Análise – Horizon Zero Dawn: The Frozen Wilds

Sendo Horizon Zero Dawn um dos melhores jogos que foram lançados este ano, ter mais para jogar dentro do seu universo ainda antes de um segundo era algo muito bem-vindo. Por isso não foi surpresa quando The Frozen Wilds foi confirmado como um DLC de história para alargar o mundo original.

Horizon Zero Dawn: The Frozen Wilds não serve como continuação da história, mas como um desvio na mesma durante a campanha original, alargando o enredo e dando a conhecer mais informações sobre certas personagens, uma delas bastante importante para a história principal. Tudo o resto é suposto ser visto como uma aventura, “mais ou menos” isolada numa zona remota onde tudo está gelado e a neve está sempre a cair.

Além da narrativa principal que me demorou cerca de oito horas a acabar, existe toda uma área para explorar com várias missões alternativas, nova bicharada robótica e equipamentos para coleccionar. Apesar de fazer parte de um mundo alargado, as missões principais parecem mais lineares que as do jogo principal, parecendo algumas delas retiradas de um Uncharted, em vez de fazer parte de um mundo maior, o que é estranho dentro do contexto da campanha principal.

Em termos de jogo, Horizon Zero Dawn: The Frozen Wilds é mais do mesmo e isso é muito bom. A expansão recomenda que enfrentem esta área a nível 30 e com alguma razão, pois alguns dos inimigos desta área são realmente implacáveis. Algumas das novas armaduras e armas ajudam bastante e são peças interessantes para abordar as restantes partes do mundo que já conhecem.

Visualmente e sonoramente, Horizon Zero Dawn: The Frozen Wilds também continua a ser um verdadeiro portento. Os gráficos são soberbos e a forma como a neve cai nesta zona gelada, assim como o fumo do vulcão, são elementos dignos de se ver. As vozes das novas personagens são as ideais e tirando alguns NPC, todos fazem um bom trabalho nos seus respectivos papeis.

As novas criaturas desta área não oferecem uma variedade muito grande em termos de ataque, mas o grande destaque vai claramente para uma espécie de urso robótico que aprece em várias ocasiões e é uma das ameaças principais desta expansão.

Tendo em conta que conseguem retirar mais de 20 horas de diversão de Horizon Zero Dawn: The Frozen Wilds, então é mais que certo que devem comprar a expansão caso tenham gostado da campanha principal. Aqui aprendem um pouco mais sobre o mundo e podem passar mais alguns momentos de qualidade com Aloy.

Horizon Zero Dawn: The Frozen Wilds é uma verdadeira expansão que merece ser jogada por todos os que jogaram o original e querem ainda mais conteúdo.

Positivo:

  • Nova área bem conseguida
  • Muito para fazer
  • Novas armas e máquinas
  • Expande a história de forma segura

Negativo:

  • Missões principais mais confinadas
  • Puzzles simples
  • Momentos frustrantes com alguns inimigos

Daniel Silvestre

Fã de jogos, filmes, anime e coisas do género. Jogo desde que me lembro e adoro RPG. Tenho uma grande colecção deles que tenciono acabar. Talvez um dia no lar da 3ª idade.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebook

Daniel Silvestre

Fã de jogos, filmes, anime e coisas do género. Jogo desde que me lembro e adoro RPG. Tenho uma grande colecção deles que tenciono acabar. Talvez um dia no lar da 3ª idade.