Análise – Sonic Forces

Sonic Forces é a mais recente aventura de Sonic the Hedgehog e apesar de não ser o melhor jogo do ouriço azul, também não é o pior. Quando olhamos para Sonic Forces é óbvio que este se trata de um produto baseado nos recentes sucessos do ouriço, mas como a Sonic Team não sabe assentar num estilo de jogo e melhorá-lo, o resultado é uma mistura de bons e maus momentos.

Ao contrário do que aconteceu até aqui, Sonic Forces opta por colocar os níveis à mercê da história, deixando para trás a estrutura de X actos por zona. Sem sombra de dúvidas que esta foi uma boa decisão que colocou uma maior variedade imediata sem mudar realmente o número de níveis, permitindo também a introdução de um fio condutor durante toda a narrativa, onde as várias personagens interagem através do diálogo durante os níveis. A história leva-nos a percorrer um mundo dominado pelo Eggman Empire através de 3 personagens jogáveis com 3 estilos de jogabilidade diferentes.

O 1º estilo é o Sonic moderno, níveis 2D/3D baseados na “boost formula”, basicamente os níveis consistem em acelerar e reagir rapidamente se quiserem chegar ao fim do nível com uma boa pontuação. Em 2º lugar temos o regresso completamente desnecessário do Sonic clássico. Não só temos níveis completamente desinspirados, como as físicas estão completamente desajustadas e não é divertido de se jogar. Sonic pode até trazer o drop dash de Sonic Mania, mas perdeu muito desde a sua aparição em Sonic Generations. Para piorar as coisas a própria história quase que ignora este Sonic e nunca senti que fosse realmente importante. Já agora, o Sonic clássico é de outra dimensão e não do passado como em Sonic Generations, estamos a começar a complicar o que deveria ser simples. Finalmente temos o 3º estilo de jogo, o avatar. Esta personagem pode ser criada pelo jogador de entre várias raças e cada uma delas tem o seu próprio bónus, utiliza uma arma baseada no poder de um dos vários Wisp e um grappling hook. Os níveis do avatar são também uma combinação de 3D/2D tal como o Sonic moderno.

Os níveis do Sonic actual são bastante divertidos, dei por mim a jogar estes níveis várias vezes e depois de percebermos como o jogo funciona torna-se numa experiência bastante apelativa. Tal como seria de esperar existem alguns caminhos secretos e o objectivo passa por manter-nos na rota mais rápida o que não é fácil. O incentivo a realmente explorar estes níveis está nos anéis vermelhos que estão de volta e existem 5 em cada nível. Conforme coleccionam estes anéis vão desbloquear novos níveis e coleccionáveis. Os níveis deste tipo são curtos, um pouco à imagem de Sonic Colors, mas nem de perto com o mesmo tipo de cuidado. Estes níveis nunca chegam a ter o mesmo impacto de outrora, são níveis divertidos mas não memoráveis. Algo que é uma novidade na série são as pequenas cinemáticas com QTE, estas aparecem em certos pontos e estão lá na dose certa, não se tornando em algo enfadonho e acabam por ser o que dá alguma identidade a estes níveis que por vezes são demasiado curtos para nos ficarem na memória.

Os níveis do Sonic clássico são extremamente desinspirados com a excepção do nível Death Egg, este consegue capturar muito bem a essência do original de uma forma nostálgica. O maior problema nem são os níveis, mas sim o controlo deste Sonic que é bastante estranho. Não só este Sonic não consegue manter uma velocidade elevada como tem a habilidade mágica de parar abruptamente, este é um problema transversal aos 3 tipos de jogabilidade mas que se faz sentir muito mais aqui, pois só acontece com esta frequência nas secções 2D. Não há razão nenhuma para este Sonic estar presente em Sonic Forces, a nostalgia nem sempre compensa e neste caso até prejudica, pois o que veio acrescentar é de má qualidade.

No que diz respeito ao nosso avatar este tem os seus níveis estruturados à imagem do Sonic actual, aliás muitas das secções são partilhadas nestes níveis. O avatar tem uma jogabilidade mais lenta, mas acaba por ser bastante divertido de se utilizar. O nosso avatar vai utilizar uma arma baseada num wisp e se encontrarem uma cápsula desse wisp nos níveis, podem também activar a sua habilidade. As diferentes armas complementam-se com esta habilidade pelo que armas que demoram mais a atacar, contam com habilidades mais rápidas de executar. É necessário ir trocando as armas para podermos explorar a totalidade dos níveis, uma vez que certos caminhos estão bloqueados a certas habilidades. Apesar de o nosso avatar nunca chegar a ter uma velocidade equiparada à de Sonic é um estilo de jogo que flui bastante bem e misturado com os restantes tipos de jogabilidade acaba por ser uma experiência agradável.

Finalmente existem níveis combinados onde jogamos com o Sonic moderno e o avatar. Estes níveis colocam-nos no controlo simultâneo dos dois e no fundo é como controlar uma só personagem com os poderes dos dois à nossa disposição, são níveis bastante divertidos e os melhores de Sonic Forces. No que toca aos Boss estes são muito parecidos entre si mas o pior de tudo é que o Boss final deste jogo, é uma piada de mau gosto, sendo uma cópia exacta do Boss final de outro jogo recente de Sonic.

