Análise – Hitman 2 (2018)

  • Plataformas: PlayStation 4, Xbox One, PC
  • Versão de Análise: PlayStation 4
  • Informação Adicional: Imagens e capturas de vídeo retiradas durante as sessões de jogo.

Em 2016 a IO-Interactive decidiu reformular a sua aproximação a Hitman, algo que foi recebido com grande entusiasmo pela maioria dos fãs e novatos. Os fãs que não ficaram agradados com esta mudança ao jogo apontaram o formato episódico como o maior problema, afirmando que a mudança de um nível linear para um sandbox não calhava bem com a série.

Talvez devido à recepção negativa por parte desses fãs, ou por ter outras ideias em mente, a IOI decidiu mudar um pouco as coisas e lançar Hitman 2 como um pacote completo desta vez, continuando a seguir o formato sandbox e a introduzir novas mecânicas, bem como novidades nunca antes vistas na série e que alguns fãs já pediam à imenso tempo. Chega então até nós Hitman 2, a continuação de Hitman: Season One que iniciou a história que explora o passado de Agent 47 enquanto nos envia a novos locais e apresenta mais maneiras criativas de eliminar os nossos alvos.

Após os eventos do jogo anterior onde Agent 47 deu conta de vários alvos ligados à Providence por ordem do “Shadow Client” chega a vez de virar o casaco, ou seja, desta vez é a Providence quem irá dar os contratos a Agent 47, iniciando-se assim uma procura pelo “Shadow Client” que é na realidade alguém que conhece bem o nosso assassino favorito, incluindo o seu passado.

Hitman 2 oferece imenso para os fãs. Desde novas missões de história e locais para explorar a modos de jogo extra e até uma visita aos locais do jogo anterior, sendo que primeiro irei focar-me nas novidades em termos de jogabilidade, depois irei falar das novas localizações que este jogo oferece antes de passar para o resto do conteúdo adicional. No entanto vou falar dos níveis em geral, sem estar a fazer demasiado spoilers para além do nível de Miami e Columbia que foram os primeiros a ser revelados.

Apesar de estar mais do mesmo, as mudanças que Hitman 2 recebeu saltam logo à vista. Anteriormente o aspecto visual estava mais virado para o monocromático, mas desta vez o jogo recebe algumas cores bem vindas e que ajudam imenso durante as nossas missões. Agora sempre que o jogador estiver a criar qualquer tipo de problema que faça com que os NPCs fiquem em alerta ou semelhante, avisos coloridos a vermelho e amarelo irão aparecer por cima do mini mapa, alertando imediatamente o jogador de que algo está mal.

Essas não são as únicas novidades que melhoram a nossa vida. Lembram-se de quando recebiam uma indicação de que um corpo havia sido encontrado e outros casos parecidos? Pois bem, a IOI teve a óptima ideia de trazer de volta o IPI para Hitman 2, passando a mostrar uma indicação visual destes avisos. Alertas de que um corpo foi encontrado, que um NPC foi distraído por algo ou até ajudas caso o jogador esteja a seguir uma missão de história (anteriormente chamados de “missões de oportunidade”), um pequeno rectângulo irá aparecer no canto superior esquerdo, mostrando um vídeo do que causou tal reacção, permitindo assim ao jogador ter uma melhor ideia do que está a acontecer fora do seu radar. Como contrapartida, agora a “visão de assassino” não faz com que o mundo ande em câmara lenta tal como acontecia antes. Obviamente que isto tudo pode ser desactivado/ignorado caso não o queiram presente no vosso jogo.

 

Para além do aspecto visual, o jogo apresenta novas armas incluindo algumas que estão de regresso, tal como a mala que permite ao jogador guardar armas e outros itens dentro. Neste aspecto nada mudou, continuando a ser o mesmo jogo de antes, no entanto existem outros elementos que poderão complicar a vossa vida. É de uma forma irónica que agora digo que os espelhos funcionam, não só reflectindo a nossa personagem e os NPCs, mas causando uma reacção aos mesmos caso estes nos vejam a fazer algo suspeito a partir da reflexão do espelho. Uma outra mudança é que as câmaras estão mais eficientes, capturando qualquer movimento suspeito que o jogador faça e enviando guardas caso estes estejam na sala de controlo.

