Análise – Pokémon Crystal (Nintendo 3DS)

Depois de um sucesso tão grande como foi Pokémon Red e Pokémon Blue (além do Yellow claro). As expectativas em redor de uma sequela eram enormes. Eu bem me recordo de ser bastante novo e tudo o que me vinha parar às mãos (desde notícias ou rumores), deixavam-me bastante entusiasmado.

Sem conseguir esperar pelo lançamento europeu, pedi ao meu pai que ia viajar aos Estados Unidos para me comprar o Pokémon Silver, o que eu nem acreditava que ia acontecer, tendo em conta que ele não sabia sequer o que era um Game Boy. A verdade é que aconteceu e consegui jogar antes da vasta maioria dos europeus.

Sendo um grande jogo e apoiado por este entusiasmo, Pokémon Silver (e Gold) acabaram por se transformar em dois dos meus jogos favoritos de sempre. Os Pokémon mais completos que já joguei (tirando os remakes) e dos melhores RPG que já foram feitos.

A chegada de Pokémon Gold e Silver à Nintendo 3DS foram boas fornadas de nostalgia a juntar à lista para quem não os jogou ou queria ter a hipótese de os jogar novamente.

Se chegaram agora de outro planeta, ou são novos em videojogos, então só precisam de saber que Pokémon Gold e Pokémon Silver seguiram os originais e além de oferecem uma experiência totalmente nova e mais sólida, ainda incluía uma versão avançada da região de Kanto de Red e Blue, com todos os ginásios e novos desafios.

Tendo em conta o que os primeiros jogos ofereciam, ter duas zonas para explorar e mais 100 Pokémon para apanhar, mostram que houve um grande trabalho e dedicação nesta segunda geração. Tudo isto passa também para as versões de Nintendo 3DS que foram lançadas recentemente.

No entanto, é com Pokémon Crystal que a segunda geração recebe uma melhoria significativa na narrativa e também uma série de extras visuais e algumas afinações, o que fez dele a versão definitiva de Pokémon Gold e Pokémon Silver. Estamos a falar de dois jogos fantásticos que ficaram ainda melhores. Existem mais treinadores, mais interacções e a possibilidade de jogar com rapaz ou rapariga, algo que viria a ser uma opção recorrente.

Tendo em conta a quantidade absurda de conteúdo, Pokémon Crystal é um jogo que vai facilmente além das 40 horas de conteúdo base e acima das 100 para fazer quase tudo o resto. Tendo em conta que podem guardar os vossos Pokémon para transferir para as versões mais recentes, não estão propriamente a perder o vosso tempo ao rejogar esta versão na Nintendo 3DS.

A conversão para a Nintendo 3DS foi bem feita e oferece as ferramentas típicas das conversões mais recentes. Por isso o jogo corre no seu estilo original, ligeiramente melhorado pelo ecrã da Nintendo 3DS.

Pokémon Crystal é uma viagem ao passado onde os jogos eram mais “inocentes” e como tal, mais “mágicos”. Crystal consolidou o que havia de melhor nos originais e preparou um caminho mais definido para os jogos que se seguiram. É um clássico inegável que merece ser jogado vezes uma e outra vez.

Positivo:

  • Duas regiões completas
  • História aprimorada
  • Animações nas batalhas
  • Introdução da escolha de género
  • Possibilidade de ligar aos jogos recentes
  • Poder capturar a Celebi “legalmente”

Negativo:

  • É um jogo lento
  • Apanhar os cães lendários é frustrante
  • Não teve edição física em Portugal

Daniel Silvestre

Fã de jogos, filmes, anime e coisas do género. Jogo desde que me lembro e adoro RPG. Tenho uma grande colecção deles que tenciono acabar. Talvez um dia no lar da 3ª idade.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebook

Daniel Silvestre

Fã de jogos, filmes, anime e coisas do género. Jogo desde que me lembro e adoro RPG. Tenho uma grande colecção deles que tenciono acabar. Talvez um dia no lar da 3ª idade.