Análise – The Shape of Water (por Rui Santos)

Nomeado para 13 óscares e já vencedor de inúmeros prémios, The Shape of the Water é o filme mais aclamado de Guillermo del Toro desde Pan’s Labyrinth, de 2006. Este leva-nos ao início dos anos 60, em Baltimore. A Guerra Fria e a rivalidade entre americanos e russos servem de pano de fundo a uma história que junta características de um conto de fadas a um contexto histórico real.

No seu centro está Elisa (Sally Hawkins), uma empregada de limpeza muda que trabalha num laboratório do governo. É lá que esta encontra uma criatura, interpretada por Doug Jones e certamente inspirada pelo monstro que dá o nome ao filme Creature from the Black Lagoon, com a qual vai formando uma relação. No resto do elenco encontram-se Zelda (Octavia Spencer) e Giles (Richard Jenkins), amigos de Elisa, o cientista Robert Hoffstetler (Michael Stuhlbarg) e Richard Strickland, o vilão encarnado por Michael Shannon.

O elenco do filme é excecional e todos os atores correspondem às expetativas. Michael Shannon faz o melhor possível com um vilão típico, um papel a que já está habituado, Octavia Spencer origina alguns dos melhores momentos de humor do filme, e Sally Hawkins e Richard Jenkins também fazem um bom trabalho e contribuem para a personalidade das suas personagens. Hawkins destaca-se pelo papel diferente que tem e pela maneira como usa expressões faciais e gestuais para se exprimir.

É por isso uma pena que estas sejam, no geral, tão genéricas e banais. Senti a falta de mais complexidade ou de desenvolvimento de algumas delas, de maneira a torná-las mais interessantes. Isto também porque a narrativa em si não é nada de novo e, apesar de o filme começar bastante bem, a certa altura é difícil estar imerso e preso ao que está a acontecer. Há aspetos demasiado previsíveis e uma falta de tensão onde esta deveria existir.

Não ajuda também a pouca subtileza existente no filme. Certos momentos iriam funcionar muito melhor se não fossem tão diretos, se não esfregassem na cara do espetador o comentário que estão a fazer. Há uma cena que envolve uma personagem bastante secundária, com a qual se encontra Giles, que dá uma volta de 180º ao rumo que leva tão rapidamente que é difícil levá-la a sério.

No entanto, não é só o elenco e o humor que se destacam. A banda sonora de Alexandre Desplat tem composições muito bonitas e as músicas antigas que são usadas ao longo do filme criam um ambiente interessante e agradável que encaixa bem nos cenários onde a ação decorre. Estes são excelentes, tanto a recriar os anos 60 como a contribuir para a atmosfera que é criada e a fazer-nos acreditar na história que vemos.

The Shape of the Water é um filme visualmente agradável, com algumas cenas especialmente bonitas. Estas avançam a um ritmo adequado e fluído, mesmo quando contrastam com as outras, como uma certa homenagem aos musicais antigos de Hollywood que não é executada perfeitamente, mas que se apresenta como um momento diferente e curioso sem ser discordante.

The Shape of the Water não surpreende e, tendo em conta todo o furor à sua volta e o seu potencial, a verdade é que me desapontou. Porém, não deixa de ser um bom filme. É bem conseguido em diversos aspetos e deverá agradar especialmente aos maiores fãs de Guillermo del Toro.

NOTA: Este artigo foi escrito por um membro da comunidade do PróximoNível. Se quiserem ter um artigo de opinião, análise ou outro género de artigo destacado no site, podem enviar o mesmo para um dos membros da equipa do site. Depois de aprovação final, este é publicado sobre alçada de um dos editores, mas devidamente identificado, dando créditos ao escritor do mesmo.

Sérgio Batista

Membro do PróximoNível desde 2015. Tira fotos em demasia durante os eventos.

More Posts

Follow Me:
TwitterYouTube

Sérgio Batista

Membro do PróximoNível desde 2015. Tira fotos em demasia durante os eventos.