Análise – Pokkén Tournament DX

Eis que nos chega mais um jogo que se estreou originalmente na Wii U, desta vez é Pokkén Tournament que se apresenta na Switch na sua versão DX. Tal como Mario Kart 8 Deluxe, o jogo mantém-se praticamente o mesmo que o seu antecessor mas insere algumas novidades pelo meio que o tornam mais apetecível.

Para os mais distraídos, Pokkén Tournament é um jogo de luta que coloca alguns dos mais famosos Pokémon à bulha. No original existiam um total de 16 Pokémon e esse número aumentou para 21. Se por acaso tiveram a oportunidade de visitar uma arcada numa viagem ao Japão então até já poderão ter experimentado uma das novas personagens como é o caso de Empoleon ou Darkrai, mas se não tiveram essa sorte então agora é a vossa oportunidade. Ainda assim Decidueye faz a sua estreia como o único representante jogável da 7ª Geração.

Assim, desde logo, Pokkén Tournament destaca-se com novas personagens e, todas elas desbloqueadas desde o início. Foram também acrescentadas algumas equipas de suporte, como é o caso de Litten e Poplio. Estas equipas de Pokémon de suporte são utilizadas durante as lutas numa mecânica de ataque/buff único, são chamados com um botão e realizam uma acção pelo que não são personagens jogáveis. Em termos de arenas existe uma nova e todas as outras regressam, uma delas com um novo tema.

No fundo é o mesmo jogo de outrora mas com mais conteúdo.

Mas vamos então falar daquilo que mais interessa num jogo de luta. A jogabilidade está inalterada, continuamos a ter a batalha a decorrer em dois paradigmas alternados ou duas fases. Na Field Phase controlamos o nosso Pokémon num campo 3D, aqui os ataques à distância ganham primazia ou, no caso dos Pokémon mais rápidos, a habilidade de esquivar e atacar rápido é sem dúvidas a ideal. Normalmente durante essa fase é preciso encurralar o nosso adversário e efectuar um combo ou ataque poderoso, sempre que um destes acontece mudamos de fase. A outra é a Duel Phase e aqui o combate muda para um plano 2D. Torna-se de imediato mais fácil de compreender o jogo e é mais simples de executar alguns combos. No entanto para serem um mestre Pokémon vão ter que dominar os dois tipos de combate com cada Pokémon.

Cada Pokémon é único e tem um conjunto de combos com a sua própria forma de execução, ou seja, não existem combinações uniformes no jogo, cada Pokémon tem o seu próprio estilo e tipos de ataque. Apesar do básico de cada Pokémon ser essencialmente o mesmo, um botão para ataques normais, outro para ataques pesados, outro para ataques à distância e um botão que salta, a forma como cada um é efectuado difere imenso. Por outras palavras, qualquer jogador pode agarrar em qualquer Pokémon e safar-se após algumas experiências mas é preciso tempo para aperfeiçoar as técnicas de cada Pokémon.

De certa forma o jogo influencia o jogador a escolher o Pokémon que mais gosta antes de sequer saber como é que ele se comporta em combate e acaba por desafiar-nos a aprender a jogar com ele. Da 1ª vez que joguei, na Wii U, escolhi o Sceptile, este é um Pokémon relativamente rápido e ágil com um certo nível de complexidade na execução e timing dos combos. No entanto, desta vez, decidi escolher o Empoleon, desde logo é um Pokémon mais fácil de controlar já que exige menos perícia mas que continua a ser extremamente divertido e diversificado. Tive experiências bastante diferentes e isso é muito positivo num jogo como Pokkén Tournament DX. No entanto saibam que é possível alterar o Pokémon com que se aventuram na história do jogo ou seja na Ferrum League a qualquer momento. E finalmente neste ramo, algo que me incomodou foi o regresso da mesma história de Pokkén Tournament, se antes ainda existia algum mistério e recompensa por o concluir, agora ele apenas existe, não é interessante e está lá por estar, felizmente inseriram as missões neste modo e ao estilo de Super Smahs Bros, temos um painel com missões para cada nível da Liga Ferrum e se as concluirmos ganhamos um prémio, não são obrigatórias mas ajudam a diversificar o desafio.

De um modo geral a dificuldade do CPU está bastante equilibrada mas, não perdoa com certos combos. Os diferentes Pokémon tem diferentes combos mas para os fazer não é apenas uma questão de saber os botões correctos, exige timing e o timing é a diferença entre um combo que tira 1/5 da vida ou 1/2 barra de vida e a única maneira de escaparmos a um combo desse género é esperar que a fase mude ou irmos contra uma parede as vezes necessárias para o jogo dizer “Ok, já sofreste o suficiente pelo teu erro.” e dar-nos 1 segundo para respirar.