Se no jogo anterior achavam que existiam demasiados NPCs em alguns locais, então vão ficar contentes ao saber que em Hitman 2 o “problema” continua igual, mas para vosso proveito uma vez que é possível esconderem-se no meio de grupos grandes ou em locais como arbustos e semelhantes. Não quer dizer que não vão ser encontrados, mas irá facilitar-vos a vida quando estão a tentar manterem-se incógnitos, o mesmo não se aplica a corpos inconscientes ou mortos, onde esconder os mesmos em locais como armários e semelhantes continua a ser a opção ideal.

É verdade que algumas destas “novidades” já estavam presentes no jogo anterior, mas o seu regresso é bem vindo pois em conjunto com as novas mecânicas tornam o jogo ainda melhor que o seu antecessor. Mas algo que me deixou um pouco decepcionado com esta sequela é o facto de as cinemáticas agora serem imagens estáticas ao invés de contarem com movimento tal como era feito anteriormente. Continuando nesta onda de desgosto, acabei por encontrar mais erros de animação neste jogo em comparação ao anterior. É verdade que por esta altura Hitman: Season One já conta com vários updates em cima, e que com o tempo talvez sejam corrigidos, mas continuam a ser notáveis. Por outro lado o sistema está mais rápido no que toca a carregar os níveis ou até a ligar-se à rede.

Falando sobre a AI, esta continua igual ao que já estão habituados. Por vezes é boa, em especial nas dificuldades mais elevadas, e outras vezes é facilmente manipulável e fácil de quebrar, em especial quando necessitam de que um alvo siga uma rotina para poderem realizar um certo assassinato, ficando quase impossível fazer com que o mesmo regresso à normalidade. No entanto podem ficar contentes em saber que o diálogo destes NPCs continua com o seu charme pessoal.

Pegando nos níveis deste jogo, Hitman 2 oferece um novo conjunto de 5 níveis para os jogadores explorar ao contrário de 6 tal como o jogo anterior, isto excluindo o nível de Hawke’s Bay que serve como introdução para a história. Infelizmente tenho a dizer que a minha opinião sobre estes é um pouco mais mais mista que as do jogo anterior.

O primeiro nível que vamos encontrar é o de Miami que faz um bom contraste com o nível de Paris de Hitman: Season One. Ambos os níveis são os primeiros dos seus jogos, e ambos tem o intuito de ensinar algo ao jogador. A lição a destacar nestes dois níveis é o facto de os NPCs seguirem a sua vida, e a de contarem com várias rotinas que o jogador pode activar com certas condições. O nível de Paris contava com um mapa grande em termos de tamanho, obrigando o jogador a encontrar disfarces ou a arranjar maneira de subir o nível sem ser apanhado; já o nível de Miami destaca-se pela sua largura.

Enquanto exploram o nível de Miami irão encontrar um tipo que acabou de roubar o fato a uma das mascotes presentes no nível, se o seguirem irão ter uma oportunidade de eliminar Sierra Knox. Caso não queiram demorar tanto tempo, sempre podem disfarçarem-se de mecânico e fazer com que a mesma tenha um acidente durante a corrida. Se por outro lado decidirem ter Robert Knox como o vosso primeiro alvo, podem usar a identidade de um general e encontrarem-se com Robert, ficando a saber um pouco mais sobre a história destas personagens, ou então fazer com que um acidente aconteça enquanto Robert está a observar o seu carro que está em exposição, seguindo depois para Sierra que deverá estar a sair da sua corrida.

Como podem ver, existem várias maneiras e oportunidades de eliminar os vossos alvos, e neste mapa o destaque é o facto de um dos mesmos possuir uma rotina que a fim de algum tempo irá terminar. Se acham que estão a ter demasiadas dificuldades em eliminar Sierra Knox enquanto esta está na corrida, sempre podem esperar até que a corrida termina ou então procurar uma maneira de terminar a corrida mais cedo. O que necessitam de usar é a vossa cabeça e criatividade para vos ajudar a progredir.

A impressão inicial que irão ter sobre Miami é a de o nível ser demasiado grande, embora o problema seja realmente encontrarem uma forma em como ir de um lado para outro, pois o nível está separado pela pista onde a corrida está a ter lugar. No entanto isto é uma boa decisão pois o nível fica dividido em dois, permitindo a criação de dois cenários diferentes num só e que o jogador pode explorar a seu belo prazer sem se preocupar em acidentalmente entrar no outro cenário.

