Análise – Spyro Reignited Trilogy (Switch)

  • Plataformas: PlayStation 4, Xbox One, Nintendo Switch, PC
  • Versão de Análise: Nintendo Switch
  • Informação Adicional: 

O remaster da trilogia original de Spyro foi lançado no ano passado, e as recordações que eu tenho do jogo são os pequenos momentos em que peguei no jogo numa McDonald’s quando era pequeno e aquela vez em que emprestaram-me um dos jogos. E com este remaster finalmente pude jogar a série em modos na PlayStation 4 enquanto que outros fãs tiveram a oportunidade de pegar no jogo na Xbox One, mas o plano não era apenas lançar os jogas nestas duas consolas, sendo que um ano mais tarde eis que este chegar até à Nintendo Switch e PC.

Tendo em conta que o jogo já foi analisado quando o este saiu no ano passado, apenas irei focar-me na performance que a versão da Nintendo Switch tem em vez de fazer uma análise geral ao mesmo; podem ler a análise original para obter mais informação: Análise – Spyro Reignited Trilogy.

Tal como o nome indica, os três jogos originais de Spyro que foram inicialmente lançados na PlayStation One estão presentes nesta colecção e apresentam gráficos melhorados. Não são obrigados a começar pelo primeiro jogo, havendo a possibilidade de escolherem qual jogo querem jogar, podendo até trocar entre cada um mesmo sem os concluir. Enquanto que os visuais mantém-se iguais, o jogo apresenta uns pequenos problemas de performance que não estavam presentes nas outras versões (ou pelo menos na minha experiência com a versão PlayStation 4), embora não sejam algo que estrague a vossa experiência nem que vos convença a perseguir outra versão do jogo.

Experimentando tanto o modo portátil como o modo tv a consistência é igual nos dois, com o segundo e terceiro jogo a apresentarem alguns soluços durante os loadings e o terceiro a demorar um pouco mais a iniciar quer estejam no modo portátil como no modo tv. Um outro problema é os controlos, com os Joy Con a possuírem os botões demasiado perto uns dos outros, o que acaba por atrapalhar um pouco e a tornar a vida difícil quando querem realizar uma acção mas acabam por fazer outra.

Fora disso o jogo não tem nenhum problema grave ou que não estivesse presentes nas outras versões. Podem tanto escolher a banda sonora original como a nova, algo que já estava disponível nas versões anteriores bem como a opção de desligar o motion blur caso este não seja do vosso agrado. Apesar de a Switch ter um modo portátil e até um ecrã táctil esta versão do jogo não apresenta nenhuma opção que faça uso do ecrã táctil.

Mesmo tendo uns bons anos em cima, Spyro é um bom jogo de plataformas que todos podem saborear, e este remaster faz um belo trabalho ao trazer a trilogia até à geração actual. Se estão com dúvidas sobre qual versão querem escolher, a versão da Nintendo Switch tem algo a mais que não vão encontrar nas outras consolas, a possibilidade de levarem o jogo (e a consola) convosco.

Positivo:

  • Possibilidade de jogar no modo portátil

Negativo:

  • Tamanho dos Joy Con podem atrapalhar por vezes

Mathias Marques

Editor oficial desde Agosto 2014 Para além de videojogos também gosto de anime. Podem ver-me a apregoar sobre ambos os assuntos no site em forma de notícia, artigo ou análise. Tenho a sorte de encontrar momentos parvos enquanto estou a jogar, ou de os criar eu mesmo.

More Posts

Follow Me:
TwitterYouTube

Share

You may also like...