Análise – ReLIFE: The Final Arc

  • Episódios: OVA – 4
  • Temporada: Primavera 2018 (Março)
  • Produtores: TMS Entertainment ; comico
  • Géneros: Romance, Slice of Life, Vida Escolar
  • Idades: +13
  • Adaptação: Web Manga

ReLIFE foi um dos animes que acabou por me surpreender durante a temporada de Verão de 2016. Na altura estava um pouco reticente com o que o anime me iria oferecer devido à sua premissa original, mas ainda antes de o anime estrear decidi ler a manga e a minha opinião mudou bastante. Quando o anime finalmente estreou fiquei contente com o bom trabalho que o estúdio fez com a adaptação tal como podem ver pela análise ao mesmo. Verdade que uma ou outra coisa foi deixada de fora devido à limitação de tempo por episódio, mas o essencial ficou presente na primeira temporada.

Com a manga a aproximar-se do fim tinha sido revelado que o anime ia receber 4 OVAs que viriam completar a história de ReLIFE, e é aqui que novamente fiquei preocupado, embora desta vez por outras razões. A primeira temporada do anime adaptou cerca de metade da história da manga, e 4 episódios finais não me pareciam muito para terminar a coisa como deve ser, a não ser que estes episódios extra fizessem o que outras OVAs costumam fazer e ignorassem os habituais 20 minutos por episódio, coisa que não chegou a acontecer.

Certamente estes 4 episódios deixaram-me com sentimentos mistos, por um lado fazem o trabalho de dar uma conclusão à história de Arata Kaizaki e Chizuru Ishiro bem como ao projecto ReLIFE, mas por outro lado deixam várias coisas de fora. O desenvolvimento das personagens, pacing, e uns bons pedaços de história estão ausentes destes episódios finais, com estes apenas a focarem-se em avançar a história a qualquer custo possível e focar-se na relação entre as personagens principais.

O maior problema acaba por ser o pacing, sendo notável a partir do final do primeiro episódio até ao último. Os eventos acabam por acontecer demasiado depressa e o salto entre um episódio para o outro acaba por deixar de lado vários acontecimentos que tiveram lugar ao longo do final do ano escolar das personagens e devido a isso as personagens que deviam receber desenvolvimento em certas partes não deparam com nada que as faça crescer. Enquanto que para muitas não era necessário, os protagonistas desta história bem que precisavam de enfrentar mais uma ou duas paredes para poder progredir em frente com uma nova resolução.

Basicamente o objectivo destes episódios finais é fazer o que por vezes muitos animes não tem a possibilidade de realizar, dar uma conclusão à história, mesmo que para isso tenha de sacrificar algumas coisas. Estes episódios extra conseguiram realizar esse objectivo ao centrarem-se exclusivamente na relação entre as personagens principais, algo que o consegue fazer bem e sem demoras. A conclusão da história nesse aspecto é satisfatória, mas a impressão de ter saltado alguma coisa pelo meio marca presença durante o percurso destes episódios.

ReLIFE foi e continua a ser um bom anime que merecia uma conclusão para a sua história, e estes capítulos finais vieram oferecer isso. Enquanto que o anime podia receber mais, estes episódios são melhores do que nada pois pelo menos oferecem algo mais para além da primeira temporada, sendo um luxo que alguns animes até bastante populares não tem o direito a receber.

 

Positivo:

  • Conclusão da história

Negativo:

  • Problemas de pacing
  • Falta de desenvolvimento para as personagens principais

Mathias Marques

Editor oficial desde Agosto 2014 Para além de videojogos também gosto de anime. Podem ver-me a apregoar sobre ambos os assuntos no site em forma de notícia, artigo ou análise. Tenho a sorte de encontrar momentos parvos enquanto estou a jogar, ou de os criar eu mesmo.

More Posts

Follow Me:
TwitterYouTube

Mathias Marques

Editor oficial desde Agosto 2014 Para além de videojogos também gosto de anime. Podem ver-me a apregoar sobre ambos os assuntos no site em forma de notícia, artigo ou análise. Tenho a sorte de encontrar momentos parvos enquanto estou a jogar, ou de os criar eu mesmo.