Infelizmente não posso dizer se essa foi a melhor ideia para o nível de Columbia. Este nível que tem lugar perto de uma selva em vez de utilizar o seu elemento de destaque acaba por quase o deixar de lado, trazendo antes uma versão alternativa do nível de Sappienza de Hitman: Season One. Vão encontrar um pouco da cidade que podem explorar; uma mansão onde um dos alvos está presente; e também podem contar com o laboratório secreto onde as actividades ilegais estão a decorrer. O segundo nível de Hitman 2 copia imenso o segundo nível da sua prequela, e o elemento da selva que seria algo interessante de explorar é quase invisível no meio de tantas ideias recicladas.

Os outros níveis em geral também vão retirar ideias do jogo anterior, por vezes fazendo misturas de vários níveis diferentes e outras vezes criando algo ao nível de Miami. A execução destes níveis tem os seus altos e baixos; por um lado conseguem fazer um trabalho melhor com o material reciclado, por outro estamos a olhar para mais do mesmo e a desejar por algo novo e diferente. No entanto existem outras surpresas para além dos níveis reciclados. A ideia que a IOI utilizou para o seu quarto nível foi algo inesperado e que me agradou bastante em explorar por ser diferente do habitual, e o quinto nível tirou um pouco de inspiração a partir do nível de Hokkaido do primeiro jogo, o que me deixou contente ao tentar abordar o jogo de uma maneira diferente.

Algo interessante nesta sequela é que em algumas missões existem umas quantas oportunidades onde existem terceiros a terem acção. Quer seja alguém que esteja envolvido em chantagens com um dos alvos, ou alguém que planeia em assassinar os mesmos alvos que nós, a vida de NPCs que interagiam com os nossos alvos já era algo que acontecia anteriormente, mas todas estas eram apenas oportunidades para o jogador assassinar o alvo, sendo que desta vez é possível observar a situação a decorrer ou então intrometer-mos no meio da conversa. No entanto isto também não passa de missões de oportunidade/história, mas seria interessante ver a produtora fazer algo mais com esta ideia no futuro.

A história desta vez tem um pouco mais de força quando comparada com a de Hitman: Season One, tornando-se mais interessante para além do simples formato de “eliminar X alvo” que o jogo anterior seguia. No entanto não se distancia imenso dessa ideia, sendo que para além das curtas cinemáticas não existe mais presente no que diz respeito à história geral do jogo, a não ser as pequenas conversas que vão ouvindo durante cada missão que estão relacionadas com eventos que estão a decorrer nesses mesmos níveis.

Caso tenham comprado Hitman: Season One com ou sem o seu conteúdo extra, podem fazer download gratuito dos mesmos níveis mas com as novidades do segundo jogo de forma gratuita (necessitam de ir até ao primeiro jogo para o fazer), caso não o possuam, podem-no fazer na mesma mas com um certo custo. Estes “remasters” apresentam as novas mecânicas, armas e também algumas revisões como a iluminação, efeitos e aspecto em geral. Honestamente vai haver sempre diferenças em remasters que parecem pior que a versão original pelas mais derivadas razões, e esta não é uma excepção. Num exemplo, a fonte de água que encontram logo a início no nível de Paris tem uns melhores feitos, enquanto que o fumo do nível de Marrakesh foi cortado em termos de intensidade.

Nunca se pode ter tudo e estas mudanças a nível técnico não afectam a jogabilidade em si para além do nosso ego. No entanto algo que me deixou descontente foi o facto de todo o progresso do jogo original não ser transmitido para este, por isso qualquer desafio que tenham completado, armas desbloqueadas e semelhante não irá marcar presença no novo jogo, sendo que necessitam de ganhar tudo novamente. Por outro lado, caso tenham recebido algo a partir dos “Illusive Targets” da primeira temporada, isto vai ficar convosco.

