Análise – Re:Zero kara Hajimeru Isekai Seikatsu

Hoje em dia, é raro encontrar novos animes que sejam originais e bastante detalhados, e isso acontece cada vez mais. Como tal, o pessoal procura cada vez mais algo novo e criativo. Por isso, quando animes como Re:Zero kara Hajimeru Isekai Seikatsu aparecem, algo que tem twists mórbidos mas únicos e que usa o género de fantasia/videojogo, ganha imensa popularidade e é bastante bem recebido pela comunidade. No entanto, não é por ser inovador que pode ser bem executado, pois também temos pontos fulcrais como um enredo detalhado e sólido, e um bom desenvolvimento das personagens. Isso faz toda a diferença e pode diferenciar um anime “bom” de um “excelente”. Agora a questão importante é: Será Re:Zero um “bom” anime, ou muito mais que isso? Eu acho que é excelente. (E não, não é por ter a Rem best waifu, que é totalmente badass e o desejo de qualquer homem e acaba por ser completamente rejeitada pelo protagonista… ela merece melhor!!)

Quanto ao enredo, nunca pensei vir a gostar tanto de um anime que tivesse um misto de temas que incluísse tanto um ambiente obscuro e psicológico, como um mundo de fantasia com um misto de alegria e cómico no meio. Aliás, não pensei que tal fosse possível, pelo menos que fosse bem conseguido como Re:Zero o consegue ser.

A história começa quando Natsuki Subaru é transportado misteriosamente de uma loja de conveniência para um mundo de fantasia. Sendo o otaku que é e que provavelmente sonhou com isso, fica completamente entusiasmado com o que lhe acontece.O que Subaru não espera é o facto de não ser nada de especial nesse novo mundo, e que após conhecer Emilia depois de esta o salvar de uns bandidos, começarão uma aventura juntos, que acaba de repente quando Subaru é morto.

Sim, o protagonista morre no primeiro episódio – mas não se aflijam, porque afinal Subaru tem um poder muito especial; chamado Return by Death.

Este poder apenas funciona quando Subaru morre e faz com que este volte atrás até um certo checkpoint da sua vida, e deve mudar o que lhe acontece de forma a seguir em frente. Como adoro time traveling, este foi logo um ponto muito positivo para mim.

Ao iníco estava receosa e o meu maior receio era eventualmente cansar-me do Subaru, a falhar constantemente e a voltar atrás no tempo para reviver as mesmas coisas vezes e vezes sem conta, mas provou que estava errada porque com cada vida nova, acontecem coisas diferentes e a história progride muito, às vezes de forma dramática e vão sendo revelados elementos interessantes dos quais não se tinha conhecimento anteriormente e que se tornam fulcrais para a história. Isso, juntamente com os arcos que se seguem, tornam a história mais empolgante.

Foi também devido a isso que me apercebi de um aspecto negativo do anime, pois o poder de Subaru torna-se um pouco overused e a salvação para quase tudo. Temos depois também certos acontecimentos importantes que são mencionados um ou outro episódio mas que depois nunca mais são falados, perdendo assim algum do enredo pelo caminho, que poderia ter sido melhor aproveitado.

A arte é soberba, bastante detalhada (especialmente as expressões faciais). As cores são muito vivas e brilhantes, o que traz mais vida ao anime. Infelizmente, a animação foi descendo em termos de qualidade à medida que o anime ia progredindo. Isso nota-se claramente nas cenas de luta. A CGI é horrível, mas felizmente raramente foi usada no anime.

A banda sonora é simplesmente fantástica e extremamente trabalhada, como o trabalho vocal e dão muito mais vivacidade e qualidade ao anime. Tanto os openings como os endings são lindos e gostei tanto dos mesmos que os tenho no telemóvel. O trabalho vocal de Yuusuke foi excelente, (o seiyuu de Subaru) conseguindo transmitir as emoções de Subaru de forma impecável.

As personagens parecem bastante genéricas ao início, mas à medida que o anime avança, as personagens evoluem bastante e tornam-se mais dinâmicas e mais únicas.

O Subaru não é um Kirito, longe disso. Não é invencível e a única habilidade especial deste é a Return by Death que apesar de lhe dar jeito, é também a razão de ele estar tão traumatizado. Ao início ele tenta aguentar e fingir que está tudo bem, mas à medida que vai usando mais a habilidade ele acaba por quebrar e cair no desespero e insanidade. É dos únicos personagens que age mais como um ser humano agiria nessas mesmas situações. Vão ter vontade de lhe dar um estalo ou dois? Sem dúvida, mas terão de compreender que o pobre rapaz já passou pela própria morte e de pessoas queridas demasiadas vezes, e já para não falar de que ele se redime mais lá para a frente.

A Emilia é bonita, querida e amorosa, ou seja, waifu material. O que mais gosto dela é o facto de ser muito independente e não precisar de nenhum homem para viver, chegando ao ponto de se separar de Subaru derivado de certas situações, por achar que é o melhor para ela. Isso mostra que ela sabe o que é melhor para ela e desenrascar-se.

Já a Rem é a minha personagem preferida, sendo uma personagem muito superior a Emilia. Quando a Rem aparece, a primeira coisa que faz é meter-se com o Subaru juntamente com a sua irmã Ram. À medida que a história avança, aprendemos imenso acerca da Rem.Não quero fazer spoilers, mas ela tem uma espécie de yandere badass combo mode em que passa de uma rapariga fofinha à mais badass que já vi. Ela apaixona-se por Subaru e é-lhe extremamente leal, e há momentos adoráveis entre os dois durante todo o anime. (só é pena que ele a rejeite…bem, ele é que perde!)

As personagens secundárias são bastante sólidas e posso dizer que não desgostei de nenhuma, e cada uma teve o desenvolvimento que merecia.

No geral, Re:Zero surpreendeu-me pela positiva. Se gostaram do que leram, dêem-lhe uma oportunidade, porque não se irão arrepender.

 

Positivo

  • Enredo excelente
  • Personagens bastante diversificadas e com bom desenvolvimento
  • Banda sonora bastante boa
  • Rem best waifu

 

Negativo

  • Return by Death é demasiado usado
  • CGI horrível
  • Pontos importantes do enredo mal aproveitados

 

Adriana Silva

Fã de videojogos, especialmente RPGs, Visual Novels e jogos de ritmo.
Gosto de anime, light novels e séries de televisão.
Devido à escolha de Steins;Gate, vim parar a esta linha temporal.
Cosplayer de coração, aspiro ser uma grande treinadora de Pokémon. (pelo menos melhor que o Ash…) Se isso não der certo, contento-me com governar Hyrule ao lado do Link.

More Posts - Website

Adriana Silva

Fã de videojogos, especialmente RPGs, Visual Novels e jogos de ritmo.
Gosto de anime, light novels e séries de televisão.
Devido à escolha de Steins;Gate, vim parar a esta linha temporal.
Cosplayer de coração, aspiro ser uma grande treinadora de Pokémon. (pelo menos melhor que o Ash…) Se isso não der certo, contento-me com governar Hyrule ao lado do Link.