Análise – NBA 2K18

Tal como acontece com as franquias anuais de futebol, também a 2K regressa perto do final do ano com mais um episódio de NBA 2K. Sejam por isso bem-vindos a mais um ano de basquetebol, que este ano chega também à Nintendo Switch com resultados impressionantes.

A edição deste ano de NBA 2K chega com um misto agridoce de pontos bastante positivos e alguns menos agradáveis. Se por um lado temos aqui um jogo recheado de conteúdo e boa jogabilidade, por outro temos algumas práticas menos positivas e certos problemas relacionados com bugs e ligações online.

NBA 2K18 continua, sem qualquer dúvida a ser o melhor dentro do seu género. Se nunca jogaram uma partida desta série, então estão a perder um dos jogos mais afinados e bem concebidos em termos de mecânicas e funcionalidades que existe dentro do que é desporto. As versões de nova geração em especial, são absolutamente imponentes e quando passam a parte da aprendizagem, as partidas começam a ficar cada vez melhores e mais divertidas.

Imagem da versão PS4

Existem aqui vários modos para jogar localmente ou online, mas como não sou um tipo que gosta muito de levar tareias online, o modo MyCarrer e as exibições rápidas foram onde passei grande parte do meu tempo a jogar sozinho ou com amigos.

Curiosamente, a versão onde passei mais tempo foi na da Nintendo Switch, pois poder levar o jogo para todo o lado é muito mais vantajoso. Entre todas as plataformas de nova geração, a Nintendo Switch sofreu um downgrade visual significativo, mas continua a ter um desempenho bastante agradável, aliás, em termos visuais, é um dos melhores jogos da consola e mesmo correndo a 30fps, mostra uma vez mais que há aqui lugar para um bom desempenho gráfico.

Claro que as versões de nova geração de outras plataformas estão uns quantos furos acima e a de PS4 que também joguei está com uma qualidade soberba. Os jogadores, campos e estádios foram concebidos com muito detalhe, sofrendo apenas de algumas inconsistências robóticas no que toca a alguns posicionamentos, detecção de colisão nos festejos e regresso às linhas.

Imagem da versão Nintendo Switch

Qualquer uma das versões mantém a sua jogabilidade afinadas, mas é sempre melhor jogar com o melhor comando possível, o que neste caso dita que os jogadores de Nintendo Switch tentem usar Pro Controller se possível. Não é que os outros modos não correspondam, mas é a forma mais confortável de jogar. Também é possível jogar na Switch no modo partilhado com Joy-Con. É um modo mais simplista de jogar, pois perdem alguns botões, mas cumpre os requisitos mínimos para algumas partidas rápidas divertidas.

Como disse, grande parte do tempo que passei com NBA 2K18 foi no MyCareer, um modo com história onde é possível evoluir a personagem e ir de novato até super-estrela. O problema é que este é também o modo ideal para demonstrar alguns dos problemas de NBA 2K18. Para começar, grande parte dos modos que vão além dos campos sofrem com alguns bugs visuais e sonoros, especialmente no que toca a falas que parecem pouco inspiradas ou até costumam falhar quando algumas personagens estão à conversa, deixando um silêncio embaraçoso.

Depois existem todo um rol de mini-jogos que parecem interessantes a início, mas acabam por se tornar repetitivos e frustrantes. Estes mini-jogos escondem o incentivo claro para gastar dinheiro no jogo e comprar as infames lootboxes que ajudam a aliviar algum do grinding. Ou seja, algo que podia ser mais divertido e simples, passa a ser muito longo e aborrecido, a não ser que resolvam gastar dinheiro, o que é injusto, pois outros jogadores podem comprar o seu caminho para a vitória. Como já disse antes, sistemas de micro transacções ao estilo de um jogo não fazem parte de um jogo de 69 euros e aqui são demasiado necessários para fazer seja o que for.

Imagem da versão PS4

Por fim temos o online, que dependendo das consolas, pode funcionar muito bem ou muito mal por necessidade dos servidores estarem em contacto com o progresso, ou seja, até o MyCareer precisa que estejam ligados online, mesmo sendo uma experiência primariamente individual. É uma pena, pois tudo isto é alheio à jogabilidade que funciona muito bem quando estão no campo a fazer o que o jogo deveria ser, um jogo para celebrar o Basquetebol.

Resumindo, NBA 2K18 é o jogo ideal para todos aqueles que são fãs de basquetebol e jogam essencialmente umas partidas com os amigos. Existem aqui tantas equipas para escolher e de tantas eras, que vão querer experimentar todo o estilo de duelos e ver algumas mascotes (como a genial dos Chicago Bulls), a fazer as suas actividades típicas. É pena que ao progredir para outros modos que envolvam experiências de vida, NBA 2K18 mostre claramente a sua faceta mais honesta, “jogos são para fazer dinheiro”. Se NBA 2K18 fosse apenas um jogo para jogar com os amigos e ir apenas para o campo, era uma coisa, agora ser fustigado com micro transacções num jogo com preço Premium, faz com que tudo o que é bom fique manchado. A nota só não é mais baixa, porque a jogabilidade é realmente boa e divertida. Só espero que a pressão emergente sobre estes modelos ajude a que NBA 2K19 seja um jogo puro e duro, sem este estilo de esquemas.

Por fim, se querem jogar na versão Nintendo Switch, tenham em conta que está cá praticamente tudo o que é bom e mau, com algum sacrifício visual e de fluidez, o que não deixa de ser impressionante, tendo sido a minha versão de eleição para análise.

Imagem da versão Nintendo Switch

Positivo:

  • Jogabilidade afinada
  • Visual poderoso
  • Recriação do ambiente dentro e fora do campo
  • MyCareer tem uma base sólida…

Negativo:

  • …que sofre com as micro transacções
  • Questões com o online constante
  • Bugs visuais e sonoros

Daniel Silvestre

Fã de jogos, filmes, anime e coisas do género. Jogo desde que me lembro e adoro RPG. Tenho uma grande colecção deles que tenciono acabar. Talvez um dia no lar da 3ª idade.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebook

Daniel Silvestre

Fã de jogos, filmes, anime e coisas do género. Jogo desde que me lembro e adoro RPG. Tenho uma grande colecção deles que tenciono acabar. Talvez um dia no lar da 3ª idade.