Análise – Ghostbusters

Sempre que existe um remake ou reboot a uma série existem pessoas que não gostam, ou melhor dizendo, odeiam o filme como o pior inimigo da humanidade e depois há quem queira ver o filme antes de começar a “disparatar”, pois o resultado até pode ser algo inesperadamente positivo. Assim eu faço parte dos curiosos que se dirigiu até uma sala de cinema para desfrutar de um filme, e com o intuito de julgar o filme por aquilo que é. E sim, são 4 mulheres nos papeis principais e quem começa logo por detestar o filme por aí claramente tem uns parafusos a menos porque este quarteto tem talento.

Assim as heroínas deste Ghostbusters, e o Thor de outro filme, que trocou o martelo pela falta de cérebro, protagonizam uma aventura assustadoramente cómica. Não existe muito ênfase na sequência lógica das acções, o normal aqui é saltar de plano para plano criando as situações necessárias para umas quantas piadas, enquanto mantém o espectador entretido com uma história conveniente, repleta de acasos, e que utiliza uns quantos clichês propositados sendo que até consegue surpreender pelo final. Apesar das palavras caras utilizadas para descrever processos complicados como: agarrar um fantasma e enfiá-lo numa caixa; no geral é um filme bastante acessível, onde as coisas se podem complicar ligeiramente é nas piadas utilizadas.

Existem vários tipos de piadas utilizadas neste filme, desde as mais básicas relacionadas directamente com o que vemos no ecrã, outras que requerem conhecimento do funcionamento da internet e também piadas relativamente americanas, que é como quem diz, é necessário estar a par de alguns eventos que ocorreram na América. No geral o humor funciona, desde o mais básico ao mais intrincado é óbvio que algumas piadas saem ao lado mas também depende do espectador, algumas fizeram-me rir outras não e as outras pessoas na sala lá iam achando piada a situações que eu até nem achei nada de especial. Mas é assim que o humor funciona, atinge cada um de maneira diferente.

ghostbusters pn ana 6

A prestação dos actores é bastante boa, cada um traz para a mesa o seu próprio estilo que se mistura com a comédia inerente ao filme. Ainda assim e como o humor é bastante subjectivo, poderão não gostar da prestação de algum dos actores ou certos momentos. No meu caso alguns dos momentos protagonizados pela personagem Jillian Holtzmann (Kate McKinnon) foram alguns que me passaram ao lado, mas no geral ri-me de quase tudo; até mesmo de Kevin (Chris Hemsworth) que se apresenta como uma personagem bastante idiota mas que sobressai pela positiva, evitando o tom irritante da maioria desse género de personagem que podemos encontrar em vários filmes.

A história em si, não é nada por aí além. Temos o típico vilão alucinado, um grupo de heróis que quase se encontra por acaso, as situações proporcionam-se com intuito cómico, a maioria resulta e acaba por ser um enredo bem disposto. No meio disto tudo, temos fantasmas psicadélicos e mal dispostos, até parece que não gostaram de morrer, e uma grande quantidade de ectoplasma verde e viscoso. Conforme o filme avança, os fantasmas também vão sendo diferentes e acabam por ter uma boa variedade.

Algo que também não posso deixar de referir é o armamento das Ghostbusters que vai de clássico a tresloucado e inovador. No que diz respeito aos efeitos especiais, eu diria que está bastante bom. Por exemplo as armas mantém o visual clássico, mas agora com muito melhor qualidade e é isso que acompanha todo o departamento de efeitos especiais. Um pouco como os fantasmas que mantém o estilo dos originais mas agora estão muito mais detalhados. E sim, as cenas finais do filme contém imensos efeitos especiais e até têm momentos a roçar o ridículo, mas é por isso mesmo que eu gosto dos Ghostbusters no geral.

ghostbusters pn ana 7

Em suma é um filme bastante divertido que respeita o material original, tem a sua dose de referências e participações mas sobressai como um filme que se consegue aguentar de pé sozinho. Passou tanto tempo desde os originais que neste momento este Ghostbusters acaba por ir de encontro a uma nova geração, é um filme que se conseguiu adaptar aos tempos em que vivemos.

Positivo

  • Um bom nível de comédia
  • Boa prestação dos actores
  • É um filme que nos deixa bem-dispostos
  • CGI está bem aplicado
  • Ectoplasma verde nunca é demais
  • Para um filme de comédia até consegue ter um fim de alguma forma surpreendente

Negativo

  • Guião como um todo precisa de mais alguns pontos intermédios
  • Algumas piadas podiam ter sido mais ousadas
  • Já chega de sopa, percebemos à primeira

pn-bom-2016

Alexandre Barbosa

Videojogos e séries de TV são o seu meio de entretenimento favorito. Desde jogos de plataformas a RPGs todos os jogos são um hipotético interesse. Ganhou também alguns traumas com certos videojogos mas isso já era de esperar. Agora já posso parar de falar sobre mim na 3ª pessoa?

More Posts

Alexandre Barbosa

Videojogos e séries de TV são o seu meio de entretenimento favorito. Desde jogos de plataformas a RPGs todos os jogos são um hipotético interesse. Ganhou também alguns traumas com certos videojogos mas isso já era de esperar. Agora já posso parar de falar sobre mim na 3ª pessoa?