Análise – K

Informação Global:

  • Episódios: 13
  • Ano: 2012
  • Produtores: Starchild Records, Viz Media, Mainichi Broadcasting, GoHands, The Klock Worx
  • Géneros: Acção, Super Poderes
  • Idades: +13
  • Linguagem: Japonesa

Com participação em projectos diferentes mas ao mesmo tempo similares (Baccano!, Btoom! e Gantz 2nd Stage), Suzuki Shingo mostra já ter a experiência necessária para direccionar e desenhar um Anime deste género. K é um Anime de 13 episódios desenvolvido pelos estúdios GoHands que nos centra num mundo mais avançado tecnologicamente, precisamente em Shizume City. Isana Yashiro (Shiro), estudante na escola Ashinaka High School que se situa numa ilha fora da cidade principal, vive uma vida simples e pacifica até ao dia que Tatara Totsuka é assassinado. Ninguém sabe quem é o homem responsável por tal acto mas é conhecimento comum que o homicida é parecido com Shiro. Atrás da vingança, Shiro é perseguido por homens intimidantes com super poderes o que o faz ficar acidentalmente envolvido numa guerra de super poderes entre sete Reis.

Com super poderes e uma pitada de género shounen, é-nos apresentada uma história promissora com sete Reis coloridos onde cada cor representa um clã. Semelhantes a Durarara!!, alguns dilemas e o mostrar de diferentes perspectivas, principalmente do clã azul e vermelho, que mais tarde vão eventualmente colidir são pontos a favor. No entanto, K sofre de uma fraca progressão da história onde vão aparecendo mais e mais elementos para serem tratados que progressivamente tornam a história desorganizada com demasiadas ideias para apenas 13 episódios. Como consequência, o Anime parece apressado e deixa algumas partes por resolver.

Em adição, K mostra demasiado e desnecessário fan service, tanto para raparigas como para rapazes, em partes sérias o que fez com que a história perdesse alguma credibilidade. Mesmo assim, K consegue tornar alguns aspectos interessantes como algumas revelações e twists pelo caminho. Cenas de luta muito atractivas ao olho do espectador e alguns mistérios de fundo, K não superou expectativas mas consegue ser justo ao cativar o espectador a acabar de ver a série. Acerca do desenlace do Anime, confesso que estava a espera de mais e achei que jogaram pelo seguro, o que não é mau, mas deixaram a consideração do destino nas mãos do espectador e também deram a entender que seria possível uma segunda temporada o que eu acho improvável vir a acontecer.

Com a diversidade de personagens que nos é apresentada e à medida que a história avança, K mostra uma visão decente das relacções e ligações que formam gradualmente o trio principal. Isana Yashiro (Shiro) é um rapaz de palavras suaves mas carismático que passa a vida a pedinchar o seu almoço aos colegas. Amigo e facilmente adorado mas preguiçoso e despreocupado, Shiro respeita toda a gente que conhece até mesmo os robôs. Neko é uma rapariga mas ao mesmo tempo o alter-ego de uma gata com uma personalidade energética e brincalhona. Misteriosa, Neko anda sempre nua visto achar que as roupas são muito restritas.

Yatogami Kuroh (Kuro) é um habilidoso guerreiro que utiliza a espada e as artes marciais e é exímio como dona de casa. Kuro é calado, sério e determinado a cumprir os seus objectivos. Kuro acredita que não vale a pena julgar as pessoas pelo seu físico ou palavra mas sim pelas suas atitudes e acções. Quando era mais novo, Kuro foi treinado pelo já falecido sétimo Rei Miwa Ichigen onde lhe foi deixado o objectivo de derrotar o Rei mau. Por vezes temos pouca informação mas em geral toda a equipa é composta por personagens fáceis de gostar mas com o problema de não serem desenvolvidas e que acabam por se tornar distantes do espectador. Casos como o Kuroh que apenas nos é dada uma pitada dos seus motivos e a Neko que existe para o fan service.

Quanto ao desenho e à animação de K posso dizer que é a melhor qualidade deste Anime. A mistura da luz com fundos detalhados fazem com que a arte seja um regalo aos olhos do espectador. Em relacção à animação, temos batalhas fluídas e dinâmicas com alguma dedicação nos poderes e auras coloridas de cada clã. O desenho das personagens são ditas normais, umas mais detalhadas que outras, cada desenho individual vai bem com o Anime e não existe qualquer tipo de erro ou falha nesta área. Resumidamente, a parte técnica de K é um aspecto que não desilude e que até é capaz de se tornar ousado na sua qualidade, estilo, arte e animação.

Em relacção à sonoridade, temos alguns actores de voz já conhecidos mas a própria música tem uns problemas menores. Os sons usados para acompanhamento das cenas são mais ao estilo urbano e underground o que está dentro do género de K, mas uma ou duas peças são muito repetidas em cenas diferentes o que faz com que fique um pouco fora de contexto. O opening “KINGS” de angela parece estranho ao inicio mas à medida que vamos vendo K torna-se mais viciante, já os endings “Tsumetai Heya, Hitori” de Mikako Komatsu, “Circle of Friends” de Tatara Totsuka e “To be with U!” de angela são temas mais calmos mas acho que não combinam tanto com o estilo do Anime ao ponto de nos lembrar-mos deles mais tarde.

Quanto aos actores de voz, destaco Namikawa Daisuke (Jellal de Fairy Tail, Waver de Fate/Zero e Fai de Tsubasa Chronicle), Daisuke Ono (Shizuo de Durarara!!, Shintarou de Kuroko no Basket e Sebastian de Kuroshitsuji) e Miyano Mamoru (Light de Death Note, Ling de Fullmetal Alchemist: Brotherhood e Setsuna de Mobile Suit Gundam 00), pelos seus óptimos trabalhos e distinta presença em K, foi um privilégio e sem dúvida um ponto a favor no Anime.

De tempos em tempos, deparamo-nos com Animes de grandes padrões visuais que facilmente captam a atenção do espectador. No entanto, uma história mais limpa e um melhor desenvolvimento das personagens teriam atingido um resultado bem melhor. K é um Anime que não consegue atingir nem ultrapassar as suas expectativas mas independentemente das suas falhas consegue ser divertido e manter o espectador entretido. Se são fãs deste género de Anime, acho que podem dar uma vista de olhos já que K também é um Anime pequeno e o seu material é bastante atraente, no entanto, não o vejam com grandes expectativas para evitar desilusões. Não vou deixar de recomendar grandes títulos dentro deste género como Durarara!! e Baccano!, mas em conclusão e embora não o recomendar, K não deixa de ser um Anime justo de se ver e não é de todo tempo desperdiçado.

Positivo:

  •  Exploração de diferentes perspectivas
  • Mistérios e twists
  • Batalhas atractivas
  • Desenho detalhado
  • Animação de qualidade
  • Música dentro do género
  • Actores de voz reconhecíveis

Negativo:

  •  História desorganizada e apresada
  • Questões por resolver
  • Demasiado fan service
  • Desenlace pelo seguro
  • Personagens pouco desenvolvidas
  • Sons repetidos

Share

You may also like...