Algo que eu não estava a conseguir entender, era como é que vamos de um Sonic Generations ou Colors, onde os níveis estavam muito bem conseguidos, e de repente estamos perante níveis que até são divertidos mas não estão nem perto da qualidade dos jogos anteriores. Não esquecer também que o jogo faz questão de não nos esquecer-mos que vem dos mesmos criadores de Generations e Colors. Ora bem, depois de alguma pesquisa, descobri que os responsáveis pelo design dos níveis são pessoas que nunca antes trabalharam nos jogos do ouriço azul, com a exepção do Lead Designer que trabalhou em Lost World. Resumindo, o marketing está excelente, pois foi a Sonic Team que realmente deu a cara pelos jogos Sonic Generations e Colors, já as pessoas são outra conversa. Isto segundo os créditos dos jogos.

O jogo tem 30 níveis principais, a contar com os Boss e mais alguns níveis extra. Se passarem só a história do jogo estão a olhar para uma aventura com cerca de 3 horas, no entanto este é um jogo que apela imenso ao jogador para voltar aos vários níveis através de um sistema de missões e recompensa. Podem também alugar avatares de outros jogadores se estiverem ligados à Internet e competir pelo melhor tempo.

Ocasionalmente vão também receber sinais de SOS que têm algumas particularidades, sendo a maior delas todas passar o nível em questão sem perder nenhuma vida. Depois existem variantes como ser obrigados a jogar com um avatar de outro jogador, ou fazer equipa com outro avatar.

O nosso avatar conta com um vasto leque de itens de personalização, quando completam uma missão são presenteados com até 6 itens novos e existe uma grande variedade, tudo isto a adicionar à raça da vossa personagem e alguns tipos de preset como orelhas redondas ou espetadas etc. Acaba por ser possível criar uma personagem única e a história faz do nosso avatar um bom personagem.

Apesar de estarmos perante uma história básica é bom ver que o tipo de narrativa está novamente a evoluir para algo um pouco mais estruturado. As narrativas de Sonic Generations, Colors e até de Lost World deixaram bastante a desejar, parecendo apenas pequenos sketchs idealizados para arrancarem sorrisos dos mais novos, ao passo que Sonic Forces tenta uma narrativa, ainda que salpicada com os sketchs de humor, mais épica.

Quando falamos em Sonic um aspecto positivo que surge quase sempre em conversa é a banda sonora e esta não é excepção. A banda sonora de Sonic Forces é bastante boa e de certa forma, diferente. Ao passo que os anteriores jogos tinham um tema principal cantado e este era complementado com as várias músicas de cada nível, em Sonic Forces existem várias faixas cantadas e assentam que nem uma luva nesta aventura. Como um todo a parte sonora de Sonic Forces é excelente, se bem que as músicas que acompanham os níveis do Sonic clássico, deixam imenso a desejar, o melhor que posso dizer sobre estas é que são tentativas de emulação de música retro dos temas dos níveis modernos.

Agora vamos falar da apresentação e aqui a minha opinião divide-se consoante as versões do jogo. Comecemos por falar da versão para a Nintendo Switch. Esta versão corre a 30fps estáveis com uma resolução de 720p o que resulta bem no modo portátil, já no modo TV a conversa é outra, existindo imensos serrilhados. Os 30fps não são suficientes para acompanhar um jogo rápido como Sonic Forces e os movimentos nas secções 2D tornam-se bastante difíceis de controlar. Por outro lado as outras versões que correm a 60fps não contam com este tipo de problemas e são mais agradáveis, no meu caso utilizei uma PS4 normal e o jogo correu lindamente, sendo um regalo para a vista nas secções que mostram o cenário em destaque. As secções 2D também parecem oferecer uma melhor noção de controlo com os 60 fps, apesar de o grande problema estar nas físicas da personagem.

Em termos de aspecto é um jogo extremamente colorido e cada zona tem uma identidade muito própria. Existem vários níveis e mesmo os que regressam têm uma estrutura nova, não sendo copy-paste de jogos antigos. O que há de melhor em Sonic Forces é mesmo o aspecto e banda sonora, o resto, é na melhor das hipóteses: medíocre.

Sonic Forces acaba por ser um daqueles jogos de Sonic que simplesmente existe. Mesmo os níveis do Sonic clássico têm alguns bons momentos e no geral é um jogo divertido. O facto de ser um jogo curto, mas com bastante incentivo para voltar aos mesmos através das missões e coleccionáveis irá agradar aos fãs e é para eles que Sonic Forces foi feito. Infelizmente Sonic Forces falha em cativar outros jogadores e o reflexo disso é a mediocridade que encontramos em toda a aventura, se não fosse pela fantástica banda sonora e boa performance das versões PC, PS4 e XBOX este seria um jogo de Sonic a deixar de lado.

Positivo

  • Banda Sonora
  • Aspecto geral do jogo
  • Níveis do Sonic moderno e Avatar conseguem ser divertidos
  • Imensas hipóteses para personalizar o avatar

Negativo

  • Sonic clássico com os piores níveis do jogo
  • Os níveis terminam sem deixar nada de único e memorável
  • Os controlos das personagens pioraram em relação aos anteriores jogos
  • Extremamente curto
  • Boss final é a maior desilusão desde Sonic 06

Alexandre Barbosa

Também conhecido como Tylarth, sou um grande fã de videojogos no geral e séries de TV.

More Posts

Alexandre Barbosa

Também conhecido como Tylarth, sou um grande fã de videojogos no geral e séries de TV.