Análise – One Piece: Burning Blood

Até agora, os jogos mais recentes de One Piece dedicados às consolas de topo, tinham passado quase sempre por algo próximo dos jogos ao estilo Dynasty Warriors. Fosse com Pirate Warriors ou até com o Unlimited World R, o mais RPG dos dois.

Com One Piece: Burning Blood, a coisa muda de figura, pois agora temos todo um universo de personagens e acontecimentos recriados num sistema de combate que não fica muito longe daquilo que se pode ver nos jogos de Naruto da saga Storm.

One Piece: Burning Blood é uma mistura entre momentos importantes antigos (com grande destaque para o Arc de Marineford) e algumas histórias que se sucederam, como os segmentos de narrativa em Fishman Island e Dressrosa. Embora o grande foco seja Marineford, existe espaço para muitas personagens antigas e recentes.

one-piece-burning-blood-analise-review-pn_00002

 

Embora o sistema de combate seja muito parecido com o de Naruto, existem muitas coisas que o conseguem diferenciar, como o facto de não ficar tão preso a sistemas de combos, mas mais de posicionamento, distância e ataques que correspondem a cada posição e defesa do inimigo.

Existem várias personagens com ataques de longo alcance, outras que devem ser usadas em proximidade, mas no geral, todos eles acabam por ser até bastante equilibrados. Existem lutadores que estão alguns furos acima de outros em poder, de qualquer forma, podem contar com uma selecção vasta.

Em combate, é possível construir uma equipa com 3 personagens e suportes que ajudam com habilidades e certos poderes. Podem alterar entre personagens em tempo real, abrindo espaço para mais combinações e até combos ou quebras dos mesmos. Para isso, podem contar com uma barra de especial que vai enchendo e que premite atacar, libertar mais poder, fazer ultimates e chamar aliados para receber o dano por nós.

one-piece-burning-blood-analise-review-pn_00001

Em termos de modos, este é um jogo cheio deles, embora sejam todos um pouco uma variação dos que já existem. Existe a história, modo de combate livre, um cartaz com adversários pré-definidos que precisam de ser vencidos e modo online com jogo normal e rankings. Além disso, ainda existem galerias e afins que podem explorar para ver conteúdos desbloqueáveis.

Quanto ao online, a minha experiência foi bastante boa. Existem lobbys onde podemos encontrar outros jogadores, assistir a partidas e lutar em equipas contra outras pessoas. No geral, a fluídez das partidas é bastante boa, tendo notado quebras de fluídez em certos combates, que podem ter sido criadas pelas ligações dos meus adversários (ou até as minhas). Por isso mesmo, gostei bastante e não tenho nada de mau a assinalar neste departamento.

No que toca ao visual, One Piece: Burning Blood consegue ser extremamente bonito. O visual cell-shaded consegue reproduzir muito bem o espírito da série, que beneficia ainda com uma boa qualidade das animações. Os segmentos de história são fantásticos e a qualidade dos combates também ganham com isso. Para tornar tudo ainda melhor, as vozes são todas as originais japonesas e exsite uma banda sonora que é bastante boa e dentro do esperado da série.

one-piece-burning-blood-analise-review-pn_00004

Outros detalhes vão ao ponto dos ataques que foram muito bem recriados, passando por pequenos pormenores como a roupa que vai sendo destruída com o decorrer do combate e as personagens que  começam a ficar marcadas pelo dano de combate. A isto junta-se um menu e apresentação que correspondem ao esperado e estão cheios referências à série que os fãs vão adorar ver (até eu que não sou grande fã gostei de certas surpresas).

No entanto, One Piece: Burning Blood também sofre com alguns pontos menos positivos, como é o caso de ter uma campanha curta e demasiado focada na mesma narrativa, mesmo que seja vista por diferentes perspectivas. Depois, nem todos os elementos de batalha são úteis, pois mais vale utilizar certas habilidades até à vitória em vez de ser recompensado pela variedade. É uma pena, pois a profundidade perde bastante para estas oportunidades e poderes mais fáceis.

No global, One Piece: Burning Blood não é uma referência no que toca a jogos de luta, mas é um dos melhores jogos de One Piece que joguei até hoje. A qualidade do visual, a fluídez, conteúdo do jogo e a atenção ao detalhe vão agradar a quem gosta de jogos de combate menos exigentes e a quem é fã da série.

one-piece-burning-blood-analise-review-pn_00003

Positivo:

  • Visual muito apelativo
  • Muitas personagens para escolher
  • Vários modos para jogar
  • Vozes originais japonesas

Negativo:

  • Combates com dificuldades injustas
  • Jogabilidade complica sem necessidade
  • Campanha devia ser mais diversificada

pn-muito-bom-2016-3

Daniel Silvestre

Fã de jogos, filmes, anime e coisas do género. Jogo desde que me lembro e adoro RPG. Tenho uma grande colecção deles que tenciono acabar. Talvez um dia no lar da 3ª idade.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebook

Daniel Silvestre

Fã de jogos, filmes, anime e coisas do género. Jogo desde que me lembro e adoro RPG. Tenho uma grande colecção deles que tenciono acabar. Talvez um dia no lar da 3ª idade.

  • NarutoD.Luffy

    Boa análise, a ver se o experimento nos próximos dias.

    • Daniel Silvestre

      Se gostas de One Piece, então vais gostar de certeza : )

  • Katie18

    Eu adorei o jogo, mas personagens como o White Bear e o Akainu chegavam a ser demasiado fortes, em alguns casos era um pouco frustrante ver q um ataque deles acabava com metade do HP.

    • keitaro

      Katie a personagem da sua foto é a Reina kousaka ?

      • Katie18

        Sim