Análise – MegaTagmension Blanc + Neptune VS Zombies [PC]


Análise escrita por Ana Beatriz Varela


Para os fãs da série, MegaTagmension Blanc + Neptune VS Zombies é uma boa forma de introduzir um sistema de jogo diferente com o qual não estão (muito) familiarizados. Por outro lado, é também uma óptima maneira de trazer novos jogadores para a franchise, principalmente os que se identificam mais com as tácticas introduzidas neste título.

Isto é, se o jogo igualar ou exceder as expectativas, claro está.

Baseado na light novel em que as personagens são estudantes normais de uma escola secundária (e não CPUs), Blanc conta com a ajuda de Neptune para eliminar a ameaça de uma invasão de um exército de zombies que acidentalmente deixaram escapar enquanto gravavam um filme. MegaTagmension Blanc + Neptune VS Zombies é um jogo spin-off da série Hyperdimension Neptunia e o primeiro da franquia a oferecer compatibilidade com 4 jogadores em co-op.

Blanc, a grande protagonista, é a forma humana do CPU White Heart, proveniente de Lowee, um sítio frio e cheio de neve, sendo também a divindade que olha e protege essa região. Mas a personalidade de Blanc contrasta bastante com a sua aparência apática e estatura baixa: é irritadiça e violenta, perdendo a paciência com muita facilidade, e diz palavrões com tanta frequência como se irrita. Mas quando não está com os azeites, Blanc é dócil e querida, passando pouca confiança a quem não conhece bem.

Neptune, também personagem principal desta narrativa, é a forma humana do CPU Purple Heart, oriunda de Planeptune, um local cheio de torres e tecnologia bastante avançada, e, tal como Blanc, é a deusa que protege esse mesmo território. Neptune é bastante impulsiva, desastrada e amorosa, não perdendo nenhuma oportunidade para demonstrar o seu afecto a quem gosta. A sua atitude positiva, perante as situações com que se depara, ajuda-a a ultrapassar obstáculos e a manter o espírito vencedor na sua equipa.

Nesta história, as personagens são CPUs que vivem em Gamindustri, tendo como objectivo irem à escola, a Gamicademy, de forma a aprenderem mais sobre os seres humanos e respectiva cultura. No entanto, a Gamicademy corre o sério risco de fechar as portas, por não ter alunos suficientes matriculados, não se justificando a continuidade das suas actividades. Foi então que Neptune teve a ideia de fazer um vídeo com zombies e submetê-lo numa competição amadora, de forma a salvar a escola. Algo bastante parecido com o enredo do anime Love Live!, mas com zombies. Mesmo tendo em conta que este jogo é apenas um spin-off da série original, Blanc e Neptune continuam a ser consideradas deusas, embora em uniformes de escola secundária.

Mas é então que Neptune revela o quão desastrada consegue ser e deixa escapar a multidão de zombies que invocou para fazer o vídeo. Cabe a Blanc, Neptune e a todas as outras raparigas, que também são personagens da série Hyperdimension Neptunia, salvar a escola, mas desta vez de uma invasão zombie que ameaça matar toda a gente: Blanc, Neptune, Noire, Vert, Plutia, Uzume e Tamsoft (personagem nova na franquia) são representadas como estudantes do ensino secundário; Nepgear, Uni, Dengekiko e Famitsu como estudantes do ensino básico e Rom, Ram e Peashy como alunas da escola primária. É bastante recompensador e divertido ver deusas e personagens com tanta relevância da franquia, com um papel tão relaxado e mais próximo do jogador.

No entanto, a história acaba por cair num enredo tosco e que devaneia muito, acompanhando um modo single player que também deixa muito a desejar. É verdade que existem dicas homossexuais entre as personagens, desenvolvendo um fanservice muito característico, também culpa do charme inocente de Neptunia, mas se o jogador não adorar este estilo, vai cansar-se rapidamente. Do que não é preciso adorar são as constantes vezes em que as personagens falam sobre o quão idiota e pateta o vídeo de zombies delas é… É repetitivo e não acrescenta nada nem à história, nem à jogabilidade.

A jogabilidade é similar a Hyperdimension Neptunia U: Action Unleashed: um hack and slash que consiste em dois botões de ataque, para fazer combos, acompanhados de botões para double jump e dash. Durante o decorrer do jogo, são desbloqueadas 14 personagens jogáveis, mas o jogo não nos obriga a usá-las durante as missões. No início de cada missão, é possível escolher duas personagens para as batalhas, o que possibilita ataques combinados. O objectivo de cada batalha é exterminar a quantidade de zombies que é pedida no início, sendo facilmente atingido num tempo máximo de 6 minutos. Assim, acaba-se por ficar com a noção que modo single player é apenas um aquecimento para o modo online, que também não apresenta dificuldades dignas desse nome.

O modo multiplayer não apresenta missões mais exigentes, apenas novos inimigos e locais de batalha diferentes. Tal como no modo single player, a câmara do jogo não colabora com o jogador, tornando-se um desafio. As lutas com os zombies ficam muito mais interessantes quando três outros jogadores se juntam à festa. Contudo, não passa disso: é um simples jogo de meninas com uniforme escolar a dar pancada em zombies.

A banda sonora é razoável: não se destaca muito, mas também não incomoda. Os gráficos e a disposição dos elementos na tela do jogo são bastante característicos de visual novel, embora esta seja (supostamente) uma aventura de acção.

É possível descrever o jogo apenas com uma passagem de Blanc:
“It’s like you’re cramming in things you think are cool without considering the story.”

Positivo

  • 4 jogadores em co-op

Negativo

  • História fraca, sem conteúdo;
  • Apenas um pretexto para colocar as personagens de Hyperdimension Neptunia num jogo com zombies;
  • Modo multiplayer não tem dificuldade acrescida;
  • A câmara do jogo tem falhas.

 

NOTA: Este artigo foi escrito por um membro da comunidade do PróximoNível. Se quiserem ter um artigo de opinião, análise ou outro género de artigo destacado no site, podem enviar o mesmo para um dos membros da equipa do site. Depois de aprovação final, este é publicado sobre alçada de um dos editores, mas devidamente identificado, dando créditos ao escritor do mesmo.

Ana Beatriz Varela

Vinda do Espaço Sideral, interessa-se pelo fenómeno da Cultura Pop em todas as suas vertentes. Ainda não percebeu o conceito "sociedade".

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterPinterest

Share

You may also like...