Pokkén utilzia também um sistema de pedra, papel, tesoura para saber que tipos de ataques cancelam ou inibem os ataques do adversário. Por exemplo, ataques normais cancelam grabs, mas não conseguem parar um contra-ataque com facilidade; da mesma maneira que um grab consegue parar um contra-ataque. Estas são regras básicas que devem ser aprendidas desde logo e o jogo oferece um modo tutorial para que consigam aprender.

Existe também um modo de luta em equipa que consiste em formar uma equipa de 3 Pokémon da vossa preferência e lutar contra outra equipa de 3. É um modo extremamente divertido por duas razões: A 1ª é mesmo porque é o mais próximo que alguma vez tivemos das grandes batalhas que podíamos ver no anime de Pokémon, sendo que os nossos Pokémon até transportam o dano de uma batalha para a outra e podemos escolher qual o Pokémon que vem a seguir; a 2ª é mesmo porque é o modo que transpira mais entusiasmo e acaba por obrigar o jogador a diversificar a sua maneira de jogar. Não esquecer também o modo de missão diária e que propõe um desafio diferente a cada dia com algumas recompensas.

Todas as possibilidades combinadas com as diferentes arenas dão um vasto leque de oportunidades aos jogadores. Mas não é apenas contra o CPU que jogamos, temos também os modos de combate local contra outros jogadores e online. No que toca ao local é possível jogar na mesma consola ou com duas Nintendo Switch. No online continuamos a ter os mesmos modos e problemas, sendo que para jogar com amigos temos que criar uma sala ou colocar um código de combate. Tal como no original enquanto esperamos podemos ir fazendo batalhas contra o CPU.

No modo Online podem também competir pelo Rank, e o jogo avisa desde logo que qualquer tipo de quebra de ligação será penalizado, por isso quer seja acidental ou propositado existe um sistema de penalização que é muito bem-vindo. Nos outros modos mais casuais é mesmo jogar pela diversão, o que é sempre agradável.

Agora é a vez de falar dos comandos e as formas de jogar Pokkén. Sendo muito directo, actualmente só existe uma maneira em que realmente me senti confortável a jogar, com o Pro Controller. Este é o único comando com as dimensões adequadas e em que não senti que a qualquer momento podia partir o comando, pois como qualquer pessoa habituado a jogos de luta sabe, quanto mais confortável e seguro é o comando, mais fácil é de executar combos. Ainda assim em alternativa podem jogar no modo portátil o que até nem é mau, continuamos a ter os botões pequenos e próximos de mais e ainda sentir algum deslize dos Joy Cons para com a Switch, mas em falta de melhor é o meu 2º método favorito. Já no que toca ao comando formado pelos Joy Con a que chamamos carinhosamente Doggy, é uma experiência estranha e devido ao design quadrado não foi lá muito confortável de utilizar, finalmente aquela que considero a pior de todas e só deve ser utilizada em caso de necessidade extrema, utilizar um Joy Con para cada jogador, não só é demasiado pequeno como rapidamente me atrapalhei, mas o pior foi mesmo o sentir que estava a violentar o pobre comando. Com isto o que quero dizer é que qualquer jogador com um Pro Controller parte em vantagem em relação aos que estão a utilizar outros comandos, não quer dizer que vá ganhar, mas só o facto de nos sentirmos confortáveis já ajuda bastante.

Graficamente fiquei impressionado. O jogo está mais fluído que nunca e tal como na Wii U, em termos de cores e apresentação é bastante convincente em nos transportar para o mundo dos Pokémon.

Com o dinheiro que ganhamos dos combates podemos também comprar vários adereços e roupas para personalizar a nossa personagem, infelizmente as opções não são muito variadas. Se por acaso tiverem amiibo podem utilizar até 5 amiibo diferentes por dia para desbloquear um prémio por cada no jogo, pode ser dinheiro, títulos ou itens de personalização.

Como um todo é um produto interessante quer tenham ou não adquirido a versão para a Wii U. Pokkén Tournament DX traz consigo conteúdo novo suficiente para justificar a compra para os amantes de jogos de luta ou Pokémon. É verdade que não é o jogo mais simples para os novatos mas é a sua curva de aprendizagem que o torna em algo que é facilmente desfrutável por qualquer jogador. Pokkén Tournament DX é simplesmente divertido e aquilo que o original deveria ter entregue.

 

Positivo

  • 21 Lutadores bastante diferentes
  • Sistema de combate
  • Visual
  • Várias formas de jogar
  • Missões dão variedade a um modo quase inalterado do original
  • Team Battle
  • Podemos desligar a voz de Nia, se não sabem quem é, é a rapariga que não se cala com o óbvio durante todo o jogo

Negativo

  • Só é realmente confortável com o Pro Controller
  • Opções de personalização do nosso avatar são escassas e pouco variadas

 

Alexandre Barbosa

Também conhecido como Tylarth, sou um grande fã de videojogos no geral e séries de TV.

More Posts

Alexandre Barbosa

Também conhecido como Tylarth, sou um grande fã de videojogos no geral e séries de TV.