Hitman 2 oferece mais do que novos e velhos níveis. Tal como é habitual existem desafios a completar, contratos que a comunidade pode criar e mais. Mas desta vez a IOI ouviu os pedidos dos fãs e finalmente decidiu criar algo novo para a série que está focado não apenas num Agent 47 mas sim em dois. Sim, Hitman 2 apresenta um modo online chamado de Ghost Mode, que de momento ainda está em fase de beta e apenas disponível para o nível de Miami. Ghost Mode coloca dois jogadores a competirem um contra o outro para eliminar o mesmo alvo mas com um par de regras.

As regras selecionadas para o modo Ghost Mode são um pouco curiosas. A IOI está ciente da maneira em como metade da sua comunidade joga, mas mesmo assim decidiu fazer um modo online competitivo bastante estrito. Cada jogador está a competir para colecionar 5 pontos; caso um inocente seja assassinado o jogador perde um ponto; caso o alvo seja eliminado à frente de outro NPC, o jogador não recebe pontos; cada alvo tem um limite de tempo para ser eliminado. Apesar de ambos os jogadores poderem assassinar o mesmo alvo sem nenhuma penalidade, todas estas regras criam uma pressão e uma espécie de speed run que tem de ser perfeita para o jogador colecionar pontos, caso contrário irá estar preso neste modo durante um bom tempo.

Entretanto, cada jogador está no seu mundo durante o modo online, por isso qualquer explosão ou confusão criada por jogador A não estará presente no mundo de jogador B, mas, é possível apanhar “Ghost Items” que servem para utilizar para comunicar com o mundo do adversário e assim estragar os planos do mesmo como uma “Ghost Coin” ou semelhante. Este modo é uma ideia engraçada e algo que os fãs desejavam ver em uso neste novo formato de Hitman (eu incluído), no entanto as ideias selecionadas por IOI não são as melhores, necessitando algo como uma seleção do que é ou não permitido e também outras opções de jogo, embora mais uma vez seja necessário realçar que está em fase de beta. Pessoalmente também estaria curioso em ver um modo cooperativo neste formato.

Falando em modo cooperativo, com o anuncio de Hitman 2 a IOI lançou o modo Sniper Assassin que é um bónus para quem comprar o jogo. Este modo coloca o jogador a solo, ou com outro jogador, presos num local onde necessitam de eliminar os seus alvos à distância. Não é impossível completar este modo sozinho, mas oferece mais trabalho, sendo possível observar que Sniper Assassin foi pensado com dois jogadores em mente e que estejam a comunicar um com o outro. De momento existe apenas um mapa disponível que rapidamente perde o interesse quando completam todos os objectivos desde eliminar os vossos alvos a descobrir segredos que estejam presentes no mapa, para além de novos mapas seria interessante ver algo mais no futuro no que toca a este modo, mas já é uma adição bem vinda.

Tal como foi dito a início, Hitman 2 continua mais do mesmo. Existem novidades em termos de jogabilidade mas não muito, e alguns dos novos níveis deixam a desejar, enquanto que outros oferecem a inspiração e criatividade que a maioria de Hitman: Season One demonstrou. O regresso do conteúdo antigo melhorado, a adição de modos extra online e constante influxo de novos contratos por parte da comunidade oferecem imenso conteúdo para voltar a visitar o jogo durante meses a fio.

É um passo em frente neste novo formato da série, com a IO-Interactive ainda a experimentar o que pode fazer; as ideias e intenções estão bem presentes e a produtora está predisposta a ouvir os fãs. Quem ficou agradado com o jogo anterior irá gostar deste, e os que ainda estão reticentes talvez sejam conquistados com as novidades. Hitman 2 chegou em peso com imenso conteúdo e não só vos convida mas também aos vossos amigos a experimentar tudo o que tem para oferecer.

Positivo:

  • Níveis interessantes de explorar
  • Modos online são uma adição bem vinda
  • História mais interessante
  • Vário conteúdo disponível

Negativo:

  • Alguns níveis tem um ar repetido
  • Modos online necessitam de mais trabalho
  • Animações com alguns erros e AI facilmente quebrável
  • Progresso do jogo original não está presente na sequela

Mathias Marques

Editor oficial desde Agosto 2014 Para além de videojogos também gosto de anime. Podem ver-me a apregoar sobre ambos os assuntos no site em forma de notícia, artigo ou análise. Tenho a sorte de encontrar momentos parvos enquanto estou a jogar, ou de os criar eu mesmo.

More Posts

Follow Me:
TwitterYouTube

Share

You may also like...