Análise – Shadow of the Colossus [PS4]

Para muitos dos mais novos, um projecto da Team Ico é sinónimo de The Last Gaurdian. Para alguém que esteve por cá durante a era da PS2, ainda existem jogos como ICO e claro, Shadow of the Colossus.

Sendo uma das jóias da coroa da sua era, não é de forma alguma uma surpresa que tenha sido feito um Remaster para a PS3, que vinha de braços dados com ICO.

Agora que já existe o Remaster, para voltar a colocar Shadow of the Colossus na luz da ribalta, a Sony encomendou um Remake do jogo à Bluepoint Games, com tudo aquilo que já existia, mas uma boa dose de alterações visuais e estéticas.

Se não o conhecem, Shadow of the Colossus é um jogo de acção, plataformas, puzzle e exploração num mundo aberto, onde os inimigos são colossos gigantescos que precisam de ser derrotados para ressuscitar a amada da personagem principal.

A estrutura do jogo segue um composto linear onde é preciso descobrir a direcção onde está o colosso que se segue, explorar o melhor caminho, descobrir o paradeiro do inimigo, trepar por ele acima e espetar a arma nos sítios certos. Os colossos usam modelos e animações bem diferentes, sem contar que muitos necessitam que usem o cenário em redor para abrigo ou para os enganar.

A mudança para a PS4 faz com que Shadow of the Colossus fique muito mais bonito e agradável de se jogar. Os gráficos estão muito bons e o mundo mais pormenorizado e vivo do que até a nossa memória levava a crer. Além do mais, a fluidez está muito melhor e corre de uma forma quase perfeita. Podem também escolher se querem jogar a 4k ou com melhor framerate e activar ou desactivar o photo mode.

Tal como a versão original, Shadow of the Colossus também vive muito da sua mística e direção artística. Cada colosso e localização oferecem sempre algo novo, mesmo que o padrão seja muito similar e as cores sejam bastante sóbrias. Na PS4, com uma boa televisão e HDR ligado, este confere vários momentos bastante impressionantes e com a epicidade que merece.

Para quem já conhece o jogo como eu, Shadow of the Colossus não oferece um desafio enorme e até se acaba bastante depressa, mas o valor de repetição é altíssimo e existe mais do que uma forma de jogar o jogo, como tentar os melhores tempos que são somados a derrotar cada colosso. No geral, um novato demora cerca de 12 horas enquanto um veterano faz menos de metade do tempo.

Claro que não nos podemos esquecer da banda sonora, uma das melhores que existe na indústria. Perdi a conta às vezes que já a ouvi ao longo do anos e os rasgados elogios que costumo fazer quando falo com alguém que nunca o jogou ou também acaba por falar bem dela. É mesmo um marco na composição de temas de videojogos.

Tendo em conta o trabalho que foi feito em redor deste remake, Shadow of the Colossus na PS4 é ideal para quem nunca o jogou, ou jogou na velha PS2. O novo complemento visual, desempenho e fluidez fazem dele uma versão tão boa quanto a nossa memória faz querer. Os novatos vão poder jogar um dos jogos mais icónicos de sempre e um dos melhores exemplos de como um jogo artístico também consegue ser um jogo com elementos que estamos à espera de ver na indústria. Mais do que nunca, Shadow of the Colossus é um clássico incontornável e que todos devem jogar.

Positivo:

  • Visual impressionante
  • Fluidez cuidada
  • Jogabilidade afinada
  • Banda sonora
  • Impacto artístico

Negativo:

  • Pop ups do cenário
  • Nada de verdadeiramente novo

 

Daniel Silvestre

Fã de jogos, filmes, anime e coisas do género. Jogo desde que me lembro e adoro RPG. Tenho uma grande colecção deles que tenciono acabar. Talvez um dia no lar da 3ª idade.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebook

Daniel Silvestre

Fã de jogos, filmes, anime e coisas do género. Jogo desde que me lembro e adoro RPG. Tenho uma grande colecção deles que tenciono acabar. Talvez um dia no lar da 3ª idade.