Análise – Miitopia

Já lá vai algum tempo desde que a Wii e os Miis surgiram. Nessa altura, os Miis eram apenas um avatar personalizável, mas com o passar do tempo foram evoluindo, tornando-se personagens jogáveis em jogos como Wii Sports Resort e afins.

Mais tarde começaram a aparecer em mais jogos para a Wii e a WiiU, e eventualmente tornaram-se personagens jogáveis em jogos como Mario Kart 8 e Super Smash Bros. Finalmente, surgiu Tomodachi Life, uma espécie de Life Simulator (tipo The Sims) mas com Miis. Tomodachi Life foi um jogo bastante divertido, embora um tanto repetitivo e tornando-se uma autêntica telenovela mexicana às vezes.

Se gostaram de Tomodachi Life, certamente gostarão de Miitopia. É uma versão mais awesome de Tomodachi Life mas com monstros, aventuras e….mais telenovelas mexicanas e momentos divertidos random. Miitopia começa com um personagem malvado (à vossa escolha) chamado Dark Lord a roubar as caras das pessoas de uma cidade, algo que achei original e engraçado.

As caras dos aldeões vão parar a monstros que estão espalhados pelo mundo e vocês têm de as resgatar derrotando esses mesmos bicharocos. Com a cidade em perigo e o Dark Lord a criar mais confusão , é a vossa missão parar esse mesmo senhor e trazer paz ao mundo.

Podem criar a vossa personagem, escolher os vossos membros da Party, NPCs e o vilão, muita coisa, torna-se algo pessoal (afinal de contas, é a vossa história) e podem ou criar os Miis de raíz, ou buscar os mesmos à vossa lista de amigos ou a Tomodachi Life.

No que toca à jogabilidade, Miitopia funciona como um RPG tradicional, embora simplificado. Têm um mapa do mundo que usam para viajar de área em área, embora não possam viajar livremente, é mais ao estilo de Super Mario Bros.3 .

Quando escolhem uma área que querem explorar, não têm controlo sobre a viagem, apenas têm interacções quando encontram inimigos ou mais que um caminho por onde ir e têm de escolher. Também podem ter conversas random entre os membros da equipa, mas não as controlam nem o rumo destas.

Se encontrarem inimigos, só conseguem controlar o que a vossa personagem faz, o que a equipa escolhe é completamente aleatório, como se estivessem sempre em batalha automática, que também podem escolher para a vossa personagem quando vos apetece.

Após criarem uma personagem, podem escolher entre várias classes: Warrior, Cleric, Mage, Pop Star, Chef e Thief são as iniciais, e à medida que forem avançando vão ter mais disponíveis. Podem escolher também a personalidade da vossa personagem, que vos vai ajudar em combate ou prejudicar dependendo do que escolherem. Se não gostarem do que escolheram podem sempre mudar a personalidade da personagem a qualquer altura.

À medida que as vossas personagens ganham experiência ao derrotar inimigos, vão subindo de nível e aprendendo novas habilidades dependendo da classe que escolherem para eles. Uma coisa chata sobre a função de auto-ataque dos vossos companheiros é que nem sempre escolhem a melhor habilidade ou acção por assim dizer, para a situação em questão. Por exemplo, um membro da vossa equipa pode gastar imenso MP com uma habilidade awesome e fazer overkill a algo que está quase a morrer, sendo algo chato.

Como em Tomodachi Life, as personagens desenvolvem relações entre elas. Depois da maioria dos níveis, as personagens descansam numa Inn (pousada), onde dormem e recuperam HP e MP. Podem colocar duas personagens no mesmo quarto e desenvolver a relação destas. A cada nível que a relação sobe ganha uma habilidade diferente, tornando-se bastante útil em batalha.

Quando estão na Inn podem alimentar a vossa equipa (elas podem ou não gostar da comida que lhes dão), e dependendo da comida que escolherem, aumenta alguns stats. Se as personagens gostarem muito da comida aumentam mais os stats, se desgostarem acontece o contrário.

Outra coisa que pode acontecer na Inn é alguém da equipa querer comprar algo, seja comida, roupa ou acessórios. Em vez de gastarem gold, podem sempre tentar a vossa sorte na Lotaria. Algo chato é não poderem vender o equipamento que já não usam, mas suponho que como se pode usar o visual desse item noutros a partir do momento em que o têm, que acharam por bem não se poder vender equipamento antigo.

Acho que o jogo se torna demasiado fácil por vezes, especialmente depois de desbloquearem alguns bónus, sendo também algo repetitivo. No entanto, nem sempre é assim, fazendo com que uma pessoa não se canse facilmente do jogo.

Os gráficos não puxam pela consola, e são muito à base dos Miis. No que toca a personalização, têm muita variedade (o que é muito bom) e a banda sonora é gira,enquadrando-se no tema do jogo mas não é algo extraordinário.

No geral, Miitopia acaba por ter momentos muito giros e engraçados, e proporcionar uma boa experiência aos jogadores, e não só é um jogo bom para quem gosta de RPGs e de se divertir, mas também para quem quer experimentar algo do género, seja de que idade for.

Miitopia já se encontra disponível para a Nintendo 3DS e 2DS.

 

Positivo

  • Personagens Personalizáveis
  • Personalização com muita escolha e variedade
  • História engraçada
  • Situações random e giras
  • Jogabilidade interessante…

Negativo

  • Mas que falha em alguns aspectos, como o auto-combate
  • Algo repetitivo
  • Demasiado fácil por vezes

 

Adriana Silva

Fã de videojogos, especialmente RPGs, Visual Novels e jogos de ritmo.
Gosto de anime, light novels e séries de televisão.
Devido à escolha de Steins;Gate, vim parar a esta linha temporal.
Cosplayer de coração, aspiro ser uma grande treinadora de Pokémon. (pelo menos melhor que o Ash…) Se isso não der certo, contento-me com governar Hyrule ao lado do Link.

More Posts - Website

Adriana Silva

Fã de videojogos, especialmente RPGs, Visual Novels e jogos de ritmo.
Gosto de anime, light novels e séries de televisão.
Devido à escolha de Steins;Gate, vim parar a esta linha temporal.
Cosplayer de coração, aspiro ser uma grande treinadora de Pokémon. (pelo menos melhor que o Ash…) Se isso não der certo, contento-me com governar Hyrule ao lado do Link.