Análise – Game of Thrones Episode 5 “A Nest of Vipers”

game-of-thrones-episode-5-a-nest-of-vipers-6-pn

Game of Thrones da Telltale recebeu o seu 5º episódio, A Nest of Vipers, e eu fiquei bastante zangado com este episódio… quem é que eu quero enganar, eu adorei o episódio… quero dizer, odiei… é complicado.

Então o que é que se passou? Bem, vamos tirar já do caminho a conversa do costume. Quer no aspecto gráfico como sonoro, o jogo continua com a mesma qualidade dos episódios anteriores, com um pequeno destaque para duas situações que me ficaram no ouvido. Esses momentos foram acompanhados por uma música que assentou bastante bem e se destacaram ainda mais por culpa da mesma.

game of thrones a nest of vipers PN ANA (6)

A história está a aproximar-se do fim e com isso a maioria das linhas narrativas começam a convergir. Até aqui tudo bem, é normal, foi para isso que estivemos a trabalhar durante 4 episódios. E diga-se de passagem, a história é boa.

Agora, certamente lembram-se daquele pequeno detalhe dos jogos da Telltale, as escolhas… Bem eu já tive a minha dose e é com esta análise que vou bater o pé. Nunca na minha vida “experimentei” um episódio tão falso como este, talvez seja o acumular de uma raiva incessante ao longo de 4 episódios, mas estou absolutamente farto. Estou farto que as minhas escolhas me sejam retiradas ou que sejam irrelevantes. Estou farto que as minhas escolhas que se mantêm. sejam comer maçãs ou comer cebolas, para não falar em waffles e bacon.

game of thrones a nest of vipers PN ANA (9)

Sinceramente, para quê dar a escolher se queremos mentir ou dizer a verdade quando nos vão obrigar a meio da conversa a realizar uma das opções, anulando por completo as escolhas que fizemos? Porque é que interessa se estivemos do lado de uma personagem o tempo todo podendo estar do lado de outra, se num dado momento a história é igual qual quer que tenha sido a nossa opção?

“Mas Alexandre, o que interessa é a viagem, não o destino.”

game of thrones a nest of vipers PN ANA (15)

Não, não! Se temos direito a escolhas é para as fazer valer, dá uma trabalheira desgraçada criar tantos caminhos alternativos? Deve dar, mas não fui eu que me propus a tal.

A história é boa, não tenho dúvidas, mas o facto de sermos meros assistentes, já que as nossas escolhas valem quase zero, quase que arruína o jogo para mim. Se a história não fosse tão boa já o teria colocado de parte.

game of thrones a nest of vipers PN ANA (2)

Até agora tenho perdoado o jogo de Game Of Thrones da Telltale pois adoro a história, gosto e odeio certas personagens, e facilmente sou transportado para este mundo. Apesar de conter segmentos excelentes, tanto em termos de história como de acção, este episódio foi marcado pela redundância das escolhas, o que vai pesar na sua avaliação.

Este é aquele episódio em que tudo o que fizemos nos deveria vir assombrar, infelizmente a assombração não passa de um lençol e uma ventoinha. Um dos momentos mais marcantes deste episódio é a revelação do traidor, que foi tão óbvia que adivinhei quem era há 2 ou 3 episódios atrás, mas quis pensar para mim mesmo que isto seria tão óbvio que me vão surpreender… não. E de caminho, vamos justificar este momento com 3 ou 4 escolhas do jogador que se transformam na desculpa esfarrapada mais parva que alguma vez vi.

game of thrones a nest of vipers PN ANA (4)

Game of Thrones da Telltale prima pela história, vale a pena pela história mas é só isso. Esta tem sido a história em que as escolhas do jogador menos importam pois ao virar da esquina, vai tudo dar ao mesmo lado. E quando não vai, levamos com um belo de um Game Over.

Bem, escolhas à parte, este episódio está repleto de momentos emocionalmente marcantes que me deixaram ansioso pela história do episódio 6 e eu mal posso esperar.

