Análise – Rokka: Braves of the Six Flowers (Vol. 1)

  • Volume: 1
  • Géneros: Acção, Aventura, Drama, Fantasia, Mistério, Romance, Shounen
  • Publicadora JP: Shueisha
  • Publicadora ING: Yen Press
  • Formato: Light Novel

Normalmente um anime serve para dar a conhecer uma série, e assim aumentar o volume de vendas do material original. Em alguns casos o público decide comprar o material original mesmo antes de ver o anime. E se o anime tiver sucesso as vendas e interesse no material original sobem imenso, mas por vezes obtém-se o resultado oposto.

A adaptação a anime para Rokka: Braves of the Six Flowers teve uma recepção mista. Não que a adaptação tenha sido má, mas os 12 episódios adaptaram apenas o primeiro volume da light novel, não sendo o suficiente para poder explorar o que o mundo e personagens tem para oferecer. No entanto o conceito deixou-me intrigado o suficiente para dar uma oportunidade à série.

 

SINOPSE

Seven Heroes gather to save the world—but the legends spoke of only six.

Long ago, the Evil God was sealed at the edge of the continent, where it lies in slumber. Each time it awakens, it threatens to plunge the world into hell, and each time, six powerful warriors are chosen to seal it away again. But now, as the cycle begins anew, the Crest of the Six Flowers marks not six Braves…but seven.

Hans, the mysterious assassin for hire. Mora, the elder of the All Havens Temple. Chamo, the young but deadly Saint of Swamps. Nashetania, the princess, and Goldof, the knight yearning to win her heart. Fremy, the girl with a dark past. And Adlet, the boy with a dream.

When the Braves of the Six Flowers realize one of their number is an impostor, hero will turn on hero in this exciting new series!

 

Ao contrário do que a impressão inicial dá a entender, Rokka: Braves of the Six Flowers não é tão virado para o género de fantasia, sendo que esse género acaba por ser apenas um setting. Rokka é um mistério com um conceito bastante simples, só podem existir seis heróis mas por alguma razão existem sete, um destes heróis é o traidor. Sendo que os nossos heróis precisam de descobrir o traidor e ao mesmo tempo cumprir o seu destino de salvar o mundo.

Tal como já disse, este volume serviu como base para os 12 episódios da adaptação a anime, e com isso acaba por sofrer dos mesmos problemas. Apenas uma ou duas personagens acabam por ser exploradas devidamente, isto incluíndo o protagonista da história. E o resto apesar de influenciar a história acabam por não ter o merecido destaque, continuando a serem estranhos para o público.

O mundo onde a história tem lugar recebe uma breve explicação, mas na maioria das vezes apenas sofre de referências a pessoas e locais que existem no mundo, sem explorar mais sobre o que tem para oferecer. Isto devido ao facto de no primeiro volume a história estar focada apenas em dois objectivos; a jornada até ao ponto de encontro, e o mistério por detrás do sétimo herói.

Apesar de estar mais virado para o mistério, Rokka não é um mistério que convida o público a desvendar a resposta ao mesmo tempo que o protagonista, mas sim um mistério que vive ao deixar todos na sombra sobre o que está a acontecer até ao momento da revelação final. Este tipo de mistério costuma funcionar, mas no caso deste volume não funciona bastante bem, uma vez que as personagens estão presas num lugar e passam metade do tempo em confrontos internos.

Disto isto, Rokka continua a parecer uma série interessante. As personagens e o mundo parecem ter muito mais para oferecer daquilo que já foi revelado, e cada novo volume promete ter um novo mistério. Tudo depende da forma em como o autor decide criar esses novos mistérios e se os consegue fazer funcionar com a exploração do mundo e personagens.

Mathias Marques

Editor oficial desde Agosto 2014 Para além de videojogos também gosto de anime. Podem ver-me a apregoar sobre ambos os assuntos no site em forma de notícia, artigo ou análise. Tenho a sorte de encontrar momentos parvos enquanto estou a jogar, ou de os criar eu mesmo.

More Posts

Follow Me:
TwitterYouTube

Mathias Marques

Editor oficial desde Agosto 2014 Para além de videojogos também gosto de anime. Podem ver-me a apregoar sobre ambos os assuntos no site em forma de notícia, artigo ou análise. Tenho a sorte de encontrar momentos parvos enquanto estou a jogar, ou de os criar eu mesmo.