Yo-Kai Watch é uma série que ficou popular devido a ser um jogo de colecionismo semelhante a Pokémon mas com ar de estar mais virado para crianças, sendo que esta nova entrada é um spin off baseado num dos minijogos que esteve presente no segundo jogo da série.

Yo-Kai Watch Blasters está dividido em dois jogos, Red Cat Corps e White Dog Squad, com a diferença principal a ser os tipos de Yo-Kai que os jogadores podem colecionar entre as duas versões do jogo. Antes de iniciar a análise ao jogo a versão 2.3 do mesmo já estava disponível, trazendo assim consigo a expansão grátis Moon Rabbit Crew que apresenta uma nova história, novos Yo-Kai e outras novidades, aumentando assim a duração do jogo sem qualquer custo adicional.

A história de Yo-Kai Watch Blasters é bastante simples, o grupo já viu melhores dias e está sem ideias em como melhorar a situação, sendo que um Yo-Kai decide voluntariar-se para ajudar o grupo em questão, fazendo com que o mesmo aceite várias missões e ajudem outros Yo-Kai que estejam com problemas. Não há muito por onde pegar por um jogo que segue este formato simple, sendo que a história não é o ponto mais importante deste jogo mas sim a colectânea de mais Yo-Kai.

Esta é feita ou através de moedas num sistema de gachapon (sendo também possível usar as moedas do street pass), ou durante as expedições onde o jogador ao derrotar Yo-Kai inimigos por vezes terá a oportunidade de os “capturar” através de um pequeno minijogo, juntando-os à equipa para os poder utilizar em combate ou de outras maneiras.

Entre missões o jogador encontra-se na sua base que serve como hub para o jogo, sendo possível comprar itens, mudar a equipa e até, obviamente, aceitar missões e sidequests. Em campo é possível ter até 4 Yo-Kai, sendo então também possível jogar até 4 jogadores via online. Cada Yo-Kai pode equipar dois itens, com um dos slots dedicados a armas ou equipamento e o outro dedicado a itens especiais.

Os Yo-Kai estão divididos entre quatro tipos de classe, Fighter ; Healer ; Ranger ; Tank. Cada Yo-Kai possui habilidades diferentes mesmo que estejam dentro da mesma classe (excluído os healers que terão sempre uma habilidade curativa), existe um ataque normal e depois dois especiais, incluíndo um ataque final que é diferente para cada Yo-Kai.

O objectivo de cada missão varia mas sem grandes opções por onde escolher, o jogador ou necessita de eliminar certo número de inimigos ou colecionar itens pelo mapa. É uma quantidade de objectivos bastante limitada ao ponto de até nem ser necessário concluir a 100% cada missão para o jogador poder sair e dar a mesma como completada. Mesmo que este esteja dividido entre missões principais e secundárias não existe diferença entre ambas e isto incluíndo as boss battles, obrigando o jogador a repetir o mesmo formato durante um bom par de horas.

Fora das missões é possível aumentar o nível dos Yo-Kai através de pontos de experiência coleccionados em campo ou ao completar missões. Aumentar de nível faz os Yo-Kai mais fortes mas existe mais para além disso, sendo possível evoluir os mesmos ou até fundir caso os requisitos sejam cumpridos. Isto oferece mais variedade no que toca aos tipos de Yo-Kai que são possíveis encontrar, embora se o jogador queira mesmo colecionar todos os Yo-Kai então terá que passar um bom tempo por de volta do jogo.

Não existe muito a fazer fora destas missões, o jogo conta com um modo free roam em mapas já visitados para o jogador passar o seu tempo a colecionar mais Yo-Kai e a ganhar experiência, e também um modo street pass onde os jogadores podem enfrentar outros jogadores, mas no geral o jogo não conta com mais nada para apresentar. De forma irónica, este jogo que é baseado num minijogo, necessitava de uns quantos minijogos ou de mais funções online para o tornar menos monótono.

Apesar de ter uma jogabilidade simples o jogo é engraçado, especialmente se estiverem a jogar com outras pessoas, embora seja raro encontrar alguém no modo online. Em termos de conteúdo adicional ou história o jogo não tem muito para oferecer, sendo que o foco está mais virado para a grande quantidade de Yo-Kai que estão disponíveis para colecionar, apesar de ser necessário uma enorme dedicação para o fazer.

Em termos técnicos a banda sonora não se destaca, possuindo temas bastante mundanos e facilmente esquecíveis. No que toca aos gráficos, estes não estão maus, com o jogo a fazer o seu possível para as personagens terem um bom aspecto sem destacarem em demasia os seus polígonos. Quanto aos Yo-Kai, alguns tem aspectos interessantes enquanto que outros não tem grande inspiração.

Yo-Kai Watch: Blasters é uma tentativa de tornar um minijogo em algo maior, excepto que a equipa por detrás do mesmo esqueceu o motivo pela qual este era originalmente um minijogo. Em pequenas quantidades tem imenso para dar e vender, mas ao tentar a sua sorte num prato maior esqueceu-se de o encher para oferecer algo mais aos fãs.

Positivo:

  • Grande quantidade de Yo-Kai para colecionar
  • Expansão grátis com novo conteúdo

Negativo:

  • História demasiado simples
  • Jogo não tem muito para oferecer

Mathias Marques

Editor oficial desde Agosto 2014 Para além de videojogos também gosto de anime. Podem ver-me a apregoar sobre ambos os assuntos no site em forma de notícia, artigo ou análise. Tenho a sorte de encontrar momentos parvos enquanto estou a jogar, ou de os criar eu mesmo.

More Posts

Follow Me:
TwitterYouTube

Mathias Marques

Editor oficial desde Agosto 2014 Para além de videojogos também gosto de anime. Podem ver-me a apregoar sobre ambos os assuntos no site em forma de notícia, artigo ou análise. Tenho a sorte de encontrar momentos parvos enquanto estou a jogar, ou de os criar eu mesmo.