Positivo

  • Mortes
  • Secções com Ramsay Snow conseguem retirar a sanidade mental a qualquer um
  • Segmentos de acção
  • Mais mortes
  • Poderá a escolha final do episódio marcar o ponto de viragem de Game of Thrones?
  • Mais mortes que ainda são poucas

Negativo

  • Escolhas redundantes num jogo baseado em escolhas
  • Momento de revelação do traidor é demasiado previsível e tem a justificação mais ridícula de sempre
  • Aquela morte…

razoavel-oficial-an-pn-img

Alexandre Barbosa

Também conhecido como Tylarth, sou um grande fã de videojogos no geral e séries de TV.

More Posts

Alexandre Barbosa

Também conhecido como Tylarth, sou um grande fã de videojogos no geral e séries de TV.

  • Silver4000

    Bem, eu vi pelo menos duas situações onde decisões anteriores não teriam qualquer importância pois a história a seguir foi forçada, no entanto como essas situações não me tinham corrido para o “melhor”, não acabou por me afectar muito.

    No entanto houveram uns momentos em que me questionei se tudo o que aconteceu até agora foi influenciado por isso ou não, embora novamente, o resultado final anulou a maior parte dos acontecimentos. Embora tenha de ir ver se algumas situações mudam ou não de acordo com o que se passou.

    O que tenho a dizer é em relação à história, com apenas um episódio para concluir a história (e provavelmente vai durar um pouco mais de uma hora, tal como este, estive a contar, e sinceramente eu estava à espera de um penúltimo episódio grande) não estou a ver para onde isto vai (por acaso até estou, morrem todos, fim da família Forrester, e se for verdade, é um final merdoso).

    Por um lado temos o blah blah blah no Norte e continua secante como sempre, mesmo que ele encontre o tal North Grove não estou a ver o que vai fazer com ele nem com a guerra à porta (já iniciada), Kings Landing era uma das partes mais interessantes para mim, mas não estou a ver como poderá afectar a história neste momento.

    *spoilers para o resto do comentário* O resto foi mesmo a melhor parte da história, finalmente ligaram a história do Rodrik e do Asher, especialmente o final, mas antes disso, aquele enorme exército que o Asher trouxe foi apenas uns 5 ou 6 guerreiros e morreram quase todos quando chegaram, e o traidor era óbvio que seria aquele que não escolhemos no início, embora ele tenha referido outros acontecimentos e gostava de ver o que ele diria caso eu tivesse feito o contrário nesses eventos.

    *mais spoilers* Por fim, aquele final, ouvi dizer que ambos podem morrer, sinceramente não esperava que fosse acontecer algo assim, visto apenas terem sacado uma à Game of Thrones no fim do primeiro episódio (e já que falo nisso, desde o último episódio vi 4 temporadas e tenho achado a série TV e a da Telltale parecidas), acabei por escolher o Rodrik, ele era o mais velho, teve umas semanas de sexo por isso deve ter um filho a caminho, era definido pelas nossas escolhas e o meu Rodrik era uma pessoa que se preocupava com a sua família, daí o seu sacrifício fazer mais sentido (e também tendo em conta o antagonista que estava presente) e o Asher teve um crescimento bom tendo em conta o passado que nos foi dito sobre ele.

    • Nirvanes

      Exactamente as minhas escolhas!

  • Nirvanes

    A cena do traidor foi ridicula… Mas fiquei a pensar o que teria acontecido se o tivesse escolhido como ‘mão direita’… se calhar o traidor era o outro.

    • tylarth

      Ding ding ding, quase ganhaste o euromilhões. xD

      Spoilers
      A cena mais ridícula nessa parte é a justificação, eu quero salvar esta casa, e para isso vou dar os segredos desta família ali aos vizinhos… Depois atira-te à cara todas as decisões contra e a morte do outro que tu não podes evitar.
      Eu espero bem que Game of thrones da telltale termine no próximo episódio, não quero seasons nisto, e a existirem que sejam com outras personagens.

      • Nirvanes

        Eu estou a gostar, não acho que deixe ficar mal a franchise.

        Mas afinal é mesmo como disse? O traidor é o que não escolhes? É que se assim for percebe-se a critica geral estupida.

        • Silver4000

          Sim, o traidor fica definido a partir do momento em que fazes a decisão com o Ethan no primeiro episódio.
          *spoilers*

          Embora no meu save, o traidor (Duncan) tenha referido o casamento que não cheguei a obter, o momento em que recusei a beijar o anel do outro e outra coisa, pergunto-me se tivesse feito isso se o traidor não seria outro.